Tokio Hotel Fanfictions
Hello Alien!

Seja bem-vindo ao Fórum dedicado somente a Fanfictions dos Tokio Hotel.

Não estás conectado, por isso faz login ou regista-te!

Estamos à tua espera. Aproveita ao máximo o fórum ;-)

Destinado a Fanfics sobre a banda Tokio Hotel. Os leitores poderão expor as suas fics como também poderão somente ler.


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

A pequena de Bill

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 A pequena de Bill em Seg Set 24, 2012 9:00 am

Olá Aliens!
Essa é uma das primeiras ones que escrevi...
Ela era dedicada à uma pessoa, porém eu achei melhor mudar o nome da personagem.
Usei um nome fictício... Espero que gostem Smile
~

A pequena de Bill


A brisa soprava refrescante naquele fim de tarde quente, tons rosados e laranja ocupavam o céu limpo. Pequenas folhas de laranjeira caiam manhosas pelo chão, ao longe um casal de pássaros piava e se aninhava sobre o galho de um pinheiro, as leves cortinas de seda dançavam conforme a brisa entrava pela janela aberta do quarto, os poucos raios de sol batiam contra o lençol lilás da cama, onde uma silhueta estava deitada folheando um romance, olhos curiosos pairavam por cima das palavras, matando sua sede de histórias. Os fios negros de cabelo caiam sútis sobre o rosto, fazendo cócegas nas bochechas rosadas.

Ouviu a campainha tocar, dobrou a ponta da folha onde havia parado a leitura, deixou o livro sobre a escrivaninha e foi até a porta. Lá fora havia um ser que conhecia bem, este sorriu ao ver as orbes castanhas da jovem e malícioso mordeu o canto dos lábios ao reparar nas roupas que esta trajava. Um short preto, que devia medir apenas um palmo e uma regata branca. A garota deu dois passos para o lado, abrindo passagem para que Bill entrasse. Foi até a cozinha e trouxe duas latas de refrigerante, sentaram-se os dois no sofá, tímidos com a situação.

– Tom não pôde vir hoje? - A garota perguntou, bebericando o refrigerante e olhando distraída para o nada.

– Queria que ele tivesse vindo? - Bill perguntou, esfregando as mãos um pouco decepcionado, olhando para as pequenas gotas que escorriam pela lata de coca-cola.

– Só os idiotas respondem uma pergunta, com outra pergunta. - A garota largou a lata vazia sobre a mesa e levantou-se do sofá, indo até a porta de entrada e escorando-se na parede.

– Desculpe então, mas sabe que ele não vai vir, a não ser que tenha interesse. - Bill nem chegou a tocar no refrigerante, levantou-se do sofá e foi até a porta, girou a maçaneta e a entreabriu, soltou um pesado suspiro e terminou de abri-la, sentiu as mãos delicadas tocarem seu ombro, um sorriso satisfeito tomou conta de seus lábios, arqueou uma das sobrancelhas e virou-se na direção da jovem, fixou o olhar nos lábios avermelhados, aproximou-se do rosto da garota enquanto lutava contra a vontade de tomar aqueles lábios para si.

– Sabe o que sinto por você, não é? - Bill perguntou, fechando a porta e delicadamente empurrando a jovem contra a parede, a respiração se acelerou enquanto as unhas arranhavam lentamente as laterais do corpo da menor, coberto pela regata branca, Bill foi correspondido, sentindo as mãos delicadas da pequena adentrarem sua camiseta, percorrendo suas costas e parando em sua cintura.

– O que você sente? - Bill sorriu gostosamente, inclinou o rosto em direção ao pescoço da menor, mordiscou a ponta de sua orelha e sussurrou, com a voz manhosa e cheia de malícia.

– Apenas os idiotas respondem uma pergunta, com outra pergunta. - Colou mais ainda os dois corpos, suas mãos pousaram sobre a cintura da garota, puxando-a mais para si.

– Isso não é justo. - Bill arrastava os lábios por cima do pescoço da jovem, beijando-a em pequenos selos.

– O que não é justo? - Murmurou contra a pele da menor, sem tirar a atenção do que fazia.

– Que esteja tão confiante do que vai fazer. - Bill gargalhou e levantou o olhar, olhando as brilhantes orbes castanhas.

– Mas nem eu sei o que estou fazendo, tudo que tenho certeza é de que você está cedendo e até gosta disso. - Bill voltou a beijar a pele alva, mordiscando-a algumas vezes e arrancando pequenos suspiros da garota.

– De onde tirou coragem para vir aqui e fazer isso comigo, mesmo sabendo que é o seu irmão que me atrai? - Bill deu um meio sorriso amarelo , o olhar entristeceu-se por um momento até que conseguisse as palavras certas para responder à pergunta.

– Por que talvez eu seja um tolo, ou esteja tentando reparar meu erro do passado, ou até por que eu sei que você e o Tom não estavam namorando de verdade. - Bill abriu um sorriso matreiro, afastando-se um pouco da menor e devagar caminhou até o quarto, onde antes a garota lia um romance, distraída na própria imaginação.

Ela o seguiu a passos lentos, um nó havia se formado em sua garganta, observou Bill tirar o colete que usava e o jogar em algum canto qualquer do quarto, sentou-se na beirada da cama e fitou a menor, escorada na parede, com os braços cruzados, olhando cinicamente para ele. Bill sustentava um sorriso traquina e um olhar devorador, nunca havia sentido tanto desejo por uma garota e tanto prazer apenas em ouvi-la falar. Por um momento ela sentiu como se alguém a despisse com os olhos, mas ela também não estaria fazendo o mesmo com o maior à sua frente? Sim ela estava, escondia esse segredo de tudo e todos. Tentou evitar de todas as formas possíveis, até apaixonar-se pelo irmão dele valia, apenas para apagar os pensamentos carregados de desejo e as noites em claro imaginando-o dormir, calmo e seguro em um mundo onde apenas ele conhecia. Caminhou lentamente até Bill, subiu sobre suas coxas e com os braços enlaçou seu pescoço, roçou vagarosamente os lábios nos dele, riu prazerosamente ao observar o maior fechar os olhos e segurar sua cintura com firmeza, espalmando as mãos sobre as curvas marcantes, desceu a mão esquerda até o quadril da jovem, puxando-a para mais perto.

– Lembra de quando arranhava minhas costas e depois enchia-me de carinhos para que a dor passasse logo? - Bill sussurrou, mordiscando o lábio inferior da garota, que correspondia às provocações do maior.

– E depois dormíamos abraçados, meu desejo nunca deixou que eu esquecesse disso, te imaginava comigo todas as noites e por minha culpa você talvez nunca mais voltasse. - Bill sorriu tímido, beijando o alto da testa da jovem e a segurando mais firme.

– Tom me contou a verdade, sabia que o namoro de vocês não era mesmo pra valer, e não se esqueça que eu sempre disse que voltaria. - Nesse instante a garota tomou os lábios de Bill com volúpia, segurou-o pelos ombros e impulcionou o peso do corpo fazendo Bill tombar na cama, deram um sorriso malícioso e voltaram a lutar pelos lábios um do outro.

Sentiam as línguas disputarem selvagens, enroscavam-se famintas por aquele prazer e curiosas por aquela sensação, sempre buscando mais, os lábios sugavam-se insaciáveis e incansáveis.

Os corpos já começavam a sentir o prazer correndo por suas veias e o calor fazendo com que seus sexos pulsassem agoniantemente. Bill virou-se, subindo sobre os quadris da garota, tomando seu pescoço nos lábios, mordiscava-o como se fosse a primeira vez, o sugava como se precisasse daquilo para viver, brincava com a ponta da língua sobre a pele macia, levantou o rosto e observou um semblante extasiado em prazer, ela mordia os lábios, tentando conter os doces gemidos que eram como música para os ouvidos de Bill. Deslizou as mãos pelas laterais do corpo da menor, contornou seus seios por cima da blusa e sentiu as costas da pequena se contraírem ao seu toque.

A menor brincava com a barra da camiseta de Bill, tirou a blusa do moreno, deixando seu peito à mostra, mordeu o lábio inferior e voltou a fechar os olhos enquanto o maior descia lentamente com os lábios, até chegar no pequeno short preto, os olhos se encontraram, malíciosos e cheios de desejo, os corpos imploravam por aquilo, por aqueles toques.

Bill puxou lentamente a barra do short, sentiu um arrepio delícioso percorrer sua espinha ao fitar a peça íntima preta e rendada, a garota cruzou as pernas, tentando esconder-se de Bill, que sorriu ao deparar-se com aquela garota tímida com quem tivera as melhores noites de sua vida. Beijou a barriga da menor, roçou os lábios por cima da peça íntima, arrancando um suspiro agoniado da jovem. Sorriu malícioso para si mesmo e com a ponta dos dedos começou a tirar a calcinha, jogando-a para algum canto qualquer do quarto, ouviu um pequeno murmúrio vindo dos lábios da jovem mas continuou o que estava a fazer.

A menor sentou-se de frente para Bill, manhosa se debruçou sobre ele e começou a abrir seu cinto e o zíper da calça, enquanto o moreno terminava de despi-la, tirando a regata branca, a segurou pelas laterais do corpo e a deitou sobre a cama novamente, olhou para a pequena deitada logo à sua frente, mordeu o lábio inferior e inclinou-se por cima de seu corpo, a jovem sentiu sua pele arrepiar-se com a respiração de Bill, chocando-se contra seu pescoço.

Gemeu quase que num sussurro ao sentir as mãos de Bill massagearem seus seios lentamente, inclinou-se mais um pouco e tomou um deles na boca, passou a língua em volta dos mamilos já endurecidos de prazer, a menor sentia o metal gélido tocando-lhe a pele sensível e gemia para si mesma, acariciou o rosto do moreno e fechou os olhos, mordendo os lábios e segurando toda a vontade que tinha de gritar o quanto aquilo era bom.

Bill mordiscava, lambia, beijava e dava leves chupões na pele alva dos seios robustos. As unhas da menor passeavam por suas costas e Bill já podia sentir a pressão que sua boxer fazia sobre seu membro, roçou a ponta das unhas sobre o mamilo da pequena, levantou-se e rapidamente livrou-se da calça que usava, o volume dentro da boxer fez com que a garota mordesse os lábios e corasse violentamente.

A menor levantou-se e assim como Bill havia feito em sua peça íntima, com a ponta das unhas puxou a boxer preta, ou talvez cinza escuro, não fazia diferença naquela hora, o moreno sorriu contente e engatinhou manhoso por cima do corpo da menor.

Desceu os lábios por seu corpo, roçando-o vagarosamente na pele arrepiada, deixava pequenos selos e sútis lambidas, que causavam cócegas na jovem. Chegou até a intimidade da garota, olhou em seu rosto e a viu fechar os olhos, já sabendo o que Bill faria.

Depositou beijos alternados pelas coxas e virilha da jovem, as vezes singelos selos, em outras malíciosas mordidas prazerosas.

A jovem suspirava e gemia baixinho a medida que sentia o piercing de Bill tocar-lhe a intimidade, arfava enquanto agarrava-se no lençol lilás, olhou para Bill e este mantinha a cabeça baixa e os olhos fechados, sentiu uma pequena mordida e viu um sorriso arteiro aparecer no rosto do moreno.

Bill levantou-se, deu um sútil beijo na coxa da jovem e se acomodou no meio de suas pernas, enquanto as acariciava e se deliciava com a face extasiada da menor.

– Eu posso? - A garota assentiu com a cabeça, voltando a fechar os olhos e agarrar-se firme no lençol, sentiu um frio percorrer sua espinha ao sentir a pele quente do sexo de Bill tocar sua intimidade, gemeu, dessa vez um pouco mais alto, deliciando-se com a dor e o prazer que se fez presente ao sentir a leve pressão que Bill fazia enquanto a penetrava.

Deitou-se por cima da jovem, sem soltar o peso sobre ela, olhava fixamente para seus olhos, levou uma das mãos até os cabelos negros da menor e os afagou, sorrindo para ela.

– Bill.... – Sussurrou no ouvido do moreno, mordiscando sua orelha e retribuindo um olhar tímido para ele.

Fecharam os olhos e se deliciaram com a sensação de prazer, Bill esperou até que a menor se acostumasse com o volume dentro dela, a jovem abriu os olhos e segurou firme nos braços do maior, Bill começou a mover os quadris, fitando a expressão da garota, beijou-lhe o topo da testa e concentrou-se nos movimentos que fazia.


[Pequena]


Sentia o membro de Bill pulsar cada vez mais intensamente, estava desajeitada mas logo comecei a mover-me junto com ele, acompanhando seus movimentos, não me contive e assim que senti uma estocada mais forte, coloquei minhas mãos sobre suas costas e fiz uma pressão com as unhas, o ouvi suspirar com aquilo e abrir um sorriso, mas pouco importava, a expressão que mais me agradava era vê-lo com os olhos fechados, os lábios entreabertos e o súor escorrendo por sua testa.

Passei minhas pernas em volta da sua cintura e ergui um pouco o rosto, depositando um beijo em seus lábios.
Os movimentos foram ficando mais rápidos e as estocadas mais fortes, já não era mais possível conter meus gemidos apenas para mim, o calor dos nossos corpos parecia estar em 200 graus.
Bill passeava com uma das mãos pela lateral do meu corpo e por vezes inclinava-se um pouco e sugava a pele dos meus seios.

– Bill, por favor mais rápido. – Bill sorriu e começou a acelerar os movimentos, inclinei a cabeça para trás e mordi os lábios com força.

Sentia-o ali, tão meu, tão forte, tão rápido, tão excitado, tão... Bill!


[Bill]


Ela havia pendido a cabeça para trás, senti-me satisfeito por fazê-la sentir-se bem, sentir-se única, porque de fato ela era.
Seus quadris que tanto me enlouqueciam, moviam-se perfeitamente com os meus, sincronizados e prazerosamente. Ouvi-la gemer ao pé da minha orelha era o que me incentivava a dar-lhe cada vez mais prazer.

Diminui a velocidade dos movimentos por um tempo, apenas para me inclinar sobre ela e beijar aqueles lábios tão vermelhos, os tomei com volúpia e cheio de tesão, mal acreditava que estávamos ali mais uma vez, naquela cama que me trazia tantas lembranças boas.

Meu membro pulsava cada vez mais, dentro de seu interior quente e úmido, que parecia me espremer a cada estocada, me sentia envolto dentro dela.

– Bill, eu acho que... – Beijei seu lábios antes que terminasse a frase, acariciei seus cabelos e dessa vez a penetrava mais lentamente, diminui o número e a força das estocadas.

– Espera mais um pouco, deixa eu te dar mais prazer. – Ela sorriu em resposta e mais uma vez senti suas unhas afundaram-se na minha pele, adorava o jeito como ela tentava manter o controle.

Suas coxas roçavam-se contra minha cintura, a pele quente e tão macia, peguei um de seus seios com uma das mãos e o massageei, a ouvi gemer um pouco mais baixo, abandonei seu seio e segurei sua coxa esquerda, puxando-a mais para mim, me preparando para os últimos movimentos.

– Está pronta? – Ela assentiu com a cabeça e logo nos alíviamos daquela sensação de querer explodir a qualquer momento, senti suas mãos deslizarem pelas minhas costas, até chegar na minha nuca, me abraçou e ficamos um tempo assim, deliciando-se com aquela sensação de prazer do ápice.

Praticamente tinha me desmanchado dentro de sua intimidade, liberando tudo que havia guardado em todo o tempo que estive sem ela, sem a minha pequena, minha garota, minha bonequinha de porcelana, com a pele branca, olhos castanhos e lábios volumosos e tão delicados.

Era dona do beijo mais intenso, sedutor e delirante que já havia provado, era a única com quem me imaginava daqui para frente, não conseguia me imaginar fazendo isso com nenhuma outra, por que só ela era tão linda, tão sensual, tão delicada, tão meiga, tão.... Madeleyne!


~
Se a Lara leu isso, e tenho certeza de que leu... Aposto que deve ter ficado muito feliz... Apesar de que essa one não tem nada a ver com Kiss The Rain u.ú
Mas conta nér? Uma cena de amor entre os dois personagens mais sofridos de qualquer fic kkk
Pobrezinhos, como sofrem nas minhas mãos XD
Ah, e desculpem se não apareceram os espaços no início de cada parágrafo... Esqueci-me totalmente da formatação do BBCode u.ú
Se gostaram dessa one, ou não... Avisem, dependendo das respostas, eu até faço outra dedicada à algum de vocês >.<

Ver perfil do usuário http://tokiohotelmateriais.blogspot.com.br/

2 Re: A pequena de Bill em Seg Set 24, 2012 9:14 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Olá Mey!'

Adorei tua one!
Tu escreve realmente bem, e consegue fazer uma mistura ótima de sentimento dos personagens com o que está acontecendo no momento... E ainda mais em terceira pessoa Shocked
Eu simplesmente acho muito dificil escrever em terceira pessoa! Tá de parabéns!

Pelo visto a Pequena do Bill tava meio que se escondendo dele! Mas ainda bem que ela não resistiu aos encantos do Kaulitz mais novo! Mas quem resistiria, não é mesmo?! Sei que eu não resistiria! Rolling Eyes
E que sorte a dela ter o Bill ali, sendo todinho dela, em cima dela... éh deixa eu parar né?! Rolling Eyes

Já pensou em fazer dessa one uma fic? Onde contasse o inicio da história dos dois, porque a pequena do Bill meio que evitava ele e tals? Acho que daria uma boa fic, ou uma mini fic!
E olha eu aqui querendo dar pitaco!

Parabéns pela one! Smile

Ver perfil do usuário

3 Re: A pequena de Bill em Ter Set 25, 2012 8:25 pm

lol!
Tia que coisa mais liiiinda! *----------*
Amei muito, você escreve e descreve muito bem!
Fiquei curiosa pra saber o que os dois tiveram antes...
Enfim. Me desculpe, eu não tenho criatividade pra reviews e tals...
Mas quero que vc saiba que eu amei muito a sua one, você escreve muito bem!!!
Küsses! Razz

Ver perfil do usuário https://twitter.com/The_yssah

4 Re: A pequena de Bill em Sab Set 29, 2012 3:36 pm

Ella.McHoffen

avatar
Administradora
Hey Mey!

Estou impressionada! Tu escreves super bem ainda mais na 3ª pessoa, coisa que eu acho muito difícil.

Fiquei um pouco muito curiosa por saber a história deles. Como a Sam disse acho que ficaria muito bem uma continuação, nem que seja uma mini.

Sam uma coisinha eu resistiria a esse pedaço. Eu prefiro o Kaulitz mais velho. Razz

Mas o que realmente importa é que a fic está super bem detalhada e amei o jogo dos sentimentos vistos de fora e sentidos por eles.

Parabéns!!!

Ver perfil do usuário http://thfanfictions.forumeiro.com

5 Re: A pequena de Bill em Sab Nov 10, 2012 9:17 pm

Desculpe a demora.... Embarassed

Kiva, eu amei!!!Esperei tanto por isso em Kiss the rain....

Bem que você podia ter colocado essa one naquela fic, né??

Ai, eu amei...Achei lindo, perfeito e romântico!!Você escreve muito bem.....

Ver perfil do usuário

Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum