Tokio Hotel Fanfictions
Hello Alien!

Seja bem-vindo ao Fórum dedicado somente a Fanfictions dos Tokio Hotel.

Não estás conectado, por isso faz login ou regista-te!

Estamos à tua espera. Aproveita ao máximo o fórum ;-)

Destinado a Fanfics sobre a banda Tokio Hotel. Os leitores poderão expor as suas fics como também poderão somente ler.


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Simplesmente Complicada

Ir à página : 1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 5]

1 Simplesmente Complicada em Dom Set 23, 2012 11:57 pm

Nome: Simplesmente Complicada

Autor: Birdy

Classificação: +16

Gênero: Drama/Romance

Terminada: Não



Sinopse

Kate é uma Agente Literária de sucesso em New York e apaixonada por seu melhor amigo Bill. Prestes há completar 30 anos ela se encontra presa a uma vida sem grandes aventuras. Mas após recrutar um novo escritor em potencial para sua editora Kate decide que está na hora de deixar o passado e seu amor não correspondido pelo melhor amigo de lado e dar uma nova chance para garantir que seu futuro não seja tão insignificante. Tom propõe a ela um pacto de um relacionamento sem qualquer envolvimento emocional. Só que, aos poucos, a intimidade faz com que eles se tornem cada vez mais próximos e interessados um no outro.



Posto???

Ver perfil do usuário

2 Re: Simplesmente Complicada em Seg Set 24, 2012 12:21 am

Ain....Posta, posta, posta!!! bounce

Ver perfil do usuário

3 Re: Simplesmente Complicada em Seg Set 24, 2012 8:58 am

Continue! cat

Ver perfil do usuário http://breakfastattiffany-s.blogspot.com.br/

4 Re: Simplesmente Complicada em Seg Set 24, 2012 9:03 am

Posta sim!! >.<

Ver perfil do usuário http://tokiohotelmateriais.blogspot.com.br/

5 Re: Simplesmente Complicada em Seg Set 24, 2012 3:19 pm

Algumas coisinhas que precisam saber antes de começar a ler:
Bill e Tom não serão irmãos e também não serão amigos até que eu decida o contrário.
Tom não se chamará Tom Trümper porque(Além de não pertencer a ele) eu acho esse sobrenome muito família buscapé. Seu nome será Tom Kallaway
É isso...






Capitulo 1


Kate...


Trinta anos, trigésimo aniversário, dez mil novecentos e cinqüenta e sete dias vividos... Contando os anos bissextos é claro, porque eu os deixaria de lado dias tão insignificantes na minha vida? O fato era que ao estar ali parada enfrente a um pequeno bolo de aniversário com aqueles malditos números impares na minha frente me fez perceber que minha vida até aqui fora isso, uma grande e profunda insignificância.

Tudo bem, eu tinha o emprego dos meus sonhos, os três melhor amigos do mundo e porque não dizer também, um dos apartamentos mais legais que eu já vi.

E não querendo parecer clichê, porque sinceramente eu odeio até mesmo o som desta palavra. Ainda faltava a coisa mais importante, que toda mulher e não... Não a exceção embora algumas jurem de pés juntos que não precisam e que vivem muito bem sem isso... E eu sei disso porque eu já fui uma delas... Havia aquela coisa chamada amor, e infelizmente eu ainda não a tinha encontrado.

Você deve estar pensando... Ok 30 anos, ela deve ser um solteirona louca como Bridget Jones, aquele tipo de mulher que canta na sala de tv olhando um filme de romance daqueles bem melosos e ainda por cima como se já não bastasse tudo isso, ali bem enfrente ao sofá desarrumado há um pote enorme de sorvete, porque além de ser depressiva ela também está louca para ter obesidade mórbida. Mas não... Eu não sou assim... Ou pelo menos não era....

Vamos começar do começo... Porque é assim que todas as histórias começam e eu não posso fugir as regras sempre que quero... Infelizmente.

No colegial eu não era a nerd maluca que vivia em cima de livros e cadernos, eu não era aquela sempre pronta para levantar a mão e responder uma questão. Eu estava mais para aquela que afundava na cadeira esperando que meu professor esquecesse da minha existência, felizmente ele sentia uma pena tão grande de mim que naturalmente desviava o olhar assim que me via naquela posição deplorável. Mas fora isso eu não passava o resto do meu dia escondida, eu tinha amigos e pode acreditar eu tinha muitos amigos. Não era a mais popular, mas as pessoas me conheciam, algumas meninas me odiavam embora eu não fizesse idéia do motivo.

Na faculdade as coisas não mudaram muito, a não ser que agora não podia mais me esconder do professor e também não queria mais fazer isso. E foi ai entre uma faculdade de Letras e Literatura que eu conheci o cara perfeito, aquele cara com um sorriso largo e acolhedor. O cara do cabelo bagunçado, da roupa bagunçada. Aquele tipo de que te faz querer levantar toda manha para vir à aula, mesmo nos dias nublados porque você sabe que ele vai estar lá. Já que aparentemente ele é bem mais responsável que você.

Então depois de ele tomar seu coração por completo, de uma forma que você jamais se recuperaria você descobre que ele tem uma namorada e o pior, descobre que ele é feliz com ela.

E é ai que você para de querer assistir as aulas, porque sabe que aquele sorriso não é seu, e começa a pensar nos motivos que o levam a chegar bagunçado todo dia na aula... Sexo no estacionamento talvez...

Mas na sua mente falha e doentia você vai conseguir tomá-lo da garota perfeita, porque não? Você não é tão má assim, seu cabelo não é muito bom é verdade, e quando você acorda morre de medo de olhar no espelho, mas ele pode não pensar nisso. Talvez você tenha apenas desvio de imagem. Isso é uma síndrome, não? Talvez você só precise de um tratamento de choque para acordar pra vida.

Então você se torna amiga dele, e não só isso você tem a grande capacidade de ser a melhor amiga dele. Daquele tipo para quem ele conta sobre tudo, incluindo algumas coisas sobre a insuportável namorada perfeita.

Lá está você o ouvindo falar e falar sobre a indesejável. Ele ri enquanto folheia seu livro e então em um momento perdido ele para observando você e tudo que você consegue pensar é: O que há de errado comigo? Na única oportunidade que você tem de contar a verdade, a sua reação é sair correndo para o primeiro banheiro e examinar detalhes do seu rosto rezando para que não esteja nada errado e ele não ache você pior do que é.

E quando você volta, ele não está mais lá esperando por você, na verdade ninguém está, porque todos estão ocupados com alguém, menos você, porque todo tempo que teria para dedicar a procurar um namorado, você gasta pensando nele e nas mil e uma formas de roubá-lo dela.

O tempo passa... A faculdade termina você descobre que a indesejável na verdade não é tão ruim assim. E o que antes era inveja torna-se uma pequena afeição. E você tenta de todas as formas esquecê-lo, e começa a se punir por não conseguir. A vida não é fácil é o que todo mundo diz, mas a vida tende a piorar quando você quer esquecer uma pessoa, mas ela não faz a mínima questão de ajudar.

Porque Bill era assim... Sim esse era o nome dele Bill Kaulitz, o cara dos meus sonhos... O garoto de trinta anos de idade. A única pessoa no mundo capaz de me fazer rir em uma segunda feira.

Bill era centrado, completamente educado, incapaz de falar um palavrão, resumindo era um chato metido a certinho. Porém era lindo e tinha o sorriso mais perfeito do mundo, e também por um mero detalhe era o dono dos fiapos que sobravam do meu coração, mas é claro ainda hoje ele não fazia idéia disso.

Ok, mas acho que falta contar mais alguma coisa antes de realmente começar a contar os últimos meses que antecedem meus 30 anos... E vamos terminar falando sobre meus relacionamentos...

Sim vamos deixar uma folha em branco e não, isso não é defeito de edição. Isso é a verdade...

Se houver mesmo um livro sendo escrito por Deus, ele deve sinceramente ter ficado sem tinta na caneta no capitulo “Relacionamentos” da minha vida.

Não, eu não estou brincando e vamos falar a verdade, beijar primos não pode contar, eles nunca contam porque é como uma troca de favores. E babacas aproveitadores também não contam.

Porque com eles não passam de horas ou minutos, resumindo não houve relacionamento de espécie alguma na minha vida. E com isso podemos chegar juntas a conclusão de que sim... Eu ainda era ridiculamente virgem.

Mas Bill não sabia disso, é claro eu sempre fazia questão de falar os nomes de babacas com quem eu saia durante a semana, alguns eu dispensava segundos depois, e os que chegavam até o meu apartamento não tinham muitas histórias para contar depois, a não ser as que inventavam é claro porque essas sim caiam no ouvido do Bill. E era por isso que ele me recebia de cara fechada sempre que um novo rumor sobre mim se espalhava na faculdade. Eu não fazia questão alguma de desmentir. Porque eu queria mesmo fazer ciúmes a ele. Claro isso nunca aconteceu de fato.

Com o tempo as coisas foram ficando piores, porque mesmo não querendo eu cresci, então fui parar em uma editora em Manhattan com uma equipe maluca e um chefe totalmente bipolar.

Eu amava meu emprego, adorava poder mandar e decidir tudo que queria como agente literária. Amava o fato de que Bill morava no mesmo prédio que eu e amava mais ainda que morava sozinho sem ela. Amava o fato de fugir para lá sempre que podia e assistir os piores filmes do mundo sentada ao seu lado no chão de sua sala.

Mas as coisas sempre tendem a piorar, e realmente pioraram quando eu o ouvi dizer sim em minha frente no jardim da casa dos pais da Sara.

Eu queria morrer assim que entrei em meu apartamento, queria quebrar alguma coisa, mas tive pena assim que lembrei o preço de tudo, então pensei em rasgar os livros que ele me dera desde que nossa amizade começou, mas eles eram bons demais para acabar no lixo de NY.

Então eu saí de casa, no intuito de encontrar o primeiro cara que aparecesse em minha frente e acabar com tudo de uma vez, com a pureza existente apenas em meu corpo porque eu definitivamente ainda tinha a mente mais podre do mundo.

Encontrei algumas pessoas do escritório bebendo no Tavern e entrei para ficar com eles, eu iria beber todo álcool do mundo que aparecesse em minha frente, estava decidida a fazer isso. Mas quando dei por mim estava atrás das cortinas de luzes beijando um desconhecido qualquer. É eu sei, esse era o meu plano então ótimo começo. Até ele pronunciar as palavrinhas mágicas que nenhuma mulher gosta de ouvir...

– Odeio fazer isso, mas acho que você precisa saber que eu sou gay. – Disse ele afastando-se de mim.

– Há é? – Digo completamente abobalhada pensando em como um cara daqueles poderia ser gay, mas ok sorte dos outros caras então.

– Sim.

– Há quanto tempo? – Pergunto já tentando me recompor.

– Acho que desde que eu nasci. – Ele ri.

Isso foi péssimo eu sei baita plano de sair e pegar o primeiro, mas acho que você precisa saber que no final da noite o gay ... Quer dizer o Adam e eu nos tornamos amigos. Ele parecia bem homem até começar a falar em moda e Madonna, depois disso era uma bicha completamente afetada e incrível. E honestamente ele foi a melhor coisa que poderia ter acontecido em minha vida naquele dia.

E para não esquecer também nesta noite acabamos conhecendo Lili, a secretária do chefe bipolar, e assim como nós ela também tentava curar uma dor de cotovelo no bar.

E então o tempo passou... E aqui estou enfrente ao bolo novamente, com todos os olhares curiosos em minha volta esperando para que eu assopre a vela e acabe logo com isso.

– Você só tem que soprar. –Bill disse.

– Eu sei é só que isso vai realmente me levar aos trinta e é assustador.

– Kate não me faça ir ai enfiar essas velas na sua boca, apaga logo isso! – Adam gritou atrás do Bill. – Você já tem trinta anos e o fato de apagar uma vela não irá mudar isso.

– Ele tem razão. – Disse Bill novamente.

– Ok, mas o Tom, ele... Não chegou e...

– Como se você se importasse. – Adam falou novamente e ironicamente. – Estou brincando.

Eu o olhei furiosamente esperando que só por um minuto ele mantivesse aquela maldita boca fechada.

Então quando novamente fui tentar apagar minhas velas Lili entrou correndo em meu apartamento.

– Tudo bem, eu já estou aqui, mas tenho uma má noticia. – Disse ela afobada.

– Se isso não for importante eu juro que atiro você pela janela Lili.

– Cale a boca Adam. – Ela gritou e voltou a respirar. – Eu estava no aeroporto vindo pra cá e Tom estava lá, então eu perguntei a ele se não deveria estar aqui e ele me disse “Não sou importante Lili, quem ela quer que esteja lá neste momento com certeza está.” – Ela fez uma pausa por um momento olhando para Bill que imediatamente me olhou. – Então ele embarcou, para o congo... Acreditam? Congo? Quem vai para o Congo no dia do aniversário da namorada?

– Não estávamos namorando. – Eu disse, apagando a chama de minhas velinhas com meus dedos. – E não importa, Tom tem razão. Alguém quer bolo?

Caminhei até o sofá no maior estilo namorada abandonada, e soltei meu peso sobre ele, apoiando minhas mãos no queixo. Tom tinha absoluta razão em me abandonar ali e principalmente no dia do meu aniversário... E mais ainda porque sabia que a única pessoa que eu julgava ser mais importante do que tudo estava bem ali ao meu lado me olhando com os olhos carregados do pior sentimento do mundo... Bill me olhava com pena, o único sentimento que eu jamais quis ser digna de merecer...



.............................................x...............................................


Não sou professora de português então se encontrarem erros grotescos avisem. Wink


Continuo??

Ver perfil do usuário

6 Re: Simplesmente Complicada em Seg Set 24, 2012 10:35 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Primeiramente, onde você se escondia, que nunca li tua fic?! Shocked

Eu simplesmente ameiiii cada pedaço da fic, desde a sinopse!
Você escreve super bem! Fiquei vidrada do inicio ao fim! Sua escrita é impecavel.

Amei a Kate! Me identifiquei em vários pontos com ela. As vezes tento imaginar meu futuro e me vejo na mesma situação que ela! Presa a alguém que jamais será meu e sozinha aos trintas anos!
Mas pelo menos ela tem a vida profissional perfeita, eu adoraria ter o trabalho dela! Meu sonho de consumo! Razz
Uma coisinha, Sara é a namorada do Bill? E ele aceitou se casar com ela?

Ela tá com o Tom só pra passar ciúme no Bill ou não?!...
Shocked Porque eu sinto que o Bill percebeu que ela gosta dele... Quero só ver, ou melhor, ler o que vai acontecer.

Estarei aqui esperando ansiosamente o próximo capitulo! bounce


P.S.: Amei sua foto do perfil! A linda da Anne Hathaway no filme Amor e Inocência, como a talentosa Jane Austen!' *-*
P.S.²: Prometo caprichar mais no próximo comentário, é que tenho que madrugar amanhã... na verdade eu já deveria tá na cama, mas não consegui parar de ler! Rolling Eyes

Ver perfil do usuário

7 Re: Simplesmente Complicada em Ter Set 25, 2012 12:15 am

Cara, na boa, foi bom esse nyah fechar a categoria por um lado!!!Essa fic é perfeita!! Shocked

Nessa era de vampiros, anjos, demônios e histórias de colegial, é dificil encontrar fics mais ''adultas'', mais reais que tenham realmente possibilidade de acontecer e que sejam bem escritas....E eu procurei muito!!!Acredite!

Já me identifiquei no primeiro capítulo, sério...Me vejo assim com trinta anos (e espero que papai do céu mude isso, pooooor favooor!!! pale )
Senti pena dela, sabia?E tô morrendo de medo de ficar assim!!! Sad

beijar primos não pode contar, eles nunca contam porque é como uma troca de favores. E babacas aproveitadores também não contam.

Oh, god...Esta sou eu!!!! Shocked

Eu ainda era ridiculamente virgem

Agora sim eu fiquei definitivamente com medo!!! pale Será que vou chegar à esse ponto???Trinta anos e virgem??Nãããããoooo!!!

– Odeio fazer isso, mas acho que você precisa saber que eu sou gay. – Disse ele afastando-se de mim.
HAHAHAHAHAHAHAHHAHA
Eu ri muito com isso....Sempre acontece comigo!!!¬¬'

Sério, senti muita pena dela no final...Tadinha!! Crying or Very sad

Enfim, você escreve muito bem e eu já tô amando a história por ser algo real, possível e sem vampiros....#euodeiovampiros! Rolling Eyes

rsrsrsrsrs

Continue, pooooor favoooor!!!

Ver perfil do usuário

8 Re: Simplesmente Complicada em Ter Set 25, 2012 9:21 am

Adorei esse primeiro capítulo! tongue

Pode parecer torturante ou clichê, mas eu também me imagino assim, aos 30 anos, sozinha e com medo de assoprar as velas dos 30 anos. Mas pra mim, o que me importa mesmo é minha profissão que de longe se parece com a da Kate, eu quero trabalhar na área da saúde, cuidar das pessoas <3

Mas podes continuar sim, o capítulo está fantástico, quem dirá o restante, continues, curiosidade a mil aqui!

Obs.: Tom nada exagerado! Shocked

Ver perfil do usuário http://breakfastattiffany-s.blogspot.com.br/

9 Re: Simplesmente Complicada em Ter Set 25, 2012 10:49 am

Eu estou aqui, simplesmente sem palavras para descrever sua persongem. Parece que estou lendo algo escrito sobre mim mesma..

Eu me sinto assim, os relacionamentos frustrados, os amores não correspondidos.


A parte de ridiculamente virgem foi sensacional!

E o Tom? Nossa! Deixar a coitadinha no dia do aniversario! Frustrante.

E ela ainda assistiu o casamento do Bill... oh! Não me diga que ela madrinha?

Não demore a postar, estarei aqui roendo as unhas!

Continua!!!

Ver perfil do usuário

10 Re: Simplesmente Complicada em Ter Set 25, 2012 3:48 pm

J.Hachiko escreveu:Eu estou aqui, simplesmente sem palavras para descrever sua persongem. Parece que estou lendo algo escrito sobre mim mesma..

Eu me sinto assim, os relacionamentos frustrados, os amores não correspondidos.


A parte de ridiculamente virgem foi sensacional!

E o Tom? Nossa! Deixar a coitadinha no dia do aniversario! Frustrante.

E ela ainda assistiu o casamento do Bill... oh! Não me diga que ela madrinha?

Não demore a postar, estarei aqui roendo as unhas!

Continua!!!

Apesar de ter 16 anos também me identifiquei. A seriedade e sinceridade com a qual a fic trata é impressionante!
Continue Very Happy

Ver perfil do usuário

11 Re: Simplesmente Complicada em Ter Set 25, 2012 4:42 pm

Convidad


Convidado
Cara to adorando ...por favor continue Very Happy

12 Re: Simplesmente Complicada em Ter Set 25, 2012 7:42 pm

Anny V.

avatar
Moderadora
Poucas vezes em todo tempo que eu leio Fanfics, vi pessoas escreverem impecavelmente bem como você. Adorei tudo. Acho que você conseguiu transmitir muito bem a personalidade da Kate, e estou muito curiosa pra saber o rumo que essa história vai tomar.

Ver perfil do usuário http://h-u-m-a-n-o-i-d.tumblr.com/

13 Re: Simplesmente Complicada em Ter Set 25, 2012 9:54 pm

Querida fiquei felizona(?) qnd vi sua fic aqui ...
Vc escreve muuuito bem! Fiquei apreensiva qnd vc ñ postou mais a fic, lá no defunto do nyah kkk Neutral
[i]Plisss continua ;*

Ver perfil do usuário

14 Re: Simplesmente Complicada em Ter Set 25, 2012 10:57 pm

Paloma Oliveira escreveu:
J.Hachiko escreveu:Eu estou aqui, simplesmente sem palavras para descrever sua persongem. Parece que estou lendo algo escrito sobre mim mesma..

Eu me sinto assim, os relacionamentos frustrados, os amores não correspondidos.


A parte de ridiculamente virgem foi sensacional!

E o Tom? Nossa! Deixar a coitadinha no dia do aniversario! Frustrante.

E ela ainda assistiu o casamento do Bill... oh! Não me diga que ela madrinha?

Não demore a postar, estarei aqui roendo as unhas!

Continua!!!

Apesar de ter 16 anos também me identifiquei. A seriedade e sinceridade com a qual a fic trata é impressionante!
Continue Very Happy

O que eu posso dizer? Já dissetam tudo. Me identifiquei muito muito mas muito com a fic. A escrita perfeita sem comparação. e o enredo muito bom, só tenho elogios juro ^^.
Nao demora pra postar o capítulo porque a curiosidade ja tá apelando aqui

Ver perfil do usuário

15 Re: Simplesmente Complicada em Qua Set 26, 2012 10:48 am

Sou péssima em responder comentários, mas quero que saibam que fiquei extremamente feliz com todas as palavras e com o apoio que recebi aqui. Eu adoro Kate, ela tem muitas coisas minhas e é bom saber que vocês também se identificaram com a vida dela e todos os seus "problemas". Mas, por favor, não esperem demais desta fic, eu não lido bem com pressão e eu posso acabar estragando tudo. Haha... Em fim... Obrigada.


Capitulo 2




Kate...



Em câmera lenta, era assim que eu me sentia vendo Bill se aproximar de mim no sofá e sentar ao meu lado. Eu gostaria de ouvir seus pensamentos para que pudesse ter certeza do tamanho da pena que sentia por mim. Eu gostaria de poder afastar a idéia de que era só isso que ele sentia ao me olhar. Mas infelizmente eu não tinha esse poder ou qualquer outro.

Eu só podia ficar ali sentada como uma otária que de fato era e esperar ele começar a falar...

– Não estavam namorando? – Perguntou ele segurando minha mão entre as suas

– Não. – Digo rapidamente.

– Eu acho que estavam. – Disse Lili partindo o bolo no outro lado da sala.

Adam a olhou com reprovação e então bateu suas mãos no ar, completamente enlouquecido como sempre.

– Vamos esquecer isso, que tal sairmos para beber até cair. – Ele olhou para Bill e riu. – Você pode beber suco de laranja.

– Você sempre tem que me irritar. – Bill o olhou indignado, e isso de certa forma me divertiu, adorava ouvir suas discussões com Adam sempre que se encontravam. - Nós não vamos sair para beber, vamos ficar aqui. Vou ficar aqui com você. – Bill desviou seu olhar para mim com piedade, e eu confesso pensei em me aproveitar disso, mas então comecei a rir.

– Eu adoraria Bill, mas a verdade é que isso não faz o meu estilo, ficar aqui e curtir uma fossa inexistente. – Apertei sua mão contra a minha. – Eu não estava namorando, então não faz o menor sentido.

– Tudo bem... Não estavam namorando, mas porque ele não veio até aqui? O que ele disse pra Lili me pareceu magoa, o que ele quis dizer com a pessoa que você quer está aqui?

Contestou ele como sempre, lá vamos nós começar uma nova discussão sobre meus antigos quase namorados e também sobre a forma maluca na qual conduzia meus não existentes relacionamentos.

Lili, Adam e eu rapidamente nos olhamos e Adam começou a gaguejar... Desgraçado ele vai me entregar, é agora que Bill me olha, começa a rir e então sai do meu apartamento correndo e gritando para todo mundo ouvir que sou completamente louca.

– Ham... Ham... Nós. – Adam conseguiu falar após um longo tempo e então eu suspirei aliada.

– Nós? – Bill retrucou pensativo.

– É... Nós... – Lili continuou. – Ele estava falando de nós todos, os amigos dela.

– Ta que seja, mas eu acho que ele queria realmente algo mais sério com ela. – Ele continuou.

– Isso é impossível. – Adam gritou.

– Por quê? Eu acho Tom o cara mais legal até agora. – Bill disse levantando-se e indo até a mesa pegar um pedaço de bolo.

– Há... Realmente você acha? – Adam o olhou completamente afetado tentando fazer sua voz ficar mais feminina possível. – Está querendo jogar no meu time agora Bill?

– Não vem com esse papo. – Bill o cortou. – Estou querendo dizer que ele não era um dos babacas que ela saía.

– Eu ainda estou aqui. – Gritei.

Mas inexplicavelmente os três se juntaram para discutir minha vida em minha própria sala, ignorando completamente a minha presença. Era como se estivesse em um tribunal e daquela conversa fosse sair minha sentença finalmente.

Eu correria para os braços do Tom e pediria desculpas a ele? Ou simplesmente contaria a Bill que a pessoa enfatizada por Tom na conversa com Lili era ele mesmo?

Isso causaria um terremoto não? Afinal Bill era casado, e se eu fizesse isso seria como estar entregando ele para sempre a Sara, perdendo sua confiança e principalmente sua amizade.
Não... Eu jamais faria isso.

Então vamos retroceder um pouco... Voltar no tempo, mais precisamente há três meses antes de meu aniversário de trinta anos, vamos voltar a semana em que Tom apareceu em minha vida, porque foi assim que tudo realmente começou...



***




Era uma manhã qualquer de outono em Nova Iorque, estávamos todos correndo no escritório porque Peter nosso novo chefe havia decido trocar nossas posições, ou seja, meu cargo estava totalmente a perigo.
Não que eu fosse uma péssima funcionaria, mas eu realmente não era a mais adorada. Digamos que meu admirável gênio não era aceito por noventa por cento das pessoas que lá trabalhavam, e eu é claro não fazia esforço algum para mudar meu comportamento diante dos mesmos.

– Tenho uma péssima noticia. – Adam apareceu do nada em minha sala colocando apenas a cabeça para dentro da mesma.

– E o que está esperando para entrar e falar?

– Eu não posso entrar, estou fugindo. – Ele espia para os lados e volta a me olhar. – Ele já sabe da sua reputação.

– Ele quem? – O observo curiosa. - Que reputação?

– O novo chefe. – Adam entra e fecha a porta atrás de si, mas fica parado enfrente a mesma para que ninguém entre. – Ele é completamente bipolar e estava a horas gritando com Lili em sua sala.

– Ta que seja... Isso não me importa. - Tiro um sarro. – Ele pode gritar com quem ele quiser desde que fique longe daqui.

– Hum é ai que você se engana, ele está vindo pra cá.. - Resmunga ele, mostrando a língua.

– Ele vai me demitir? – Pergunto visivelmente alterada, droga eu estava ferrada, péssima hora para pensar em mudar de comportamento?

– Acredito que não, já que você conseguiu com que Tom Kallaway resolvesse publicar seu livro por esta editora. – Lembra ele.

– É eu consegui. – Digo orgulhosa de meu enorme feito, e espero que meu novo chefe lembre-se disse ao pensar em me demitir.

– O problema é a sua reputação. – Ele finalmente saiu da porta e sentou-se na cadeira em minha frente, Adam parece por um momento esquecer o desespero de minutos atrás e como se nada estivesse acontecendo começa a lixar suas unhas em minha frente. – Sabe... Algumas pessoas durante a reunião que você não apareceu reclamaram do seu comportamento com elas.

– Não sei do que está falando. - Morro de rir, é claro que sei semana passada fiz Jane Smith sair correndo da minha sala, eu adorava ver o desespero dela ao me entregar novos livros e a culpei por ter deixado Anna me enviar livros ridículos de vampiros.

– Há não sabe? - Ele me provoca. – Anna contou a Peter que você a fez chorar na semana passada. E também que correu Jane.

– Eu não a fiz chorar, apenas disse a ela que não leria mais nada do que ela me enviasse, são manuscritos ridículos.

– Bom dia senhorita Oliver. – O novato, digo meu novo chefe entrou em minha sala sem nem mesmo bater, no mínimo impertinente, mas ok ele era o chefe agora. – Senhor Brody, poderia nos deixar a sós por um momento?

Pediu ele a Adam que prontamente levantou-se e caminhou até a porta sem nem ao menos reclamar? Da pra acreditar? Aquele não era o Adam ou as pessoas naquele escritório estavam mesmo com medo do novo chefe com um sotaque irlandês ridículo.

– É claro. – Adam fez um L (Loser) em sua testa antes de sair de minha sala, o que me fez ter vontade de rir, mas quando voltei meu olhar para Peter ela logo passou.

– Não esteve na reunião. – Disse ele sentando-se em minha frente.

– Infelizmente cheguei atrasada, mas eu não costumo faltar e...

– Vamos começar falando sobre Alisson Dawson, você a conhece? – Ele me interrompeu, nossa... Há tempos que ninguém faz isso.

– E quem não a conhece? – Pergunto pegando minha caneta sobre a mesa.

– Acabamos de descobrir que uma editora de New Jersey ofereceu a ela 50 milhões pelos direitos autorais. – Diz ele enquanto cruza as mãos sobre seu colo... Lá vem bomba, o que foi que eu fiz agora?

– Isso é muito bom pra ela. – Confirmo.

Ele mexe na pasta em suas mãos e tira de lá um manuscrito com a palavra recusado escrito em vermelho bem no centro. Droga... Aquela era minha letra.

– E seria ainda melhor para nossa editora se você não o tivesse negado. – Fala em tom alterado jogando os papéis em cima da mesa.

Eu estava me lembrando agora, aquele era o manuscrito de Anna, era o livro de Alisson que eu prontamente recusei assim que passei meus olhos pela primeira página. Era horrível, algo sobre vampiros na guerra, depois um anjo e ai... Eu não agüentei ler mais nada.

– Sim eu o recusei. – Digo apertando a caneta em minhas mãos.

– Quero motivos. – Pede Peter, voltando a entrelaçar suas mãos em seu colo e recostando-se confortavelmente na cadeira, ele devia estar esperando uma ótima explicação, mas eu não tinha uma.

– Não é obvio? – Começo a rir. – É mais um livro adolescente sobre vampiros e mocinhas indefesas apaixonadas, ou seja, é uma história boba para meninas mais bobas ainda.

– É um livro adolescente que vale 50 milhões. – Diz ele alterado.

– É eu sei da pra acreditar que elas caiam nessa e comprem livros assim?

– Este é o mercado que precisamos atingir, é ai que está o dinheiro. - Ele parece completamente injuriado.

– Tudo bem, se é o que deseja peça para Adam ler e...

– Ele trabalha para a sessão de revistas e você... Embora eu odeie admitir no momento é nossa melhor agente literária.

– Obrigada. - Digo, toda contente, apesar de tudo.

– E nossa melhor agente literária ficará a partir de hoje com a sessão infanto-juvenil da editora. - Ressalta.

– Ta de sacanagem! – Solto rapidamente sem perceber. Só pode ser piada.

– O que foi que disse? – Pergunta ele exaltado.

– Olha... Vamos esquecer isso tudo bem, prometo que não faço mais ninguém chorar ou nego algum livro sem antes ler a última página, mas por favor infanto-juvenil não. – Imploro.

– Considere isso como um castigo, encontre o melhor livro entre aqueles milhares de pilhas que recebemos toda semana e nos torne milionários e eu a colocarei de volta onde está agora. – Ele ri nervosamente.

– Peter! – Grito enquanto o vejo sair da sala com um sorriso vitorioso no rosto.

Ele havia vencido esta primeira batalha e a partir de hoje lá estaria eu em meio a uma inacreditável pilha de livros ridículos de anjos e vampiros tentando encontrar o impossível, algo que tornasse aquela editora ainda mais rica do que já era.
Tudo bem eu tinha uma carta na manga e seu nome era Tom, mas para isso teria de trazê-lo a NY e com o lançamento de seu livro torna-lo um sucesso no país inteiro.

Não seria uma tarefa fácil devo admitir, Tom trabalhava para uma organização não governamental na áfrica ajudando crianças carentes e suas famílias, ele não era vamos dizer um cara disponível. Quando tentei a primeira aproximação para negociar o agenciamento de seu livro, demorei duas semanas para contatá-lo por telefone, e mais três semanas para convencê-lo a ouvir minha proposta.

A verdade era que ele não estava interessado na fama que sua obra pudesse trazer e sim no dinheiro que ela poderia lhe reder. Sabe como é isso futuramente iria para alguma organização na qual ele trabalha, então é isso quanto mais dinheiro, melhor. Tom não me pareceu nenhum minuto com aqueles autores loucos deslumbrados que pensam em conquistar o mundo com apenas um capitulo de seus livros.

Ele parecia mais preocupado com o que as pessoas entenderiam ao ler suas histórias sobre a fome e desespero daqueles com quem ele convivia dia a dia. Resumindo ele era uma das pessoas mais incríveis das quais eu já tinha discutido por telefone.
E quando eu digo discutido eu quero realmente dizer que discutimos literalmente, porque a pesar de ele ser incrível, também era confuso e mandão.




........................................x........................................




Estou indo viajar então... Próximo capitulo apenas na terça. silent

Ver perfil do usuário

16 Re: Simplesmente Complicada em Qua Set 26, 2012 11:53 am

Porra, mas será que o Bill não percebeu até hoje que ela gosta dele???Mas homem é burro mesmo, hein???¬¬'

hahahahahhaha
Ela também não gosta de vampiros!!!! Laughing
Vey, eu deteeeeeeeesto histórias de vampiros!!!Kate, sua linda!!!

Que chefe durão, hein??? Shocked Caraca!!E que gênio forte ela tem.....rsrsrsrs

O Tom é desses carinhas que trabalham na África e talz???Ai, que lindo...*-*
Já apaixonei!!

Cara, mais uma vez, meus parabéns pela fic!!!Muito boa!!E não se sinta pressionada, ok??rsrsrsrsrs

Mais, mais, mais...Please!

Ver perfil do usuário

17 Re: Simplesmente Complicada em Qua Set 26, 2012 1:27 pm

Cara! Ela faz os colegas de trabalho chorarem também? Caramba! Parece alguém que eu conheço!

Amei a parte dos "Livros ridiculos sobre vampiros para adolescentes" Cara! Essa Kate é mara!

Menina tu escreve bem sim!

A Kate é mal humorada no trabalho, frustrada nos relacionamentos, não gosta de vampiros, e tem amigos incriveis!

Conheço uma mina chamada Jocielle que é bem parecida sabia?

Só terça???? pale

NÃAAAAAAAAAAAAAAOOOOO!!!!! Sad

Ver perfil do usuário

18 Re: Simplesmente Complicada em Qua Set 26, 2012 7:05 pm

Realmente, pro Bill não notar que Kate gosta dele, com certeza ele deve ser bem "inocente" kkkkkkkk.
Essa Kate, não deve ser fácil não! Pra não se dar bem, no trabalho, nos relacimentos, ela deve ser bem...durona kkkkk (mas e a família dela?? Ela mora sozinha, deve ser meia distante da família não?)
O Tom ajudando as criancinhas na África? AMEEEEI Very Happy! Parece ser bem a cara dele mesmo! Pela primeira vez, achei o Tom fofo em alguma fanfic kkkkkkkkk.

Continuaa e não se sinta pressionada, fica relax, tu escreve perfeitamente bem! (Só na terça??? E eu vou me divertir como, no sábado e domingo?? Razz

Ver perfil do usuário

19 Re: Simplesmente Complicada em Qua Set 26, 2012 9:55 pm

Paloma Oliveira escreveu:Realmente, pro Bill não notar que Kate gosta dele, com certeza ele deve ser bem "inocente" kkkkkkkk.
Essa Kate, não deve ser fácil não! Pra não se dar bem, no trabalho, nos relacimentos, ela deve ser bem...durona kkkkk (mas e a família dela?? Ela mora sozinha, deve ser meia distante da família não?)
O Tom ajudando as criancinhas na África? AMEEEEI Very Happy! Parece ser bem a cara dele mesmo! Pela primeira vez, achei o Tom fofo em alguma fanfic kkkkkkkkk.

Continuaa e não se sinta pressionada, fica relax, tu escreve perfeitamente bem! (Só na terça??? E eu vou me divertir como, no sábado e domingo?? Razz

AAAAH REALMENTE TOU APAIXONADA PELA HISTORIA ><
Moça de genio bem forte mesmo a Kate. Imagina 2 pessoas mandonas trabalhando juntas? iixi
Combinou muito com o Tom isso, realmente combinou.
Ah não creio que só terça :/ Maas boa viagem.
Estarei esperando a.n.c.i.o.s.a.m.e.n.t.e pelo capitulo terça.
E não se sinta pressionada, sua escrita e suas historias sao incomuns e originais, isso atraia qualquer leitora ^^

Ver perfil do usuário

20 Re: Simplesmente Complicada em Qua Set 26, 2012 10:06 pm

Eu acho que qualquer autora não lida bem com a pressão, por que passamos um tempo idealizando algo completamente diferente do que as leitoras captam da história e é algo que não dá e você não quer mudar, isso sempre acontece comigo x) Por isso, eu sempre penso que eu sou uma péssima autora. Mas bem você escreve muito bem sim, pode se orgulhar disto com razão!

Uma coisa muito boa é a identificação com o personagem, quem aqui não se identificou? Dificilmente, uma resposta negativa, ela é uma caracterização de muitas daqui, isso é muito legal!

Livros de vampiro eram legais antes de se tornar modinha, eu conheci Crepúsculo bem antes dele virar modinha e decepcionei depois e parei de ler, eu sempre gostei mesmo é de livros espíritas.

Enfim, faça uma boa viagem! Até terça :3

Obs.: Sou péssima em comentários!

Ver perfil do usuário http://breakfastattiffany-s.blogspot.com.br/

21 Re: Simplesmente Complicada em Qui Set 27, 2012 2:05 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Eu também não lido bem com pressão, mas não se sinta assim! Acho que tu não irá estragar a fic... até porque o que mais gostei foi a tua escrita. As vezes algumas autoras tem ótimas histórias mas não sabem como escrever! Então provavelmente não irei me decepcionar, pelo menos não com a escrita! hahaha

Acho que o Bill está tão ocupado amando a esposa dele, que nem sequer imaginou que a Kate pudesse gostar dele. E acho de certa forma, correto ela não dizer para o Bill que o ama, já que ele ama a esposa e a considera apenas como amiga! Algumas coisas na vida, devemos guardar apenas pra nós mesmos, ou podemos causar uma enorme bagunça na vida das pessoas que mais amamos!

Deus! Acho que não conseguiria trabalhar na area infanto-juvenil, há livros realmente bons nessa area, mas a maioria é uma porcaria! Eu sou apaixonada pela Saga Crepúsculo, mas é o único livro "sobrenatural" que gosto. Eu já li outros, mas confesso que todos eles me irritam!
Caraca, esse Peter me deu nos nervos! Aô chefinho chato, credo! Evil or Very Mad

Confesso que me surpreendi com a profissão do Tom, não imaginei que ele fosse ser esse cara, mas realmente amei isso! Por um lado imagino ele fazendo trabalho voluntário, mas por outro não... Acho que ele não deixaria a vida de "playboy" de lado! Razz

Toh curiosa pra saber o que aconteceu, está acontecendo, entre ele e Kate! bounce

Vai ser duro esperar até terça! Neutral

Ver perfil do usuário

22 Re: Simplesmente Complicada em Qui Set 27, 2012 8:48 pm

Então... Eu sei que supostamente eu apenas atualizaria esta fic na terça, mas como minha viajem foi adiada para amanha, estou deixando um capitulo extra aqui... jocolor
Adorei todos os comentários e gostei mais ainda de ler a opinião de vocês sobre vampiros. Kate tem uma opinião formada sobre isso, pelo menos até aqui. Mas... até quando? Haha



Capitulo 3





Kate...


Mas eu havia conseguido que ele viesse até NY, havia conseguido também um lugar legal para que ele pudesse ficar enquanto estivesse na cidade, porque em uma de suas reivindicações ele tinha deixado bem claro que não gostava e não ficaria em hotéis. Então lá fui eu completamente louca atrás e um lugar confortável, mas não muito grande e ah é claro sustentável por que além de confuso e mandão ele era natureba em todas as áreas.

Cinco dias e pilhas de livros de vampiros depois, lá estava eu enfrente ao prédio esperando que o táxi com o cara que iria salvar minha pele de vampiros brilhosos chegasse logo. E quando finalmente aconteceu o maldito táxi ficou parado em minha frente com seus vidros completamente fechados e escuros e tudo que eu pensava era... “Qual é? Ele não está esperando que eu abra a porta pra ele não, é?” Ok se era isso, não seria educado de minha parte deixa-lo esperando muito.

Mas quando fui lançar minha mão à porta automaticamente se abriu e então um homem com os cabelos compridos e extremamente lisos saiu do interior do carro e me olhou dos pés a cabeça.

Eu podia estar realmente louca, mas nem nos meus melhores sonhos imaginaria que Tom fosse assim, porque na minha cabeça ele era velho demais para se quer conseguir sair do carro sozinho. Eu sei você deve estar pensando, “Que burra porque ela não procurou por ele no google?” é eu fiz isso, mas não... Não havia nada sobre ele lá, porque você sabe... Se fizer algo péssimo levarão apenas dois minutos para que esteja na internet, mas se fizer algo bom e digno isso talvez jamais seja visto por alguém, então este era o caso de Tom. Poucas pessoas o conheciam e noventa por cento delas estavam na áfrica, mais precisamente na aldeia onde ele trabalhava. Ou seja, se era tão difícil contata-lo por telefone imagina por internet?

E agora lá estava ele em minha frente com seu cabelo perfeito contra o vento e um meio sorriso completamente malicioso no canto dos lábios. Eu estava morrendo... Derretendo, tendo um infarto ou talvez um AVC, o fato era... Estava tão hipnotizada que não conseguia sequer me mexer.

Então como uma boboca eu balbuciei...

– Ham...Oi Tom...

E ele sorriu, e sorriu mais ainda quando disse...

– Sou Georg. – Disse rapidamente em um tom debochado. – Ele é o Tom.

Ele quem? Não estou vendo mais ninguém! Procurei com os olhos tentando achar outra pessoa dentro do carro, mas não havia ninguém, e embora eu estivesse completamente perturbada com aqueles olhos verdes em minha frente eu teria notado alguém sair do carro, tenho certeza que notaria...

– Você deve ser Kate. - Ouço uma voz atrás de mim e viro-me rapidamente. – Eu sou Tom.

Não era possível, de onde eles vieram? Havia mais deles? Porque raios não existiam homens assim no meu prédio, tirando Bill é claro, não existia mais nada de interessante lá, mas vamos ao que importa... Aquele cara era incrivelmente...

– Gostoso! – Silabei sem querer. – Droga eu falei isso alto.

– É... – Disse ele desviando o olhar para o céu.

Droga, droga, droga onde estão aqueles containeres de lixo quando se precisa deles? Eu queria fugir e me esconder, queria realmente ter um AVC para me livrar desta humilhação.

Como você pode ser tão tonta kate, chamar o cara de gostoso sem nem menos convidar para sair antes?? Ok ironias a parte eu tinha que me livrar daquela situação.

– Tudo bem, é eu sou Kate, podemos subir? – Coço minha cabeça tentando disfarçar a situação deplorável na qual me meti.

– Vou ficar aqui? – Ele olha para o prédio em nossa frente. – Porque eu pensei que ficaria em um hotel.

– Mas você pediu um apartamento e... – Comento o olhando.

– Ha... Georg! – ele grita para o outro.

– O que foi? – diz o tal Georg com cara de pateta. – Hotéis são sempre péssimos e vamos ficar aqui um bom tempo então achei melhor ficarmos em um apartamento.

– Então foi com você que eu passei a semana discutindo? – Pergunto já sabendo a resposta e ele me olha fazendo careta.

– É. Agora vamos subir que eu preciso de um banho.

Diz passando em nossa frente e entrando no prédio, deixando todas as malas para trás. Além de insuportável também era folgado.

– Me desculpe por ele, acho que nos falamos apenas no primeiro dia e depois... – Volto a olhar para Tom parado em minha frente.

– Era ele. – digo com descaso. – Tudo bem, eu posso providenciar um hotel se...

– Não, o apartamento está ótimo e você deve ter tido um trabalhão para conseguir um lugar desses para ficarmos aqui apenas uma semana. – comenta.

Eu o olhei estranhamente, é claro o insuportável do Georg não havia falado sobre os termos do contrato.

– Preciso que fique aqui disponível por dois meses... – Explico.

– Dois meses?! – ele quase grita admirado ou seria apavorado?

– Sim. Está no seu contrato.

– Vou matar o Georg. - a voz dele ribomba, quase perfurando meu tímpano.

De repente sem que eu perceba lá está ele recolhendo as bolsas que os taxistas loucos deixaram na calçada sem que percebêssemos. Começo a ajudá-lo com o que posso. E então subimos para seu apartamento, um lugar não muito grande no Soho.

– Há uma sala ampla, os moveis estão chegando amanha, mas a cozinha e o quarto já estão mobiliados. – Explico enquanto ando pelo apartamento sendo observada por ambos.

– Pelo menos isso – diz Georg.

– Mas temos apenas um quarto, eu aluguei o apartamento para uma pessoa. – O lembro já puta da vida por não poder discutir e manda-lo longe.

– Vamos dividir um quarto? – Pergunta irritado.

– Georg! – Tom chama sua atenção.

– Há desculpa Georg, mas duvido que onde estava fosse melhor do que isso aqui e além disso, o apartamento é para o Tom, você se vira. – Concluo.

– Há... – Georg tenta começar uma nova discussão, mas eu o interrompo.

– Não... Eu não quero ouvir.

Coloco minha mão enfrente ao seu rosto tentando fazer com que se calasse, porra chega de educação, já não estava mais conseguindo ser eu mesma então acordei. Caminhei até a bancada e abri minha pasta pegando as anotações da agenda de Tom na semana, e lhe alcancei.

– Ai estão todos os seus compromissos a partir de amanha. – Digo o observando olhar o papel, esperando que a toupeira do Georg o tenha avisado sobre seus compromissos. – Teríamos que discutir isso hoje, mas como a viajem foi longa e sei que está cansado, eu o encontro lá embaixo amanha às oito horas.

– É claro... – Diz ele todo fofo, com um sorriso maravilhoso no rosto.

Eu precisava sair daquele apartamento rápido ou eu o atacaria, acho que vou pedir um aumento por saber me comportar com escritores como Tom.

– Irá à redação comigo e depois ao editorial aprovar a capa, na verdade eles escolhem você não poderá opinar. – Explico rindo.

– Mas o livro é meu... – Diz ele estranhamente.

– E eles têm seu contrato assinado. Você não leu?

– É eu devo ter... Não eu não li. – Confessa novamente rindo.

– Eu li pra ele. – Georg diz saindo do quarto.

– Qual é... Vocês são gays? – Pergunto, porque não consigo controlar minha língua e tão pouco meus pensamentos.

– Não! – Exalta Tom.

Ainda bem, penso para mim mesma.

– Não comeria ele por nada. – Diz Georg nos olhando, será que ele estava tentando ser engraçado porque se foi, não conseguiu, mas me deu idéias.

– Você é gay Georg?

– Eu fui irônico, sabe o que é isso? – Fala ele irritado. – Não somos gays, mas Tom é preguiçoso demais para ler então eu...

– Não sou preguiçoso, Georg é intrometido. – Tom o interrompe.

– Essa conversa vai chegar há algum lugar? - Dou de ombros, pego minha bolsa e não me sinto nem um pouquinho profissional. Estou de saco cheio na verdade e louca pra sair dali e me livrar especialmente de Georg. – Porque eu preciso ir...

– Você pode ir... - O sorriso aberto de Tom explode em seu rosto mais uma vez, ele deve realmente estar contente por se livrar de mim.

– Humm ok. – Dou meia volta na sala já caminhando até a porta e só para quando ouço mais uma vez Georg reclamar.

– Não tem comida aqui...

– Tem uma lista telefônica perto do telefone, você sabe discar e pedir não é Georg? – Digo ironicamente a ele porque quero vê-lo mais uma vez irritado, antes de ir embora.

– Não gostei de você. – Ele confessa e então começo a rir.

– A recíproca é verdadeira. – Grito fechando a porta do apartamento. – Tchau.

Volto para meu apartamento, quero um banho, um café quente e um sofá enorme e macio esperando por mim. Quero assistir há um filme com o perfeito do Ryan Gosling e por último afundar em minha cama pelo resto da noite e dormir o bastante para estar apresentável no outro dia.

Mas assim que chego ao meu prédio o pesadelo começa com o elevador estragado... Ok Kate hora de gastar suas calorias do almoço e subir cinco andares de escada, e principalmente testar sua capacidade de passar em frente ao apartamento do Bill e não pedir desesperadamente para entrar.

Assim que passo enfrente a sua porta aperto o passo para não correr o risco de acidentalmente bater na mesma.

Finalmente chego ao sexto andar e então pego minhas chaves colocando na porta, mal acreditando que finalmente teria um tempo para mim mesma, sem que ninguém... Ops... Ouço sons vindo da TV assim que entro, mas não me lembro de tê-la deixado ligada.

E lá está Adam esparramado em meu sofá, como um macho alfa dono do pedaço, porque apesar de ser gay ele não perdeu as manias masculinas irritantes.

– Oi, o que faz aqui? – Digo o pegando de surpresa.

– Você me deu uma chave, lembra? – Ele me olha por cima do sofá.

– É, mas não é para usar quando eu não estiver aqui. - ressalto. – Você é muito folgado Adam.

– Relaxa... Eu não vim aqui roubar suas calcinhas. - Ele dá um sorriso amarelo. – Dylan terminou comigo.

– Espera... Vocês estavam namorando... Quem é Dylan? – Quem é Dylan, pergunto para mim mesma, na última vez que eu o vi com um namorado o nome dele era Sam.

– Eu falei sobre ele ontem. – Ele tenta me lembrar em vão.

– Eu mal lembro o que ouvi agora pouco. - digo, para me defender.

– Duvido. – Ele revira os olhos.

– É, mas eu queria mesmo esquecer, tudo, a conversa e todo o resto. – droga de dia, eu não conseguiria ser mais estúpida se tivesse a chance de começá-lo de novo.

– Do que está falando? – Pergunta ele com sua normal curiosidade quase feminina.

– Tom Kallaway, ele está aqui. – Digo e ele parece surpreso com o tom da minha voz.

– O cara que vai deixar a editora milionária? – Adam levanta sua sobrancelha grossa e me encara.

– A editora já é milionária, não sei por que todo mundo fica repetindo isso.

– Porque Tom poderia fazer isso sozinho. – Ele ri.

– Ele é lindo. – Falo e é verdade, poucas vezes em minha vida havia achado um cara de dreads bonito, na verdade a única vez que isso aconteceu foi com o carinha de Glee e eu nem lembrava do nome dele.

– Eu sei. – Diz Adam voltando a olhar televisão.

– Como? – Eu grito. – O conhece?

– Eu mostrei uma foto dele pra você ontem. – Diz ele debochando de minha total incapacidade de memória longa. - Mas não deve ter visto como sempre.

– Como encontrou uma foto dele? – Sento no sofá ao seu lado o encarando. – Eu procurei e...

– No site da ONG que ele trabalha em que mundo você vive?

– Sou péssima com internet. – Confesso.

– Blá blá blá... Isso não me interessa. Como foi lá? – Diz ele trocando de canal.

– Eu... Chamei ele de Gostoso. – Confesso de novo, e ele me olha gargalhando.

– Você é muito otária.

E gargalha mais ainda, assim que nota a expressão irritada em meu rosto.

– Não precisa jogar isso na minha cara. – Peço fazendo beicinho.

– E o que ele disse?

– Nada, mas quer saber ele tem um amigo gay. – Minto para Adam imaginando a cara do Georg assim que o encontrasse. Isso seria hilário.

– Está brincando e como ele é? – Adam se empolga ajeitando-se no sofá para me ouvir.

– Ele é lindo, mas espera ai... Estava choramingando por causa do tal do Dylan há poucos minutos e agora...

– A fila anda. E eu também sou lindo demais para ficar chorando aqui... Vamos sair. – Ele levanta do sofá de repente saltitando para perto da porta.

– Nem pensar, eu vou ficar em casa preciso sair com o Tom amanha. – Digo totalmente desanimada.

– Chama ele pra sair hoje.

– Não dá ele vai achar que eu quero transar com ele.

– E não quer? – Adam ri. – Você o acha gostoso.

– Vou mandar você embora. – Jogo uma almofada nele, mas a única coisa que consigo alcançar é o espelho em sua frente.

– Eu tenho a chave, não pode me expulsar. – Diz mostrando a língua. – Vamos sair!!

– Vou dormir Adam.

Levanto-me e ignorando sua presença entro para o banho e só saio de lá assim que vejo minhas mãos ficarem tão enrugadas quanto as da velhinha do Titanic.

– Seu pijama é horroroso. – Adam comenta assim que entro na sala.

– Você ainda ta ai. - dou de ombros e caminho até a cozinha.

– Não posso voltar pra casa o Dylan está tirando as coisas dele de lá.

– Como ele estava morando com você e eu não sabia disso?

– Você nunca sabe de nada. – Ele grita da sala. – Vai trocar esse pijama, parece a minha avó.

– Sua avó usa fraldas. – Eu o lembro já rindo de sua comparação.

– Por isso mesmo. – Ele gargalha.

A campainha toca e então caminho até a porta de vagar passando pela sala...

– Deve ser a Lili. – Comento.

– Se eu fosse você não abriria a porta assim... – Diz ele, mas não dou atenção...

Abro a porta e então lá está Tom parado enfrente a mesma com aquele sorriso enorme e encantador...

– Oi. – Diz ele mexendo no piercing... E acho que vou precisar de um banho gelado.

– O que faz aqui? – Pergunto rindo feito uma tonta.

– Você pediu pra eu vir aqui. – Diz ele parecendo não entender minha pergunta.

– Eu não. – Digo, mas rapidamente me lembro de ter deixado meu celular no sofá perto de onde Adam estava e é claro ele era o culpado disso.

E assim que me viro para brigar com ele, o mesmo aparece sem camisa atrás de mim na porta e então começa a encarar Tom como um gay completamente tarado... Mas espera... Ele está tentando seduzir o Tom? Porque raios ele foi tirar a camisa?

– O... Meu... Deus.

Diz Adam com toda dificuldade do mundo, como se fosse um retardado, ou como se Tom fosse a última gota do oceano.



..........................................x..........................................







Agora sim... Atualização apenas na semana que vem... Preciso de tempo para adiantar novos capítulos.

Ver perfil do usuário

23 Re: Simplesmente Complicada em Qui Set 27, 2012 9:34 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Que bom que não precisarei esperar até semana que vem por capitulo! Rolling Eyes

Ok, agora eu também fui enganada como a Kate! Eu já estava aqui tentando imaginar o Tom com cabelo longo Shocked
Mas não se passava do Georg, um Georg nojento, chato e arrogante! Credo! Eu acho que já teria mandando ele ir catar coquinho no momento que ele abrisse a boca! hahaha

Shocked Sério que a Kate chamou o Tom de gostoso assim?! Na cara dura?! Fiquei com vergonha pra ela! Embarassed
E que Tom em?! Todo educado e simples, gostei! Apesar de ser bem desligado!

O Adam é bem folgado, e pelo visto adora estar com um cara diferente sempre!
Pelo visto a Kate é totalmente desliga com o que acontece ao redor dela, já que não lembra de nada que o Adam fala, e não pensou onde pesquisar pra achar a foto do Tom!
Sei lá porque, mas fiquei imaginando uma calça super larga e estranha como o pijama dela! Rolling Eyes
Que lindo, o Tom chegando assim do nada e a encontrando com esse pijama "sexy"... Adorei a expressão do Adam ao ver o Tom! Razz

Estarei aqui esperando pelo próximo capitulo!

Ver perfil do usuário

24 Re: Simplesmente Complicada em Qui Set 27, 2012 9:34 pm

Anny V.

avatar
Moderadora
Dai eu deixo pra expressar toda a minha indignação por você ir viajar e voltar a postar na terça, só hoje, e quando eu entro aqui o 3°Capitulo está postado. Bem que você podia continuar a me surpreender assim Rolling Eyes
Brincadeira, faça uma boa viagem.

Não se sinta pressionada, como eu já em li em um dos cometários sua fic foi bem aceita principalmente por que todas se identificaram com a Kate. Bem que poderíamos ter um amigo como o de Kate

"Kate tem uma opinião formada sobre isso, pelo menos até aqui. Mas... até quando? Haha"
Espera ai! Eu achando legal ela odiar livros de vampiros e você vai fazer ela mudar de ideia?





Ver perfil do usuário http://h-u-m-a-n-o-i-d.tumblr.com/

25 Re: Simplesmente Complicada em Sex Set 28, 2012 12:19 am

Que surpresa agradavel, chego aqui e sou pega de surpresa com um novo cap \o/
Poh mancada da Kate chamar o Tom de gostoso na frente dele, o bom foi que ele fez pouco caso o que amenizou o ar né.
Gostei desse Tom todo sorridente e educado... trabalhador :p
Adam Adam.. Algo que me diz que você vai causar muito embaraço pra Kate KKKKKKK Te adoro.
Georg... Foi rejeitado pelos dois. Razz Ele trabalha junto com Tom né, pelo que eu entendi. Pobrezinho, agora Adam vai cair em cima.
Kate se eu fosse você começava a pensar mais baixo, vai que numa hora importante sai a coisa errada né. Nunca se sabe.
Vai sair uma boa dupla esses dois pelo que vejo ^^
Só o Georg que tem que se cuidar porque senão vai sobra pro lado dele. Ele ja viu que com a Kate o burraco é mais em baixo u.u
Agora que eu vim aqui e vi o capitulo postado, me deixou mais aliviada e passou minha anciedade um pouco, mas a fic - nao me cansarei de dizer- é daquelas que tu vai lendo e nao consegue parar mais. É instigante.
Estarei esperando o proximo aqui de prontidão.

Ver perfil do usuário

Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 5]

Ir à página : 1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum