Tokio Hotel Fanfictions
Hello Alien!

Seja bem-vindo ao Fórum dedicado somente a Fanfictions dos Tokio Hotel.

Não estás conectado, por isso faz login ou regista-te!

Estamos à tua espera. Aproveita ao máximo o fórum ;-)

Destinado a Fanfics sobre a banda Tokio Hotel. Os leitores poderão expor as suas fics como também poderão somente ler.


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

The Strenght Of Love

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 The Strenght Of Love em Ter Set 25, 2012 1:59 pm



No seu aniversário de 18 anos, Clara, uma garota cujo sonho é ser uma modelo internacionalmente conhecida, vai para Los Angeles morar por um tempo com sua prima Yollanda, mas quando menos espera, encontra o amor de sua vida e se apaixona perdidamente. Misteriosamente, esse romance começa a ser abalado por uma pessoa anônima que tenta fazer de tudo para separar Clara de seu amor.

Ver perfil do usuário https://twitter.com/@Cherry_483

2 Re: The Strenght Of Love em Ter Set 25, 2012 2:09 pm

Suspense no ar...Continua, Liebe! bounce

Ver perfil do usuário

3 Re: The Strenght Of Love em Ter Set 25, 2012 2:19 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Hmm... Fiquei curiosa pelo primeiro capitulo! Laughing

P.S.: Aêê, conseguiu postar, espero que esteja se familiarizando com o Fórum e aproveite bastante! Razz

Ver perfil do usuário

4 Re: The Strenght Of Love em Qua Set 26, 2012 10:42 am

Posta sim!!!

Ver perfil do usuário

5 Re: The Strenght Of Love em Sab Set 29, 2012 10:01 pm

Anny V.

avatar
Moderadora
Samantha McHoffen escreveu:Hmm... Fiquei curiosa pelo primeiro capitulo! Laughing

Ver perfil do usuário http://h-u-m-a-n-o-i-d.tumblr.com/

6 Re: The Strenght Of Love em Sex Out 05, 2012 1:37 pm

Ella.McHoffen

avatar
Administradora
Super curiosa ... Posta logo Wink

Ver perfil do usuário http://thfanfictions.forumeiro.com

7 Re: The Strenght Of Love em Ter Out 23, 2012 6:51 pm

Nossa, quanto tempo eu não entrava aqui! Eu criei meu perfil e não voltei mais, tava quase abandonando a fic quando entrei aqui e vi essas mensagens! Espero que gostem do primeiro capítulo! Smile

Ver perfil do usuário https://twitter.com/@Cherry_483

8 Re: The Strenght Of Love em Ter Out 23, 2012 7:10 pm

Capítulo 1 - LA Baby!

"Você só vai fazer o que quiser depois dos seus 18 anos, e até lá, eu ainda vou estar de olho em você minha filha." Isso é o que minha mãe, Esther, me diz quase todo dia. Meu pai, Guilherme, nunca foi de encher tanto o meu saco como ela. E eu sou Clara, uma modelo paulista. Cabelos castanhos claros, olhos castanhos, 1,78... Isso sempre bastou para encantar os fotógrafos, não só a beleza mas também o meu jeito. Eu sempre fui uma garota muito presa e fechada em um mundo onde meus pais dizem o que é certo ou errado para mim, o que eu devo ou não fazer, e agora isso vai acabar.

Bem, até hoje eu tive apenas um namorado aos 16 anos, e ainda escolhido pelos meus pais. Orlando, um mauricinho que andava de nariz inpinado e era um louco por mim, mas eu não digo isso só pra me achar, mais porque ele e minha mãe inventavam coisas doidas só pra me fazer gostar dele. E no final de tudo, aquilo não durou nem um ano e além do mais ele acabou se mudando com a sua família esnobe para nada mais e nada menos que: Los Angeles. Eu não sei porque eu lembrei disso justo hoje, justo no meu glorioso dia, o dia dos meus tanto esperados 18 anos. E adivinhem, é pra lá que eu vou hoje. Vou em busca do meu sonho de ser modelo. Esse sempre foi meu sonho. Tive vários contratos e books de fotos com algumas empresas, mas nada muito grande, porque ser apenas uma modelo "qualquer" nunca foi suficiente pra mim, eu quero ser uma modelo internacionalmente conhecida, eu quero poder brilhar em LA assim como eu brilhava nas fotos desde criança. Eu vou ficar na casa da minha prima Yollanda em Los Angeles, sabe se lá até quando, mas eu estou feliz por isso, muito feliz. É um sentimento de libertação dos meus pais, finalmente vou poder fazer o que eu quiser sem a interferência deles, mas aquela frase ainda me dá um frio na espinha.

Resolvi me levantar, já eram quase 10 horas. Fiz minha higiene matinal, me troquei e desci para tomar o café da manhã ao lado dos meus pais.

– Bom-dia querida! - disseram meus pais juntos no mesmo ritmo.

– Bom-dia - disse sorrindo.

– E então... está ansiosa para hoje? - disse minha mãe em um tom um pouco triste olhando para o seus ovos mexidos.

– Estou sim mãe... eu vou sentir muito falta de vocês.

– Oh minha filha, eu também! Eu até acho que seria melhor você esperar uns anos, você ainda é muito nova. - disse ela me abraçando.

– Mãe, eu já tenho 18 anos, se não for agora, quando? Eu preciso correr atrás do meu sonho. - disse um pouco tensa.

– Me desculpe minha filha, eu posso imaginar o quanto isso significa para você, mas você sempre será o meu bebê!

– Ta bom mãe, agora chega. - disse escondendo uma risada.

Terminei de comer e subi para o meu quarto arrumar minhas malas, e não seriam poucas, não com o tanto de roupas que eu estava levando. Cada roupa que eu colocava na mala, fazia meu coração disparar mais forte. Qual seria o sentimento de liberdade? Pra mim vai ser com certeza novo.

Com as malas prontas para a viagem, meus pais começaram a levar as malas para o carro enquanto eu tomava banho para ir. Depois disso eu fui me despedir da minha cachorrinha Babi, eu sentiria muita falta dela, não só dela como de todos os meus amigos e meus pais. A hora estava chegando e é sempre bom chegar ao aeroporto com antecedência.

Entrei no carro e coloquei os fones do iPod e comecei a ouvir You Found Me do The Fray, umas das minhas bandas favoritas. Além de tirar fotos e desfilar, um dos meus hobbys favoritos era viajar escutando minhas músicas, isso me fazia pensar na vida e sonhar. Olhando pela janela eu dizia para mim mesma "goodbye Brazil". É, eu sentiria falta daqui e também do português. Eu sou praticamente fluente em inglês e teria que estar o tempo todo falando, mas isso não é problema.

Chegamos e eu nem reparei, o tempo passou rápido. Saimos do carro e ajudei meu pai a pegar minhas malas. Entramos no aeroporto e nos sentamos. Já conseguia ver os olhos da minha mãe rasos d'água.

– Ah Clara, já está quase na hora de você embarcar! Vou sentir tanto sua falta! - disse minha mãe deixando uma lágrima cair.

– Eu também mãe, e de você também pai!

– Sim, todos nós vamos sentir sua falta, Clarinha. E lembre-se sempre de nos ligar e não faça nada de imprudente, não se esqueça de tudo o que a gente te ensinou. - disse meu pai segurando a emoção.

– Ah, acredite pai, não tem como esquecer. - é não tem mesmo como isso acontecer, não depois de tudo que passei com eles. - Bom, é melhor eu já ir apresentar meu passaporte e a bagagem. E ai... embarcar. - disse fazendo biquinho.

Fui até o balcão, fiz o que era necessário. Me despedi pela última vez dos meus pais, com beijos e abraços. Minha mãe como sempre, não conseguiu controlar seu choro. Levantei a cabeça e me dirigi para a sala de embarque. Enquanto estava andando minha mãe gritou.

– Clara, sua prima vai estar te esperando no aeroporto de Los Angeles! Nos ligue quando chegar, eu te amo!

Eu olhei dei um sorriso enorme e acenei com a cabeça. Dessa vez tive que me controlar para não chorar, parecia até um milagre eles me deixarem ir sozinha para lá, para tentar realizar meu sonho. Nisso, eles sempre estiveram certos.

Cheguei na sala de embarque e a entrada tinha acabado de ser autorizada. Subi as escada do avião com frio na barriga, e sentei na minha poltrona na classe média. Dei um suspiro e olhei pela janela esperando o avião começar a voar céu acima.

Após um longo tempo, sinto um tremor nos pés, finalmente a espera de tanto tempo tinha acabado...

– LA Baby! - disse colocando meus fones com um sorriso bobo no rosto.[center][b][center]

Ver perfil do usuário https://twitter.com/@Cherry_483

9 Re: The Strenght Of Love em Ter Out 23, 2012 7:22 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Aê! Pensei que tinha esquecido da gente! Rolling Eyes

A Clara está mais do que certa em seguir o sonho dela, ainda mais que ela tem tudo pra conseguir isso! E ainda por cima está indo pro lugar certo, Los Angeles!
Espero que ela se dê bem por lá... o que acho que sim, por causa da sinopse! Wink

Estarei esperando o próximo capitulo! cheers

Ver perfil do usuário

10 Re: The Strenght Of Love em Ter Out 23, 2012 10:49 pm

Que bom que você voltooooooou!!!
Sua fic parece ser muito boa!!


Ai, me identifiquei muito com ela....É que também tinha um sonho de mudar de cidade!!!
Claro que com algumas diferenças!!Primeiro que meu sonho era fazer psicologia e mudar do fim do mundo em que eu morava....Quando finalmente consegui me senti exatamente como ela...Só que, é muito difícil deixar a família e os amigos.....Sinto tanta saudade....

Quem será que ela vai conhecer lá?????Podia ser o Georg....(Ignore minha eterna paixão e obsessão pelo Moritz!! ) Com certeza vai ser o Bill!!!Ai, tô ansiosa...Não demore...

Ver perfil do usuário

11 Re: The Strenght Of Love em Qua Out 24, 2012 2:12 pm

Capítulo 2 - A Chegada


– Com licença, acabamos de aterrissar. Bem-vinda a Los Angeles. - disse uma aeromoça me cutucando.

– Oh, me desculpe... Já estou indo. - disse coçando os olhos.

Parece que eu dormi até demais. Mas fiquei metade da viagem ouvindo música e olhando pela janela. Me espreguicei e levantei da poltrona. Finalmente cheguei em LA! Automaticamente abri um sorriso descendo as escadas do avião. Senti o vento forte batendo no meu rosto e desarrumando meu cabelo. Daqui em diante seria um nova vida, assim eu espero...

Entrei no Los Angeles International Airport para pegar minhas malas. Era lindo por dentro e por fora, e claro, bem maior do que o de Guarulhos. Fiquei esperando minhas malas aparecerem na esteira. Depois de 15 minutos esperando, consegui vê-las. Eram duas malas de carrinho pretas enormes e pesadas. Peguei a primeira, mas a segunda não estava conseguindo, até um gentil homem com um capuz preto me ajudar.

– Muito obrigada. - disse sorrindo para ele.

O tal homem não me disse o comum "de nada". Apenas pegou sua mala e passou pela porta de vidro que dividia a esteira com o resto do aeroporto. Era gentil mas um pouco sem educação. Mas isso não importava... Carreguei cada mala em cada uma das mãos e atravessei a porta de vidro. Agora o problema era: onde está Yollanda? Continuei andando e mexendo a cabeça de um lado para o outro tentando encontra-lá. Decidi parar um pouco ao lado de uma livraria, meus braços já estavam doendo de carregar aquelas malas pesadas. Peguei minha bolsa e dentro dela meu celular. Nada. Nenhuma ligação ou mensagem.

– Clara Miller? - perguntou alguém atrás de mim me interrompendo.

– Yollanda! - disse surpresa e abraçando-a. - Pensei que não ia te achar!

– Mas agora eu já te achei, reconheceria esse cabelão lindo em qualquer lugar! E então, vamos? Quero que me conte tudo... Como foi a viagem? Foi tudo bem? Ficou com medo? - perguntou minha prima rapidamente me deixando confusa.

– Calma! Vamos, eu te conto no carro. - disse rindo.

Yollanda era mesmo tagarela, tinha me esquecido disso. Fazia muito tempo desde que não a via, talvez uns 7 anos. E ela havia mudado bastante aparentemente, é claro. Já no carro, ela me apresentou o cara me ajudando a por as malas no porta malas.

– Clara, esse aqui é Ryan, meu marido. - disse Yo apresentando-me o homem alto carregando minhas malas.

– Olá, prazer em conhecê-lo. - disse com um sorriso gentil.

Após termos colocado minhas bagagens no carro, me sentei no banco de trás e começamos a andar. No caminho até a casa dela contei o quão calma foi minha viagem e também como estava sendo minha vida no Brasil. Yollanda é um máximo de engraçada, e eu estou muito agradecida por ela me deixar ficar em sua casa por um tempo... indefinido.

– Chegamos Clara! - disse ela saindo do carro empolgada.

As casas dos EUA são bem diferentes das do Brasil, assim como as ruas. Uma coisa interessante é que aqui, tudo é maior, esse é um diferencial. Yollanda abriu a porta me deixando entrar.

– Nossa, sua casa é linda Yo!

– Obrigada, não é lá uma mansão, mas é o suficiente para nós. - disse como sempre sorrindo. - Eu imagino que você deve estar cansada e com muita fome já são 10 horas da noite... Ryan está pegando suas malas e vai subi-las para o quarto de hóspedes, enquanto isso vou fazer alguma coisa para você comer.

– Eu não quero incomodar, você também está cansada. Eu posso comer amanhã e muito obrigada por me deixar ficar aqui, de verdade Yo. - disse com um sorriso de agradecimento.

– Nada disso mocinha, eu não me incomodo. E você precisa comer ou vai desaparecer de magreza. - disse rindo e me puxando para a cozinha.

Fiquei sentada na cadeira de uma pequena mesa. A de jantar era bem maior. Ela colocou uma lasanha congelada para assar no forno e veio se sentar comigo.

– E então, já sabe aonde vai fazer seu teste para modelo? - perguntou.

– Sim... A agência em que eu estava no Brasil mandou meu book para a L.A Model e eles aceitaram fazer um teste comigo. Quando eles me mandaram a carta de aceitação eu comecei a gritar, tem noção do quanto isso é difícil? Mas ainda não é uma admissão... - disse num tom tenso.

– Eu tenho certeza de que você vai conseguir! Você chegou até aqui porque você tem potencial para ser uma supermodelo. Eles vão te querer e eu vou ver você nas maiores passarelas dos Estados Unidos! - disse minha prima demonstrando confiança.

– Obrigada mesmo Yo, força e confiança é o que eu mais preciso agora, e se não fosse pela sua ajuda, talvez isso não seria possível.

– Já disse que é um prazer... E quando é esse teste?

– É daqui há 4 dias!

– A lasanha está pronta! - disse Yo mudando de assunto depois de ouvir o barulho do forno.

Ela colocou a luva e pegou a lasanha. Depois a botou na mesa. Estava com uma cara ótima, e o cheiro, incrível. Comi dois pedaços, eu estava mesmo com fome. Mas não poderia exagerar, preciso manter o meu corpo.

– Hmmm, eu amei a lasanha. - disse bocejando.

– E parece que você está com sono... é melhor você descansar, amanhã será um novo dia. Suba as escadas da sala, o seu quarto está há direita do corredor.

– Obrigada, vou dormir então. Boa noite. - disse segurando meus olhos pesados de sono.

Atravessei a sala e subi as escadas. Não foi difícil achar meu quarto, era o segundo há direita. Tinha uma cama de solteiro encostada na parede com roupas de cama lilás, minha cor preferida. Um guarda roupa do outro lado da parede e um banheiro há frente. Uma suíte linda. Abri uma das minhas malas, peguei meu pijama, minha necessaire e fui tomar banho. Quando terminei, escovei meu dentes e fui me deitar. A liberdade é uma maravilha, e eu quero aproveitar o máximo que puder.

Ver perfil do usuário https://twitter.com/@Cherry_483

12 Re: The Strenght Of Love em Qua Out 24, 2012 3:55 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
E esse cara do capuz em?! Algo me diz que ele é alguém conhecido!

Pensei que a Yollanda não iria aparecer, e o cara do capuz daria uma carona pra ela hahaha
Tomara que a Clara consiga ser admitida na agência!

Continua! Wink

Ver perfil do usuário

13 Re: The Strenght Of Love em Qua Out 31, 2012 4:14 pm

E então, estão gostando? Vi que bastante gente parou de ler então vou postar o terceiro capítulo quando tiver mais comentários... Beijos Smile

Ver perfil do usuário https://twitter.com/@Cherry_483

14 Re: The Strenght Of Love em Qua Out 31, 2012 4:29 pm

Anny V.

avatar
Moderadora
Desculpa por ter demorado a comentar, eu sou lerda... Embarassed

Será que essa coisa de ser modelo vai dar certo, e ela não vai ser só mais uma das milhares de pessoas que vão pra L.A. atras de um sonho, e se ferram?
Espero que de certo pra ela.

Essa cara de capuz, em? Sei não... Suspect

Continua Razz

Ver perfil do usuário http://h-u-m-a-n-o-i-d.tumblr.com/

15 The Strenght Of Love em Qua Nov 07, 2012 7:15 pm

Capítulo 3 - LA Night Club


Quando acordei já eram quase 11 horas. Demorei um pouco para ter de volta a percepção da realidade, mas quando percebi ao abrir os olhos que não estava mais em minha casa, e sim em Los Angeles, abri um sorriso automaticamente. Minha primeira noite havia sido ótima, mal podia esperar para andar pela ruas e conhecer outros lugares e pessoas.

Me levantei, me espreguicei e fiz toda a enrolação de beleza que faço todas as manhãs. Estava calor, então resolvi colocar uma roupa bem confortável e curta. Após meia hora desci para comer alguma coisa, se é que havia alguma coisa na mesa ainda.

– Bom dia dorminhoca, guardei alguns waffles pra você. - disse Yo me mostrando a comida na mesa logo que entrei na cozinha.

– Muito obrigada. - disse sentando-me para comer.

– Clara, eu estava pensando enquanto você não acordava... O que acha de irmos sair um pouco para você conhecer Los Angeles? - perguntou Yollanda sorrindo gentilmente.

– Essa foi a primeira coisa em que eu pensei ao acordar, eu estou louca para conhecer LA! - disse animada com a ideia enquanto comia.

– Ótimo! O único problema é que eu vou ter que ir trabalhar agora e só volto ás 18 horas, tudo bem? Não quero que você fique andando sozinha por aí, mesmo porque você não conhece nada, então terá que me esperar. - avisou Yo.

– Por mim tudo bem, fique tranquila. Eu não ouso sair daqui, ficaria perdida.

– Então está tudo certo. Eu tenho que ir agora, o Ryan também está trabalhando, não se preocupe, a casa é sua. Qualquer coisa me ligue, você tem o meu telefone, não é? Adeus! - disse minha prima apressada pegando sua bolsa que estava em cima da mesa e umas pastas coloridas.

– Tchau, tenha um ótimo dia. - disse olhando para trás acompanhando com os olhos seu caminho até a porta.

Terminei meus deliciosos waffles e lavei a louça, aliás eu não estava ali pra viver na mordomia, eu precisava ajudar. Depois, fui me sentar no sofá para assistir tv. Olhei para o telefone em cima da mesa central e me lembrei que não tinha ligado para os meu pais ainda. Droga! Será que eles estariam furiosos comigo? Bom, se sim ou não, é preciso ligar de qualquer jeito. Peguei o telefone e disquei o número.

– Mãe? - disse com a voz um pouco falhada quando ela atendeu.

– Clara! Estávamos esperando sua ligação desde ontem, ficamos preocupados! - disse minha mãe praticamente gritando.

– Eu sei, eu sei... É que eu cheguei muito cansada e achei melhor ligar pra vocês hoje, mas está tudo bem, não se preocupem. - disse tentando acalmá-los.

– Tudo bem, mas não se esqueça de ligar e nos manter informados, principalmente sobre o teste... Mas e então, como estão as coisas? - perguntou minha mãe mais calma.

– Não vou esquecer... Está tudo certo, a Yo foi trabalhar, quando ela chegar vai me levar para conhecer LA! - disse animada.

– Divirta-se filha, mas tenha cuidado...

– Tudo bem mãe... - disse revirando os olhos. - Já estava farta dessas frases, acho que nem quando eu estiver velha vou esquecer delas.

– Tchau minha filha, se cuida, estou morrendo de saudades de você... E não esqueça de estar sempre nos ligando! - disse minha mãe repetindo o que havia dito me irritando.

– Eu... Eu já entendi! Tchau mãe. - disse deixando escapar um risada por causa da situação.

Finalmente a cerimônia havia acabado. Vai ser um saco se toda vez que eu ligar ela me dizer sempre a mesma coisa. Na verdade, eu sempre ouvi isso desde criança, mas eu já estava cansada. Ela precisava saber que eu não sou mais a sua bebê ou seja lá o que ela acha de mim... Ás vezes me dá vontade de radicalizar as coisas.

Resolvi limpar um pouco da casa, começando com o pó da sala. Fui até um pequeno quartinho onde Yo guardava os materiais de limpeza e peguei um espanador, de repente ouvi um barulho vindo da sala. Fiquei com medo... Será que ela já tinha chegado? Não podia ser, ainda eram duas da tarde.

Abri a porta do quarto e desci devagar as escadas. A sala estava fazia. Será que foi na cozinha? Fui até lá. Ao entrar me deparo cara a cara com uma mulher mais baixa que eu, branca e com cabelos ondulados e pretos.

– Ahh! - dei um suspiro alto de susto.

– Você é a Clara? - perguntou a mulher.

– Sim, e quem é você?! - disse ainda assustada e em um inglês errado.

– Eu sou a empregada, desculpa ter assustado você. Meu nome é Mary... Yollanda me disse que você estaria aqui. - disse ela calmamente.

– Mas ela não me disse que tinha empregada... Eu não sabia, me desculpe pelo espanto! - disse embaraçosamente.

– Tudo bem, e pelo visto você já lavou a louça para mim. Mas não precisa tirar o pó, pode deixar isso comigo. - disse Mary sorrindo docemente e pegando o espanador da minha mão.

Mary passou por mim e subiu para os quartos. A situação havia sido bem embaraçosa e engraçada ao mesmo tempo. Fui rindo me sentar no sofá imaginando minha cara de espanto e peguei uma revista das que estavam na mesinha e comecei a ler já que não tinha mais nada a fazer.

"Test for L.A Model this Friday, will..."


(...)



– Clara? - perguntou alguém chamando meu nome e me cutucando.

– Hmmm... Oi. - disse me levantando lentamente com os olhos semicerrados.

– Desculpe ter te acordado, e também por ter chegado essa hora! - disse Yo enquanto tirava a revista de baixo do meu rosto.

Me sentei no sofá e olhei para o relógio da sala, eram nove horas da noite. Eu havia dormido mais que o normal, eu não era acostumada a dormir tanto... Parecia que eu estava começando a criar maus hábitos por não estar fazendo nada prestativo e eu sempre precisava estar fazendo alguma coisa.

– O que aconteceu? Você não disse que iria chegar ás seis? - perguntei confusa.

– Bem, eu tive uma reunião relâmpago no serviço e tive que ficar mais tempo por lá, me desculpe mesmo! - disse Yo passando as mãos nos meus cabelos aparentemente bagunçados.

– Ah sim, sem problemas... - disse me levantando do sofá.

– Hey, não se desanime, eu ainda tenho uma surpresa pra você... Na verdade, não é nada mais do que uma compensação pelo atraso. - disse Yo me puxando de volta para sentar-se ao seu lado.

– Não se preocupe! Está tudo bem... Mas o que é? - perguntei não deixando a curiosidade escapar.

– Eu conheço um lugar que você pode ir ainda hoje para se divertir, é o L.A Night Club. Coloquei seu nome por telefone na lista VIP, sabe eu tenho muitos contatos e consegui isso para você! - disse ela se exibindo.

– Não acredito que você fez isso... É sério? Eu adoro festas, mas não precisava ter se preocupado com isso, a gente pode sair amanhã, no seu dia de folga. Você já está me fazendo um grande favor de me hospedar aqui e não quero incomodar... - disse imperiosamente.

– Mas você não está incomodando Clara! Pare de se sentir como um problema, você está aqui para se divertir também... Não pense que eu esqueci a forma como seus pais a prendem, eu me lembro muito bem e acho que é hora de você se libertar e fazer o que tiver vontade. - disse Yo me encorajando.

– Você tem razão! Eu só não quero que se preocupe comigo...

– Eu só quero que você aproveite ao máximo, aposto que você vai adorar se for... Mas, me diga, você vai? Se não quiser tudo bem. - disse ela de uma forma compreensiva.

– Com certeza eu vou. - disse sorrindo.

– Ótimo! Mas você não se importa de ir sozinha, certo? Eu preciso dormir cedo e o L.A Night Club abre ás 22. É melhor você ir se trocar, ou iremos nos atrasar. - disse ela se levantando do sofá e puxando minha mão direita me levando junto.

– Ir sozinha? Bem, seria melhor se você fosse também mas já que não pode, tudo bem. - disse com um sorriso forçado para tentar disfarçar o meu terrível desconforto.

Eu não devia ter mentido, muito menos ter dito que estava tudo bem, porque na verdade não estava nada bem. Eu sozinha em um clube noturno com várias pessoas desconhecidas? Isso não daria certo, com certeza. Yollanda era uma louca, sempre querendo fazer coisas radicais... Mas eu era tímida demais. O problema era que eu não podia mais voltar atrás, depois de todo o trabalho que ela deve ter tido, eu teria que ir.

Subi para o meu quarto hesitantemente e ainda pensando em voltar atrás, mas tomei consciência de que o que eu estava fazendo era drama demais para alguém com 18 anos. Mas ir sozinha a lugares com pessoas que você não conhece é sempre horrível, ainda mais quando não é em seu país de origem!

Me arrumei rapidamente e decidi colocar um shorts de lantejoulas pretas brilhantes e uma camisa chiffron bege. Nos pés escolhi investir em um salto alto preto de Christian Louboutin, o meu favorito. E para arrematar e realçar o look, passei um batom vermelho no qual não vivia sem.

Depois de estar totalmente pronta, desci ao encontro de Yollanda, ansiosa para saber sua opinião sobre minha roupa e nervosa por estar indo sozinha ao clube.

– Você está maravilhosa! - disse Yo animadamente. - Eu não entendia como aquela criatura tinha um humor do caramba após chegar de um dia cansativo de trabalho, ela era o bom humor em pessoa.

– Obrigada... Será que está muito exagerado? - disse checando minha roupa mais uma vez.

– Claro que não! Você sabe ser linda na medida certa, mas agora nós precisamos ir, ou você não entra! - disse ela pegando minha mão e me conduzindo rapidamente ao carro.

Durante o caminho, fiquei olhando a paisagem pelo vidro. Los Angeles é incrível a noite e o céu estava repleto de estrelas. As ruas estavam bem movimentadas por pessoas bonitas e bem vestidas.

Em poucos minutos, o carro parou em frente ao nightclub. Havia um letreiro com o nome "L.A Night Club" piscando e atraindo pessoas de todos os cantos com o seu show de luzes.

– Chegamos Clara. Você está com o celular? - perguntou Yo tirando a minha atenção do letreiro.

– Sim, está na minha bolsa. - disse arrumando-a em meu ombro.

– Quando quiser ir embora, me ligue! E é só dar o seu nome na porta. - disse Yo sorrindo.

–Tudo bem, obrigada Yo. - disse abrindo a porta do carro e saindo.

– Divirta-se!

Quando Yo foi embora, me vi como um alienígena perdido em outro planeta que não fosse o meu. Todas as pessoas me olhavam e avaliavam-me me fazendo corar, mas tentei evitar olhares ao máximo. Olhei, então, para a entrada VIP do outro lado, onde havia um alto segurança com uma lista na mão. Me dirigi até lá.

– Nome? - perguntou o segurança alto e fortão na frente da porta de entrada.

– Clara Miller.

– Certo. Bem vinda ao L.A Night Club. - disse o segurança abrindo a grande porta lilás me possibilitando de ver um mar de pessoas charmosas dançando como se não houvesse amanhã.














Ver perfil do usuário https://twitter.com/@Cherry_483

16 Re: The Strenght Of Love em Sex Dez 14, 2012 1:54 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Sem dúvida alguma a primeira coisa que eu faria se tivesse em L.A. seria sair pra conhecer a cidade! E que cidade!

Achei a mãe da Clara super tranquila, acho que se eu fosse viajar e não ligasse pra minha mãe ela ficaria doida! Razz

A Clara é corajosa, eu não iria a boate sozinha nem a pau! Já odeio sair sozinha, pra uma boate piorou! Mas sinto que ela vai se dar bem nessa boate!

Continue!'

Ver perfil do usuário

17 Re: The Strenght Of Love em Sex Dez 14, 2012 4:00 pm

Continua Curiosíssima:)

OhannaAlien;3

Ver perfil do usuário

18 The Strenght Of Love em Seg Dez 17, 2012 2:46 pm

Capítulo 3 - LA Night Club

Senti calafrios ao dar o primeiro passo dentro da boate. O som estava muito alto, mas eu gostava, eu podia sentir a energia das pessoas ali. Permaneci parada por uns minutos, apenas observando a multidão de pessoas andando de um lado para o outro e dançando, mas eu permaneci no meu lugar, indecisa entre deixar que meus pés me levassem a qualquer lugar que fosse ou simplesmente encontrar um lugar para me sentar, só que alguém esbarrou em mim me fazendo sair do transe.

– Vai mesmo ficar parada na frente da porta? - perguntou o homem que havia esbarrado em meu ombro caminhando para o outro lado.

– Me desculpe. - disse mas ele já tinha ido embora.

Eu tinha mesmo que sair dali, mas parecia que a vergonha me impedia de tudo me fazendo parecer uma tonta para todos que passavam em minha frente. Respirei fundo, empinei o nariz e deixei que minhas pernas me conduzissem ao open bar. Obviamente eu não tinha idade para beber, afinal nos Estados Unidos a bebida alcoólica é permitida apenas para maiores de 21 e eu havia acabado de completar 18.

Não fazia muito sentido eu estar indo ao open bar, mas foi o primeiro lugar que avistei no qual possuía algo em que eu pudesse me sentar. A maioria dos bancos brancos estavam cheios de pessoas injetando álcool em seu corpo e rindo histericamente, ou fumando, mas por sorte encontrei um banco vazio, o último da fileira. Logo me sentei para não perder o lugar e o barman em seguida veio me atender.

– Quer beber alguma coisa? - perguntou o barman ruivo de olhos castanhos.

– Seria quase um crime se eu pedisse, eu não tenho a idade... Hm, o tal dos 21 anos. - disse com um sorriso nervoso.

– Bom, as pessoas costumam quebrar as regras por aqui, mas tem certeza que não quer nada? - perguntou o barman maliciosamente e com uma cara sexy.

– Certeza absoluta. - disse escondendo uma risada.

Eu não iria quebrar as regras. Logicamente, eu não estaria quebrando as regras no Brasil, mas já que estou em LA e ainda mais garantindo o meu futuro, seria melhor continuar andando na linha. Mas não foi isso que aconteceu quando, poucos minutos depois, o cara loiro e cheio de piercings que estava sentado ao meu lado puxou conversa comigo me fazendo violar aquela regrinha que nossos pais nos ensinam de nunca falar com desconhecidos.

– Oi. - disse ele sorrindo gentilmente.

– Olá. - disse e rapidamente virei meus olhos na direção da prateleira de bebidas bem na minha frente.

– Você parece estar sozinha, você está? - disse ele chamando minha atenção novamente para aqueles piercings em seu nariz, boca, orelhas e sobrancelha. - Eu nunca fui muito de gostar de homens cheios de metais pendurados em seu rosto, mas eles eram até atraentes.

– Hm, na verdade estou. - disse em um tom indeciso pois estava imaginando suas expectativas com aquelas perguntas.

– Desculpe ter começado assim... Meu nome é Bill, Bill Kaulitz, prazer em te conhecer. - disse Bill virando seu corpo no banco em minha direção.

– Prazer, eu sou Clara, Clara Miller. - disse um pouco mais tranquila por ele estar fazendo as coisas mais fáceis e educadas.

– Quantos anos você tem?

– 18 e você?

– 18? Eu sou 4 anos mais velho que você, eu tenho 22. - disse ele com um sorriso largo mostrando seus dentes brancos.

– E isso faz com que você se sinta... Melhor? - perguntei sínica.

– Haha, de maneira alguma, nós dois estamos sozinhos aqui de qualquer maneira... Você quer dançar? - perguntou Bill estendendo sua mão para mim.

–Dançar? Eu não sou muito boa nisso. - disse corando e desviando meu olhar do dele.

– Adivinha? Eu também não! Vamos lá, vai ser melhor do que ficar aqui. - disse ele pegando minha mão e me puxando.

Sem dizer mais uma palavra, deixei que ele me levasse para a pista de dança que mais parecia um formigueiro de pessoas pulando e se divertindo. Fomos nos enfiando no meio das pessoas até achar um bom lugar. Eu confesso que estava morrendo de vergonha e evitando fazer qualquer movimento com o meu corpo, mesmo que a batida da música me obrigasse, mas aos poucos fui relaxando e o Bill me deixava mais à vontade fazendo seus passos engraçados me fazendo rir.

Vários homens passavam ao meu lado jogando cantadas para cima de mim, mas eu não dava a mínima, tentava ignora-los mas um cara que mais parecia estar bêbado do que consciente, de repente agarrou minha cintura por trás com tanta força que cheguei a perder o ar.

– Vamos dançar, linda? - perguntou o cara bêbado bem perto do meu ouvido com um bafo insuportável de álcool ainda me apertando.

– Quer fazer o favor de me soltar?! - gritei tentando tirar suas mãos presas em minha cintura.

– Vamos dançar um pouquinho, vamos. - disse ele encostando todo seu corpo contra o meu e me apertando ainda mais.

– Porfavor, você está me...

– Solta ela agora! - gritou Bill me puxando com toda força longe daquele fedorento.

O cara bêbado me soltou e saiu andando, ou melhor, cambaleando de um lado ao outro rindo feito um bobo. Minha vontade era de dar umas boas porradas naquele tarado. As pessoas ao nosso redor tinham parado de fazer tudo o que estavam fazendo por conta do escândalo, mas logo depois continuaram a dançar e a boate voltou ao normal.

Tomei conta de que ainda estava sendo protegida pelos braços do Bill e me desvencilhei deles. Continuamos parados no meio de todos que estavam dançando ali e tudo o que eu pensava era a vergonha que eu tinha pagado. Se não fosse pelo Bill, eu já teria dado um belo chute nas partes daquele bêbado infeliz.

– Vamos sentar em algum lugar? Eu acho que não é uma boa ideia continuar aqui no meio de tanta gente. - disse Bill me acordando dos meus pensamentos.

– É uma boa ideia. - concordei.

Saímos do formigueiro a procura de alguma lugar mais calmo onde pudéssemos nos sentar e achamos uns sofás roxos brilhantes em uma parte mais calma da boate. Logo que nos sentamos, um homem de dreads escuros e uma mulher loira de olhos azuis se aproximaram de nós.

– Hey, o que aconteceu Bill? - perguntou o de dreads de mãos dadas com a loira.

– Nada, só um bêbado retardado e sem noção. - disse Bill e olhou para mim.

– Entendi. Bom, a gente se vê depois. - disse o cara dos dreads e foi embora com a garota.

Eu queria saber quem eram aqueles dois, achava que o Bill estava sozinho mas parecia que não, ou ele foi abandonado pelo amigo.

– Quem são eles? - perguntei olhando o casal se afastando até os fundos da boate.

– Meu irmão Tom e... Uma garota que provavelmente ele acabou de pegar.

– Ele é seu irmão? Tá brincando né? - perguntei arregalando os olhos.

– É sério, e nós ainda somos gêmeos, mas as pessoas não descobrem isso até eu dizer. - disse ele rindo.

– Ah eu imagino que sim, eu nunca nem cogitaria a ideia de vocês serem irmãos gêmeos porque vocês não se parecem nada... Ele está mais pra um rapper e você pra um rockstar. - disse divertidamente.

– Um rockstar? Ora, porque? - perguntou ele curioso.

– Ah eu não sei, talvez porque você tem tantos piercings? - perguntei sem graça.

– Sim, é verdade. - disse ele sorrindo.

Um silêncio contínuo perdurou entre nós por alguns minutos, de repente ficamos tensos sem um assunto. Toda vez que ele sorria, isso acontecia e eu não sabia porque eu só sabia que estava tarde demais, muitas coisas haviam acontecido e eu precisava mesmo ir embora. Mas lembrei que ainda não tinha agradecido ele por ter me ajudado com o bêbado infeliz.

– Bill, eu ainda não te agradeci pelo caso pega-pelo-bêbado-infeliz, então obrigado por ter me impedido de dar um chuto nele. - disse tentando conter a risada em minha garganta.

– Ah tudo bem, pode ter certeza que eu vou te impedir de bater nesses abusados sempre que isso acontecer. - disse ele rindo.

– Obrigada... Bem, já está tarde é melhor eu ir embora.

– Você quer uma carona? - perguntou Bill gentilmente.

– Não, eu vou ligar para minha prima vir me buscar, obrigada mesmo assim. - disse pegando meu celular.

Ao ver as horas no celular me deparei com o número 3... Já eram 3 da manhã! Eu não me dei conta de que o tempo havia passado tão rápido. Depois disquei o número do celular da Yo, ela disse que chegaria na boate em poucos minutos, então resolvi que seria melhor sair e já esperar do lado de fora.

– Minha prima vai chegar rapidinho, então eu acho que vou esperar do lado de fora... - disse me levantando do sofá e olhando para ele.

– Hm, tudo bem então... - disse ele meio indeciso.

– Você quer ficar esperando comigo? - perguntei finalmente.

– Claro. - ele sorriu e se levantou do sofá.

Bill me seguiu por entre a multidão dançante até a porta da saída. O clima do lado de fora estava totalmente diferente. Enquanto dentro da boate estava quente por conta do calor humano, fora estava frio. Ficamos naquela noite fria de LA na calçada esperando Yo chegar.

– Nossa, como está frio aqui fora. - disse passando minhas mãos nos meus braços tentando me aquecer.

– Tome isso aqui, eu não estou com frio. - disse Bill tirando sua jaqueta de couro e colocando-a por cima dos meus ombros.

– Obrigada Bill, mas assim você vai ficar com frio. - disse tirando sua jaqueta de mim mas ele me impediu.

– Não, fique, você está de shorts, está com muito mais frio que eu. - disse ele docemente.

– Obrigada, de novo, você é muito gentil. - disse sentindo minhas bochechas se enrubescerem.

– De nada... Clara? - ele chamou pelo meu nome.

– Sim? - o correspondi com um sorriso e rapidamente me virei para a rua.

– Clara, eu adorei te conhecer.

– Eu também e...

– O que você acha da gente sair... Talvez amanhã? - ele perguntou me interrompendo.

– Amanhã? Er... É, acho que sim. - disse nervosa evitando olhar para ele.

– Ótimo. Me passa o seu telefone? Eu te ligo depois pra pedir o seu endereço e ir te buscar. - disse ele pegando seu celular no bolço da sua calça jeans.

– Tudo bem.

Enquanto passava meu número para Bill, minha prima chegou. Ele anotou o número rapidamente para que eu pudesse ir.

– Bom, parece que minha prima chegou. Aqui está sua jaqueta. - disse tirando-a dos meus ombros e entregando para o Bill.

– Até amanhã, então? - perguntou ele por último.

– Sim, vou esperar sua ligação... Adeus. - disse sorrindo e dando um tchau com a mão.

Sai de perto dele ainda um pouco nervosa e entrei no carro me sentando ao lado de Yollanda. Olhei para ele pela janela e ele me deu um último sorriso, depois voltou para dentro da boate. Um grande sorriso também estava estampado em meu rosto, até eu perceber que aquele tempo todo Yo estava apenas me observando e fazendo avaliações sobre esse meu sorriso, então o escondi rapidamente e a encarei.

– Então Yo, acho que a gente já pode ir para casa. - disse tentando manter uma postura normal escondendo meu nervosismo.

– E você não tem nada a dizer? - perguntou ela duvidosamente me olhando com aquele olhar no qual eu não posso negar.

– Tenho, claro... Eu adorei a boate, ela é super LA style. - disse daquele jeito "a quem eu estou querendo enganar".

– Ah então você adorou a boate? - perguntou ela enfatizando o "boate" com os seus dedinhos fazendo aspas.

– Sim, agora vamos? - perguntei insistindo.

– Vamos, mas você vai me contar tudinho sobre ele, começando agora! - disse ela ligando o carro com um sorriso arrematador.

– Tudo bem Yo, tudo bem...

Ver perfil do usuário https://twitter.com/@Cherry_483

19 Re: The Strenght Of Love em Seg Dez 17, 2012 3:33 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Ai que invejinha da Clara! Também quero ir numa boate e dançar com o Bill... mesmo que eu dance pior que ele! hahaha

Pensei que o idiota iria arrumar confusão com o Bill, mas ainda bem que isso não aconteceu. E o Bill foi um fofo com a Clara!

Continue...

Ver perfil do usuário

20 Re: The Strenght Of Love em Qua Jan 02, 2013 4:48 pm

Oie!
Eu lia sua fic no nyah, não sei se vc lembra (meu usuario lá é Gabrolla_TH) e fiquei super feliz de saber que vc ta postando aqui. Lá eu parei no cap "Sem Saída" e bem, não sei o quanto na frente isso é, mas como você ta postando agora, acho que vou ler do inicio mesmo. Mal posso esperar por mais capitulos hein?? Smile
Beijos <3

Ver perfil do usuário http://www.twitter.com/gabrolla483

Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum