Tokio Hotel Fanfictions
Hello Alien!

Seja bem-vindo ao Fórum dedicado somente a Fanfictions dos Tokio Hotel.

Não estás conectado, por isso faz login ou regista-te!

Estamos à tua espera. Aproveita ao máximo o fórum ;-)

Destinado a Fanfics sobre a banda Tokio Hotel. Os leitores poderão expor as suas fics como também poderão somente ler.


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Antro do Tokio Hotel

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Antro do Tokio Hotel em Qui Jan 10, 2013 2:09 pm

Antro Significado - Fig. Habitação lôbrega; casa ou lugar de perdição e vícios; abismo: os antros do crime.

Gustav é um adolescente esforçado inscrito no programa Jovem Aprendiz. Pelo programa ele conseguiu um trabalho em um Café no centro de Niterói - RJ.
Georg e Tom são melhores amigos desde a 3ª série. A amizade começou quando Georg comeu massinha de modelar e vomitou na professora. Tom, que era colega de classe de Georg, disse que vomitar massinha de modelar era legal, então como não tinha mais, ele comeu giz de cera, e os dois ficaram horas na enfermaria do hospital mais próximo.
Bill era... Bom, ninguem o conhecia... Era só um frequentador do Café, que todos tinham medo quando chegava lá. Ele pedia um capuchino com pão de queijo e ficava a tarde toda lá jogando Pokemon. De vez em quando ele ficava estralando um plástico bolha que tirava de sua mochila.
Georg e Tom eram considerados ricos e imprestáveis, mas eram pessoas boas. Eles frequentavam o café que Gustav trabalhava, por isso eram colegas.
Em uma tarde nublada, lá estava Georg e Tom no balcão e Gustav servindo Café expresso á eles.
_Então Tom, você lembra o nome daquela menina que você catou ontem? _Perguntou Georg colocando açúcar em seu café.
_Que menina? Eu não catei ninguém ontem? _Disse Tom com cara de quem não sabia nada.
_Você não lembra o nome dela, né?
_Não... O nome dela era complicado... Acho que era Francine, Francielle, Fri... Fro... From... Fabiana... Alguma coisa assim...
_Era Flávia.
_Tanto faz...
_Pelo menos dessa vez você lembrou a primeira letra do nome dela.
_Vocês não prestam... _Disse Gustav secando alguns copos no balcão. Falando pela primeira vez.
_Gustav meu caro! A vida é feita pra ser aproveitada e vivida. _Disse Tom levantando a xícara de café como se fosse um copo de Uísque.
Quando Tom abaixou a xícara, Bill entrou com sua mochila no café, timidamente como sempre. Ele sentou no canto do café, e dessa vez pegou um livro de dentro da mochila. De longe dava pra ler o titulo "Sombras da Noite".
_Vou atendê-lo. _Falou Gustav apontando a cabeça para Bill.
Gustav foi até a mesa de Bill com um apontamento e toalhas de papel. Tom se curvou para mais perto de Georg e disse:
_Aquele ali que não deve se divertir, né Georg!
_Ele deve ter o divertimento dele Tom.
_Duvido... Ele é estranho. Com aquele cabelo espetado, e... credo!
_Tom, não fala assim do cara! Ele é diferente, só isso.
_Aposto que é virgem...
_Quem é virgem? _Disse Gustav voltando ao balcão.
_Aquele menino estranho que você foi atender agora á pouco...
_O Bill?
_Você sabe o nome dele?
_Ele é cliente frequente aqui Tom, tem como saber...
_Ele é de alguma seita? Ou tem pacto com o Cramunhão?
_Cramunhão?
_É capeta na língua dos antigos do interior, sei lá!
_Ah! Bom, não, ele não tem pacto com ninguém. Ele só gosta de ser assim...
_Ele é Gay?
_NÃO! _Disse Gustav elevando a voz. _Porque a gente ta falando dele afinal? Sabia que é falta de Educação!
_O Tom acha que ele não se diverte... _Disse Georg.
_Não como você, pode ter certeza Tom! _Disse Gustav pegando um pote de pão de queijo.
_É tenho certeza que ele não gosta de lugares que você vai Tom. _Disse Georg rindo.
_QUER APOSTAR? _Disse Tom, quase se levantando da cadeira.
_Apostar? _Perguntou Gustav e Georg em coro.
_Sim, eu duvido que ele consiga se divertir... Assim como eu. Ele não deve pegar ninguem, é mais um gay estranho.
_Eu acho que ele tem capacidade tanto quanto você Tom _Disse Gustav em um tom ameaçador.
_Tudo bem, vamos levar ele nas festas mais estranhas e possíveis que o Tom vai, e vamos ver se o Bill pega alguém... Se ele conseguir Gustav vence, se não você ganha Tom, mas a gente vai ter que forçar a barra pra ele catar, pra termos certeza se é gay ou não. Eu sou o juiz da prova ok. E como é uma aposta, quem perder vai passar a noite em uma boate Gay! _Disse Georg.
Todos se olharam e concordaram com receio.
_OK! Vai lá Gustav! _Disse Tom.
_Eu? Você que inventou isso! SE VIRA!
Tom foi até a mesa de Bill com medo, mas mesmo assim foi. Tinha que provar a seus amigos que aquele garoto estranho que mais parecia uma Lhama desidratada era Gay.
_Errr... Oi! _Sussurrou Tom.
_Oi. _Respondeu Bill, que achou estranho estar sendo incomodado enquanto comia seu pão de queijo.
Tom ficou olhando para Bill aterrorizado e não disse mais nada.
_Você quer se sentar? _Perguntou Bill.
Tom se sentou sem dizer nada. Estava inconformado com Bill "Ele parece mais Gay de perto" pensava.
_Algum problema? _Perguntou Bill.
_Ah! Nenhum, por quê?
_Porque você não para de me encarar, como se eu fosse filho da Lady Gaga...
_Imagina, eu... Gustav é seu amigo?
_Bem... Ele me atende aqui...
_É que, bem, eu vi você aqui, sozinho...
_Você acha que eu sou gay?
_NÃO! QUE ISSO! Nunca passou pela minha cabeça isso! É que, bem... Gustav falou que você sempre vem aqui sozinho... Você, desculpe perguntar mas, você tem muitos amigos?
_Não, as pessoas me acham estranho. Acham que eu tenho pacto com o demônio, ou que eu sou filho de circense.
_Bem... Não gostaria de sentar com a gente e conversar... Trocar uma ideia, quem sabe...
_Pode ser.
Bill pegou seu pote de pão de queijo e sua mochila e foi sentar no balcão. Tom apresentou Georg e sentou-se.
Algum tempo depois, Tom entrou no assunto crucial. Chamou Bill para sair com eles, para os lugares que eles iam. Bill aceitou sem pensar muito “preciso sair para conhecer novos lugares, novas pessoas” disse ele.
_Ótimo! Amanhã vamos á um Baile Funk. _Disse Tom.
_Funk? Você não disse nada de Funk. _Exclamou Bill preocupado.
_Você não disse que queria conhecer novos lugares? Pois então, a gente vai levar você aos lugares mais distintos do seu estilo.
_Acho que entrei um uma fria.

Eram 9 horas e todos já estavam na frente do Café. Estavam só esperando Gustav tirar o avental e pegar seu celular.
Demoraram cerca de 2 horas pra chegar no “antro de perdição” assim disse Georg. Não demoraram tudo isso porque se perderam, e sim porque o lugar era anormalmente longe. Gustav e Bill estavam preocupados, porque se a coisa piorasse, eles não saberiam como voltar para casa.
Quando chegaram Bill já queria ir embora. Tudo estava indo bem no baile até que eles entraram. Todos olharam estranhos para Bill, e o as pessoas pararam de conversar, o silencio só não foi maior, porque estaca tocando Gaiola das Popozudas e o DJ não se moveu para pausar a musica.
Sem ninguem perceber, Tom já estava distante. Quando a musica parou, o DJ pegou o microfone e disse:
_Ae! Carinha estranho. O que você está fazendo aqui?
_Eu? _Perguntou Bill _Só estou experimentando novos ares.
_Ah sim. _Disse o DJ. _Divirta-se.
Alguns minutos mais tarde, chegou uma garota perto de Bill, que achou estranho, porque todos ali estavam com medo dele. Ela era a típica funkeira, Corpo de pêra Extra GG com bônus na bunda, Top, Bermuda Legging, Cabelo Preto e Alisado á força. Detalhe, ela só chegou perto de Bill porque estava sendo paga por Tom para fazer aquilo.
_Oi gato!
_Ah? Oi!
_Ta gostando do baile funk?
_É... Diferente.
_Como é seu nome?
_Bill e o seu?
_Moranguinho.
_Não! Sério?
_É... _Bill ficou em silencio e ela continuou _Na verdade, Moranguinho é meu apelido. Meu nome é Grace Kelly.
_Era melhor o apelido... _Sussurrou Bill.
_Quer dançar?
_Dançar o que?
_A Academia do Créu...
_Hein?
Bill não teve escolha, foi puxado pela popozuda e jogado no povão. Alguns minutos depois a tal funkeira tentou beijar Bill, que arregalou seus olhos e saiu correndo para fora do “antro”.
_O que aconteceu Bill? _Perguntou Tom já no carro trazendo todos de volta.
_Ela quis me beijar e falou que conseguia quebrar uma bengala com o popô dela.
_Isso sim que é bunda poderosa... _Comentou Georg rindo.
_Nunca mais me leva naquele lugar Tom... Please! _Implorou Bill.
_Pode deixar! Amanhã a gente vai em um lugar diferente.

Não demoraram muito para chegar ao tal lugar, Bill estava traumatizado do dia anterior, mas sabia que pior que aquilo não existia.
_Onde a gente está indo? _Perguntou Georg.
_Vocês vão ver! _Disse Tom.
O lugar era grande, e do lado de fora dava para escutar musicas antigas.
_Baile da 3ª Idade? Tom, você está louco?? _Gritou Gustav.
_Não! É bom pra relaxar, e outra, eu estava sem dinheiro hoje, então minha vó deu convites.
_Esta tocando Roberto Leal lá dentro ou eu estou ficando louco? _Perguntou Bill.
_Não! É Roberto Leal sim, minha mãe tem um disco dele. _Disse Gustav.
Eles entraram e logo uma velinha veio perto de Bill.
_Oi meu filho!
_Oi Dona.
_Você vendeu sua alma para o demo?
_Ahh, não!
_Que bom filho... Vê se case antes dos 30, viu?
_Pode deixar...
_Quer dançar? Eu adoro Roberto Leal...
_Pode ser dona... Como é o nome da senhora?
_Maria da Conceição e o seu filho?
_É Bill.
Bill foi dançar com a dona Maria, e ele admirou como aquela senhora gostava de falar...
__... Filho, eu adoro fazer bolo de fubá para os meus netos...
Horas depois, Tom veio perto de Bill e falou:
_Vamos embora! Uma senhora passou a mão na minha bunda... _Depois Tom saiu do lugar.
Bill demorou para chegar no carro, e quando chegou todos perguntaram sobre a demora.
_Estava pegando o telefone da dona Maria... O que? Ela prometeu que ia fazer um cachecol de tear pra mim...

O outro lugar que eles foram era em um forró. Acabou que Georg quis vir embora, ele não agüentava o “vou não, quero não posso não” que ficou enfurecido, subiu no palco, grito “gay é a sua mãe” e tacou o microfone do chão.
Alguns dias se passaram e Tom inventou outro lugar para ir, dessa vez ele tinha exagerado, e sabia disso, mas a aposta estava em pé, e ele queria que Bill pegasse alguma garota.
Antes de chegar ao lugar, Tom entregou identidades falsas e pediu para todos colocarem uma venda. Porque não queria que eles vissem o lugar pela fachada. Todos colocaram porem já tinham certeza que coisa boa não era aquele lugar.
Foram abrir os olhos quando já estavam dentro do local e sentados. Tocava Lady Gaga no lugar, então pensaram que não era nenhum lugar tipicamente brasileiro.
Ao tirarem a venda, via-se um lugar em tom roxo com rosa, um palco com um poste de polidance e mesas redondas. Coelhinhas da Playboy serviam as mesas.
_Cara! A gente está em uma boate... _Disse Bill indignado.
__... De Strip! Não se esqueça desse detalhe.
_As identidades eram para entrar aqui? _Gritou Gustav.
_Também... E comprar bebidas também. _Tom olhou para o horizonte e chamou um garçom _Vodka, por favor. Pra todos.
Bill olhou para os lados pensou, respirou fundo e falou:
_Quer saber... Vodka com limão...
Algum tempo depois, todos já estavam bêbados. Ver shows de strip e beber Vodka não era costumeiro para eles. Estavam todos caindo, principalmente Bill e Tom.
_A gente achou que você era gay! _Disse Tom com uma voz de bêbado.
_Achou é? _Murmurou Bill pegando o copo e bebendo mais, depois ele continuou. _Vocês acham que eu não sabia? Eu posso ser estranho, mas não sou surdo. Vocês falaram alto, a gente estava em um café e não na zona! _ Ele falava isso tão devagar e guspindo como bêbado, que parecia que iam desmaiar ou vomitar a qualquer momento. _ O nome dela é Alice, sabe? Eu gosto dela. Por isso eu pareço gay.
_Mas ela sabe que você gosta dela?
_Ela nem sabe que eu existo... Ou melhor, deve saber... O menino estranho que estuda na mesma escola que ela.
_Porque você não se declara? Fala pra ela quem é você, toma atitude cara!
_Você acha que ela vai ligar pra um cara como eu? Que usa preto, cabelo pra cima e lápis no olho? Não...
_Quem sabe?
Eu... _Depois disse Bill desmaiou de sono na mesa.
Algumas semanas depois Bill voltou ao Bar para falar com Gustav.
_Onde está o Tom, aquele filho da mãe?
_Deve estar chegando.
Alguns minutos depois, chegaram Tom e Georg.
_Você tinha razão Tom... Eu me declarei...
_Do que você está falando?
_Da garota que eu gosto... Eu falei tudo o que eu sentia por ela, e ela retribuiu, falou que amava o meu estilo, mas tinha muito medo que eu a odiasse... ELA ME AMA CARA!
_Cara, sério. Não sei do que você está falando?
_Esquece Tom... _Bill tomou um café sossegado. E Tom disse bem baixo.
_Cara! Essas coisas que aconteceram só ajudou a nos tornarmos amigos, então tem uma coisa que você tem que saber... Eu bêbado, ajudo muitas pessoas, seja o que eu disse, tenho certeza que foi a pura verdade.



Última edição por jucimarapagnozi em Sex Jan 11, 2013 2:51 pm, editado 1 vez(es)

Ver perfil do usuário

2 Re: Antro do Tokio Hotel em Qui Jan 10, 2013 5:25 pm

Gostei bastanteeeeee!! Muito divertido e engraçado Razz. E na parte do baile funk? Me matei de rir imaginando o Bill no baile funk kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk. Outra coisa que eu gostei é que a fic é contado com o Bill no estilo antigo *_* Adorei

Continua......

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum