Tokio Hotel Fanfictions
Hello Alien!

Seja bem-vindo ao Fórum dedicado somente a Fanfictions dos Tokio Hotel.

Não estás conectado, por isso faz login ou regista-te!

Estamos à tua espera. Aproveita ao máximo o fórum ;-)

Destinado a Fanfics sobre a banda Tokio Hotel. Os leitores poderão expor as suas fics como também poderão somente ler.


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Angels Don't Cry

Ir à página : 1, 2, 3, 4  Seguinte

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 4]

1 Angels Don't Cry em Qui Set 27, 2012 5:16 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora

Autora: Dasty Sama
Gênero: Aventura, Comédia, Darkfic, Death Fic, Drama, Ecchi, Fantasia, Humor Negro, Mistério, Romance, Suspense, Tragédia e Universo Alternativo.
Sinopse: Enquanto Hedvig era viva, ela cometeu diversos erros. Quando morreu, não mudou nada. Para não ir para o Inferno novamente, Deus lhe dá mais uma chance, ela terá que ir para o mundo dos vivos cuidar de um humano. Ela terá que aprender a mudar o seu jeito de agir, além de conviver com seu protegido, onde ela aprenderá a ver o mundo de outra forma.

Nota da autora: Essa fanfic tem certas ideologias religiosas, se você não gosta de certas coisas não leia. E saiba que tudo é basicamente feito por diversão. A história se passa atualmente (2009-2010), com alguns fatos que realmente aconteceram com o Tokio Hotel e outros que são pura invenção.
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência

Aviso: Está fanfic não me pertence, mas tenho a autorização da autora (Dasty Sama) para postá-la no Tokio Hotel Fanfictions.

Ver perfil do usuário

2 Re: Angels Don't Cry em Qui Set 27, 2012 7:37 pm

A primeira vez que eu olhei pra essa fic, eu pensei " Nossa mais eu nem sabia que a Kárita escrevia fic" mas depois vi que não era tua Razz.
Enfim, AMO fic espírita!!! Umas das melhores fics que eu ja li na minha vida tinha um pouco de espiritismo! Adoro essa ideia de "o ser humano reencarna pra consertar o erro", principalmente quando o mocinho é um cara como o Bill kkkkk.
Posteeeeeee moça (e desculpe revelar o teu nome se não quiser que eu faça mais isso me avise que eu edito Very Happy )

Ver perfil do usuário

3 Re: Angels Don't Cry em Qui Set 27, 2012 7:47 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Retira agora! hahahaha Tô brincando, não tem problema não Paloma, eu já havia dito nas apresentações Razz

Não, a fic não é minha, é da Dasty, que me deu autorização pra postar aqui!
Mas eu me arrisco a escrever! Shocked

Acho então que você vai amar a fic... logo logo eu posto o primeiro capitulo!

Ver perfil do usuário

4 Re: Angels Don't Cry em Qui Set 27, 2012 11:35 pm


''Angels dont cry...Angels dont cry...We are, we are!!''

Ai, eu amo essa fic muitamente!!A melhor de todas as fics já escritas no mundo......(Não força, né?? )

Mas, cara...Eu amo muito e tô aqui!!Vou reler, concerteza!!


*Kaká, sua linda...Amei os emoticons...Me sinto com ''tanta'' expressão, agora!!


Posta!!!

Ver perfil do usuário

5 Re: Angels Don't Cry em Qui Set 27, 2012 11:43 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Por nada Lara!' Wink

Vou tentar arrumar mais depois pra colocar aqui! alien

Ver perfil do usuário

6 Re: Angels Don't Cry em Sab Set 29, 2012 2:14 pm

Lara Monique escreveu:
''Angels dont cry...Angels dont cry...We are, we are!!''

Ai, eu amo essa fic muitamente!!A melhor de todas as fics já escritas no mundo......(Não força, né?? )

Mas, cara...Eu amo muito e tô aqui!!Vou reler, concerteza!!


*Kaká, sua linda...Amei os emoticons...Me sinto com ''tanta'' expressão, agora!!


Posta!!!

OMG!! EU AMO DEMAIS ESSA! POSTA MENINA! TÔ AFIM DE RELER! ai tbm amo esse emoticons
ah, toda vez q eu escuto down on you, eu me lembro dessa fic! (pq serah?)
''Angels dont cry...Angels dont cry...We are, we are!!'' kkkkkkkkk

Ver perfil do usuário

7 Capítulo 1 em Sab Set 29, 2012 4:45 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Capítulo 1 - Como se tornar um Anjo

– Eu não acredito que você fez isso de novo, Hedvig – ele disse com uma voz nada paternal comparada ao que ela sempre era. Na verdade era difícil você ficar com medo, afinal a aparência que ele havia escolhido para falar comigo era de um garotinho, mas eu sabia que não podia ficar aliviada em nenhum momento – Você tem ideia dos problemas que trás matando pessoas que não devem morrer?
– Olha, não foi minha culpa, eu apenas me confundi um pouco com as pessoas... E ele merecia morrer – eu disse tentando ser o mais racional possível, tentando mostrar que eu estava certa. O problema é que eu não podia enganá-lo, todos poderiam cair nas minhas mentiras, ele não.
– Ele não merecia morrer e você sabe muito bem disso, apenas fez o que pensava achar certo. Mas Hedvig, às vezes o que você pensar ser certo, não é. Tem que ter muito cuidado quando mexe com as pessoas dessa forma, pode mudar o curso dos acontecimentos.
Era impossível conversar com ele na forma de criança. Dessa vez ele escolhera um garoto japonês, com olhos bem oblíquos e pele de um tom amarelado brilhoso e cabelos bem pretos e lisos. Sua forma de falar que mostrava quem realmente era, afinal uma criança daquele tamanho nunca agiria daquela forma.
– Podemos conversar de outra forma? Por favor... afinal você é uma criança, é impossível... – eu disse já ficando desconfortável.
Ele sorriu e de repente, na minha frente, apareceu uma mulher loira, com olhos azuis do tamanho de uma bola de gude. Tinha um rosto redondo e angelical, mas travesso ao mesmo tempo, com o cabelo loiro preso em um rabo-de-cavalo mal feito, apenas segurado por uma caneta. Isso não ajudara em nada, ouça o que eu estou dizendo.
– Eu estava pensando em um cara barbudo, sabe? Com túnicas, e talvez gigantesco. Que pareça mais severo – eu disse engolindo seco.
– Para que piorar as coisas, quando elas já estão tão terríveis? – ele falou docemente. Ou ela. Não sei mais o que pensar – O problema é tentar concertar o que você fez, afinal tivemos que despachar o espírito para seu devido corpo antes que o enterrassem.
– Se eu fosse você, eu o teria mandado para o inferno. Ele trai a esposa! Você não viu? Ele bateu o carro e estava com a amante, ela morreu. Mas e ele? Você acha que um acidente vai fazê-lo mudar de vida? – eu disse quase pulando na mesa e agarrando ele/ela pela gola da camiseta. Precisava chacoalhá-lo, queria que ele visse que eu não fiz nada de errado.
– Hedvig, ele tinha que sobreviver para aprender. Você pensou na esposa dele e nos filhos? Eles ainda precisam dele por enquanto – ele disse pacientemente. Pelo menos ele não estava arrancando minha cabeça, era um começo.
– E a esposa quando descobrir que a mulher que estava com ele era sua amante? E os filhos sabendo que o pai era um mentiroso? – eu prossegui, afinal eu era teimosa.
– Isso tem a ver com eles ou com você, Hedvig? – ele/ela perguntou novamente, tentando me fazer filosofar. Ela apoiou seu rosto nas mãos, sorrindo abertamente com seus lábios rosados com gloss. Sim, Deus estava usando gloss. Podia ser estranho, mas ele não é homem. Nem mulher. Ele é tudo e nada ao mesmo tempo.
– Não tem nada a ver comigo, eu não estava pensando em mim quando eu fiz, eu juro.
– Não jure em vão – ele/ela disse levantando a sobrancelha – Diga a verdade Hedvig, não precisa esconder. Eu sei.
– Se sabe, eu não preciso dizer – eu disse aborrecida, balançando minha perna freneticamente. Sim, eu estava nervosa, ansiosa e tudo mais. Mas é claro que ele/ela queria ouvir de mim – Tudo bem... ah, eu queria cortar o mal pela raiz, tudo bem? Eu fiz isso por mim, por que eu sei como ela vai se sentir.
– Ela não vai explodir a casa igual a você, pode ficar calma.
Então ele/ela simplesmente riu. Riu de mim. Só por que sou uma mortal, ou pelo menos eu era, até tudo dar errado. Foi minha culpa, eu sei, não totalmente, mas o que vocês fariam no meu lugar? Eu simplesmente cheguei em casa, peguei meu namorado com outra mulher na cama e bem... explodi a casa.
Tudo bem, não foi bem assim. Eu fiquei com muita raiva, muita mesmo. Eu o amava tanto, mas tanto que chegava a doer e olha o que ele fez comigo? Então eu os tranquei no quarto e pensei em matar os dois ali mesmo, com gás de cozinha. Como visto, não saiu como o planejado e tudo explodiu. Eu morri. Ele morreu. E a amante também.
Imagine nós três no purgatório, sendo julgados para saber se deveríamos ir para o Céu ou ao Inferno. E sabe de uma coisa? Eu estava em pior situação, afinal eu matei duas pessoas e me matei, enquanto os dois apenas fizeram sexo enquanto a tonta aqui estava fora.
Claro que ele foi para o Céu, ele só fez um pequeno delito, trair. Afinal ele sempre fora bonzinho, ajudava as pessoas, só tinha bebido demais. A outra? Também conseguiu. Ela só estava loucamente apaixonada por ele e um pouco mais de bebida acendeu o pavio. Pronto, foram para o paraíso para ficarem juntos até a eternidade.
E eu? Inferno. Claro que eu esperneei, gritei e chorei. Isso era uma injustiça, eu tinha sofrido tanto! Mas é claro que minha lista não era das boas, afinal fui listada de: cruel, insensível, neurótica, louca varrida, descontrolada, sem juízo e por último, não menos importante, psicopata. Tudo bem, eu podia ser alguma dessas coisas, mas eu não era tão má assim.
Tudo bem que na escola eu batia nas pessoas mais fracas que eu e roubava seu lanche. E na faculdade, aquela vez que eu coloquei laxante na bebida de Sophia Lutz, foi puramente acidental, eu precisava sair do Campus e ela simplesmente não queria me deixar. Eu ia perder a festa do ano! E aquela vez que eu roubei o gabarito da Senhora Corrigan, foi por que eu realmente precisava de nota.
Então, depois de chorar todas as lágrimas que não chorei minha vida inteira, alegando que eu estava totalmente arrependida, Deus me deu uma segunda chance. Eu não ia para o paraíso, mas também não ia para o Inferno, eu iria ajudá-lo. Então tive que virar uma anja, algo nada a ver comigo, então depois de um logo ensinamento e aulas tão difíceis quanto as de Diplomacia na faculdade, eu virei uma Anja da Morte.
Sim, eu tinha que pegar os espíritos das pessoas que morriam e guiá-los para seus devidos lugares. E isso era chato. Você não tem ideia de quanta reclamação se ouve, todos ficam chorando, não entendendo por que tem que partir e mais um monte de baboseiras. E bem, eu não sou nada sentimental, então eu finjo que estou escutando calmamente e depois os levo a força. Muito mais fácil.
É claro que eu não me contento em levar apenas os espíritos que devem ir. Às vezes eu pego alguém que não merece estar vivo e tento levar para o Inferno, mas não funciona. Fui pega as três vezes que tentei fazer isso e eu estava vendo que quem ia para lá agora, seria eu. Não adiantava chorar rios de lágrimas, nem implorar perdão, muito menos se arrepender. Já fiz isso da primeira vez e nada funciona duas vezes da mesma forma.
Então, por isso eu estava aqui. Deus estava bravo comigo, por que peguei o espírito de um cara hipócrita e traidor como meu antigo amor e fui levá-lo ao seu devido lugar. O problema é que o cara não tinha morrido no acidente e eu fui pega bem quando estava quase o chutando para dentro do Inferno. E agora Deus acredita que eu faço essas coisas por causa dos meus problemas passados.
– Você tem que esquecer sua outra vida, Hedvig. Você tem outra aqui e pode recomeçar, mas está fazendo tudo errado de novo.
– É, eu sei... – eu disse suspirando e finalmente aceitando que eu estava errada, como sempre, sem novidades – Mas agora não dá mais, não é mesmo? Vai me mandar para o Inferno, me fazer sofrer por milênios até eu aprender a lição?
– Claro que não, não posso fazer isso com você – ele/ela disse parecendo estar se divertindo – Você não é má, apenas tem que aprender a ser boa.
– Então você vai me deixar continuar a ser uma Anja da Morte e finalmente, depois de eu mostrar muita responsabilidade, eu posso ir ao paraíso? – eu perguntei quase pulando da cadeira de felicidade.
– Não – ele disse me fazendo afundar novamente na cadeira de couro – Vamos mudar um pouco as coisas. Que tal eu te promover para Anjo da Guarda?
– Anjo da Guarda? – eu exclamei atônita – Eu tenho costume de mandar as pessoas para o Inferno e você quer que eu cuide de algum infeliz?
– Talvez você seja a solução. Vamos dizer que o Anjo da Guarda de uma pessoa está passando por um problema, o seu protegido anda muito triste. O Anjo vai tirar umas férias e você entra no lugar por curto tempo e vai tentar salvar aquele humano.
– E se eu não conseguir? – eu disse engolindo seco.
– Você vai saber – ele/ela disse rindo de uma maneira carinhosa. Mas isso apertou meu coração, se eu tiver um – Bem, Hedvig, boa sorte. E se esforce e tenha responsabilidade, você vai cuidar de um humano.
– Não sei nem cuidar de mim mesma!

Aviso:
Está fanfic não me pertence, mas tenho a autorização da autora (Dasty Sama) para postá-la no Tokio Hotel Fanfictions.

Ver perfil do usuário

8 Re: Angels Don't Cry em Sab Set 29, 2012 5:17 pm

Essa fic me marcou de primeira guria!!!!!! Não estou lembrada mas tenho a impressão de já ter lido essa fic. Enfim, leio de novo, quantas vezes forem preciso.Hedvig é bem rebelde, mas espera ela encontrar o "humano" de quem ela vai ser o anjo kkkkkkkk.
Adoreei, como eu já disse adoro fic espirita!

Continuaaaa rápido...

Ver perfil do usuário

9 Re: Angels Don't Cry em Sab Set 29, 2012 5:57 pm

Ahhhh já tinha lido essa fic e vou acompanhar de novo aqui ^^
Linda linda essa fic. Amei <333
poste ^^

Ver perfil do usuário

10 Re: Angels Don't Cry em Sab Set 29, 2012 9:33 pm

Anny V.

avatar
Moderadora
Pelo jeito eu fui a unica que não li essa fic ainda.
Deus usando gloss me fez rir, sério.

Sacanagem ela ter ido pro inferno, enquanto o namorado e amante foram pro céu.Evil or Very Mad

To adorando. Continua.

Ver perfil do usuário http://h-u-m-a-n-o-i-d.tumblr.com/

11 Re: Angels Don't Cry em Sab Set 29, 2012 10:07 pm

Ai, o primeiro capítulo.....

Tão legal!!!Hedvig é uma louca (como eu) e matou o traidor do namorado dela (como eu faria Twisted Evil Sou mal)....Amei demais o modo como Deus conversa com ela e o quanto ela tem um humor negro do caramba (igual o meu)

Enfim, continua postando essa maravilha!!!

Ver perfil do usuário

12 Capítulo 2 em Seg Out 01, 2012 2:25 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Capítulo 2 - Seja Calma com seu Protegido


Tudo bem, segundo a carta que eu recebi de Deus, o meu protegido estava nos Estados Unidos nesse exato momento. Segundo algumas informações ele anda estressado e não vê graça em mais nada na vida, apesar de ele ter tudo em suas mãos. E ele vai ser capaz de me ver. OK. Será que estou apresentável?
O que estou dizendo, afinal? Eu estou com essa mesma roupa desde que eu morri, não sou nem um pouco o exemplo de anjo puro e celestial. Quero dizer, estou usando botas de salto alto, até o joelho, saia plissada e curta, uma camiseta de seda escrita “Crashdïet, I’m your Queen Obscene 69 Shots” e uma jaqueta de couro. Pareço que saí do reformatório e não do lado de Deus. Espero que o coitado não se assuste.
Eu estava parada na frente de um hotel, pelo visto ele estava hospedado lá, e o lugar era chique! Será que ninguém me avisou que o cara era rico? Que pena eu estar morta nessas horas! Tudo bem, Hedvig se concentre, você vai apenas levá-lo ao caminho certo e não acabar com a vida inteira do pobre mortal. Você é uma Anja da Guarda responsável e um dia, depois de muito custo, vai ir para o paraíso. E vai ser graças a esse cara.
Atravessei a porta de entrada e olhei para o Hall lotado de gente, pessoas iam e vinham sem ao menos notar minha presença. É claro que havia uma ou outra que olhava em minha direção, como se sentisse minha presença. Humanos são tão sensíveis a esse tipo de coisa, às vezes era divertido brincar com eles e ver como eles ficam com tanto medo!
Olhei para cima e tentei sentir a presença do meu protegido, afinal já estávamos conectados. Ele estava bem lá no alto, eu podia senti-lo. O problema é que eu estava nervosa, como eu devia me apresentar? Se ele acreditar em mim primeiro. Afinal nenhum anjo veio explicar para ele o que estava acontecendo, eu que teria que explicar tudo.
Respirei fundo – algo bem incomum, afinal eu estava morta, mas como você está tão acostumado a respirar, não respirar que é algo estranho – e comecei a voar, atravessando todos aqueles andares em direção ao meu objetivo. Passei por diversas pessoas e evitei olhar, afinal eu podia ver coisas que Anjos não podiam ver. Um Hotel pode ter de tudo!
E lá na cobertura, na laje do local, estava ele. Sentado na frente da porta de vidro, com um casaco de lã preto em volta de seu corpo, afinal devia estar frio, eram sete horas da noite e tudo já estava ficando escuro. Notei que havia uma luz em sua boca e fumaça, ele estava fumando, soltava grandes nuvens de fumaças que sumiam como se fosse algo enigmático. Do seu lado havia várias latas de RedBull, pelo visto, ele não vai dormir essa noite.
Mas não foi isso que me chamou atenção. O cara era diferente. Ele não era um executivo rico e chato como eu estava pensando. Ele devia ter minha idade – minha idade fixa, afinal eu morri e tenho a mesma idade de sempre – ou ser um pouco mais velho que eu. Seu cabelo muito preto estava levantando em um moicano imenso e ele vestia uma bota com um salto enorme.
Fui me aproximando cautelosamente, e olhando para sua face. Por um momento, eu jurei que poderia ser uma garota, mas decididamente era um garoto. E ele tinha um rosto tão bonito! Seu rosto era simétrico e magro, com traços delicados e um nariz reto e perfeito, como se o cirurgião que fez aquilo fosse... Deus. Sinceramente, pelo visto o cara lá de cima havia feito uma obra de arte naquele cara, ele podia ser excêntrico e bizarro, mas até eu estava ficando com inveja dele.
Agora o que eu ia fazer? Simplesmente aparecer e jogar toda a verdade nele? Eu teria que começar de alguma forma, mas não faço ideia de como. Será que eu deveria tirar o cigarro da boca dele, quero dizer, até eu que sou uma perdida da vida sei que aquele troço é ruim. A vez que eu fumei, fiquei uma semana tossindo, senti como se tivesse comido um quilo de carvão.
Respirei fundo, novamente e caminhei até ele com cuidado. Mas pelo visto não deu certo. Eu pisei em uma das latinhas de RedBull e caí com tudo no chão, afinal bota de salto alto e fino não combina com latinhas de energético. Agora me explique, como que uma pessoa morta, promovida a Anjo, que tem que fazer uma grande aparição para o seu protegido, escorrega em uma latinha e cai? Eu não sei. Só sei que não senti nada, mas que foi um estrondo foi.
– AHHHHHH! – ele gritou dando um pulo e caindo de lado para olhar e ver o que estava acontecendo – Que porra é essa?
– Droga! – eu exclamei me sentando e vendo se estava tudo bem comigo. Mas claro que iria estar, anta, estou morta, nada de ferimentos – Desculpe pelo transtorno, pelo visto deu errado!
– Quem é você e o que está fazendo aqui? – ele disse se levantando, ele devia ter quase dois metros de altura, isso foi intimidante.
– Eu sou Hedvig – eu disse me levantando e tomando cuidado para não tropeçar em outra latinha – Ah, eu devo ter caído por que você tocou nas latinhas... que interessante!
– Vou chamar os seguranças – ele disse secamente, me ameaçando – Você não pode entrar aqui.
– Na verdade, tecnicamente eu posso. E se você chamar seus seguranças, eles vão te levar para um hospício, afinal eles não vão conseguir me ver – eu disse tentando falar da maneira mais sutil possível.
– Ou você sai por bem, ou vai sair por mal – ele disse realmente bravo. O que havia de errado com aquele garoto? Pelo visto eu teria um longo trabalho.
– Por favor, me ouça, não sou louca nem nada. Apenas me escute e tente acreditar! Ah, isso vai me causar problemas, já estou vendo! Como eu disse, sou Hedvig e... bem... sou sua anja da guarda por um tempo enquanto o seu vai tirar férias.
É claro que não foi o efeito que eu consegui. Ele arregalou os olhos e piscou várias vezes, atônito, então sua expressão voltou a ficar obscura novamente. Simplesmente, ele me deu as costas e abriu a porta de vidro da cobertura e começou a descer as escadas para um quarto incrivelmente luxuoso.
– Seguranças! – ele gritava – Seguranças!
– Não, por favor! – eu disse descendo a escada em seus encalços – Acredite em mim, eu posso provar para você! Não sou louca e não vou te ferir, eu prometo!
Ele finalmente parou de gritar e se virou para mim, talvez me dando apenas uma única chance para provar a ele que eu não era maluca. Bem, ele ia se surpreender quando descobrisse e espero que haja de uma forma menos rude também. Estou vendo que nossos gênios juntos não vão combinar.
– Dê um tapa em mim – eu disse calmamente – Sua mão vai atravessar meu rosto, afinal não somos do mesmo tipo de matéria.
O cara nem esperou eu terminar e lascou um tapa em mim. E absurdamente, a mão dele não me atravessou, acertou meu rosto firmemente, praticamente virando meu rosto totalmente para o lado. E doeu. Nem me lembrava da última vez que senti dor, parecia algo cruel, mas foi como de repente acordar. Mas o maldito, mesmo não acreditando nas minhas palavras, colocou força na mão! Como ele pode fazer isso?
– Você não é um anjo – ele disse com uma calma, mas parecendo que ia explodir a qualquer momento – Você é uma louca varrida e vou chamar os seguranças.
– Ah, não vai – eu disse com raiva, lascando um tapa igualmente forte no rosto dele – Isso é pelo o que você fez, imbecil!
– Mas... o que? – ele exclamou massageando o rosto vermelho e me olhando pasmado – Você pediu pelo tapa, falou que ia atravessar! Não foi a minha culpa.
– Você sabia que não ia atravessar, devia ter batido com menos força sua macumba de galinha! – eu disse tentando manter um porte maior que o dele, mas era impossível, ele devia ter quase uns trinta centímetros a mais que eu, graças aquele maldito cabelo.
– Macumba de galinha? – ele pronunciou aquilo lentamente como se fosse absorvendo cada palavra. Ele estava com raiva – E você com essa roupa? Parece que veio de um bordel reformatório.
– Repita isso, idiota! – eu disse quase avançando nele. Ah, ele não ia tentar parecer mais alto que eu! – Quer uma briga real de xingamentos? Ah, você vai ter!
De repente ele olhou para mim pasmado, deu uns passos para trás e abriu a boca. Então percebi que eu não estava mais no chão, eu estava voando, bem mais alta do que ele. Ah, claro, por que não pensei nisso antes? Eu podia ter voado, atravessado paredes, mas não, tive que pedir um tapa. Mal cheguei e já estou causando confusão.
– Meu Deus! – ele exclamou – Você voa!
– Bem... é. Vamos começar tudo de novo, ok? Meu nome é Hedvig e sou sua Anja da Guarda. E por favor, não fale mais que vim de um bordel reformatório que eu não te chamo de galinha de macumba, entendido?

Aviso: Está fanfic não me pertence, mas tenho a autorização da autora (Dasty Sama) para postá-la no Tokio Hotel Fanfictions.

~~~~~~~~~~xxxx~~~~~~~~~~

Essa fic é realmente linda meninas, espero que aproveitem a releitura!
E Anny, tu pode ler agora! E pode ter certeza que vai adorar essa fic! Laughing

Ver perfil do usuário

13 Re: Angels Don't Cry em Seg Out 01, 2012 3:38 pm

Esse encontro é hilário!!!
Tão bom ler isso denovo....*0*

Melhor foi a bofetada do Bill.....kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Muito bom!!!

Brigas e mais brigas.....Esses dois são uns fofos nessa fic!!!Amo demais....

A melhor fic forever, and ever, and ever, forevermente forever!!!

Continue, Kárita!

Ver perfil do usuário

14 Re: Angels Don't Cry em Seg Out 01, 2012 7:09 pm

ôôô encontro bom esse kkkkkkkkkkk
Eles se merecem desde o primeiro momento!
Galinha de macumba???????kkkkkkkkkkkkk morri.
(Se bem que tem umas roupas do Bill que realmente parecem uma verdadeira galinha de macumba mesmo Razz)
Continuaaaaaaaaa

Ver perfil do usuário

15 Re: Angels Don't Cry em Ter Out 02, 2012 8:37 pm

Anny V.

avatar
Moderadora
Galinha de macumba? kkkkkk
Já ouvi o Bill ser chamado de varias coisas, mas Galinha de macumba, é a primeira vez.
Logo veio na minha cabeça ele vestido com a roupa do desfile da Dsquared2 Laughing

Os dois se estapeando foi o melhor!

Continua. (Adorei o seu nome, Kátira. É diferente.)

Ver perfil do usuário http://h-u-m-a-n-o-i-d.tumblr.com/

16 Re: Angels Don't Cry em Ter Out 02, 2012 9:03 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
As brigas da Hedvig com o Bill são ilárias, os apelidinhos "carinhosos" melhor ainda!
Sim Anny, também lembrei dessa roupa! Razz

P.S.: Obrigada, eu também gosto do meu nome! (Mas é Kárita) Rolling Eyes
P.S.²: Amanhã sai o próximo capitulo!

Ver perfil do usuário

17 Re: Angels Don't Cry em Ter Out 02, 2012 9:18 pm

KKKKKKKKKKKKKKK Esse encontro dos dois realmente é hilario Razz
continuaa

Ver perfil do usuário

18 Capítulo 3 em Qua Out 03, 2012 1:50 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Capítulo 3 - Não conte sobre sua vida


– Isso não pode ser verdade – ele disse engolindo seco enquanto eu ainda estava voando – Esse tipo de coisa não existe...
– Bem, existe, sabe. Tudo bem, quando eu era viva também não acreditava muito nisso, mas aqui estou. Então se você tiver boa cabeça, não vai cometer os mesmos erros que eu – eu disse procurando o papel sobre ele que estava no bolso interno da minha jaqueta de couro – Hum... seu nome é... Bill Kalitz?
– Kaulitz – ele disse corrigindo e ainda olhando atônito para mim como se eu fosse uma espécie de um monstro.
– Ah, é que a letra de Deus não é muito boa sabe? Aquele ditado sobre Deus escrever certo por linhas tortas, devia ser Deus escreve torto por linhas certas. Mas talvez o que vale mesmo é o significado desse provérbio.
– Ainda não consigo acreditar.
– Posso atravessar paredes? Quer ver? – eu disse nem esperando ele falar. Apenas voei para baixo e atravessei o chão, indo para o andar de baixo.
Tudo bem, isso foi uma má ideia. Primeiramente por que eu estava em um quarto de alguém que eu não conhecia. Segundo, por que... bem... eles estavam na cama. Não preciso entrar em detalhes, não é mesmo? Voei rapidamente para cima antes que Deus me mandasse para o Inferno ali mesmo.
– Caramba! – eu exclamei voltando vermelha – Os caras lá de baixo estão botando para quebrar!
– Ah, é o Tom, ele só sabe fazer isso – Bill disse ficando vermelho também – É meu irmão, não ligue para ele.
– Isso não vem ao caso agora, o porquê de eu estar aqui é que... – eu comecei, mas peguei a carta novamente e dei outra lida – É... você anda triste, decepcionado com a vida e as vezes pensa em desistir de tudo. Então em vim aqui para te ajudar.
– Como uma fada madrinha? – ele perguntou com os olhos brilhando de repente.
– Não, você está vendo brilhos? Asas azuis brilhante? Coroa? Então, eu sou apenas um anjo, não sei realizar desejos. Mas posso te ajudar de alguma forma, eu sei que posso.
Pelo menos eu espero que eu consiga. Quero dizer, primeiro teria que saber o que ele precisa para acabar com essas mágoas e depois tentar resolver o problema o mais rápido possível. Minha vida – ou será morte? – depende da vida dele. Espero que formemos uma boa dupla, se não teremos mais problemas do que se imagina.
– Agora me diga por que anda tão triste? – eu disse indo até a cama dele e me sentando, afinal ficar voando cansa. Ou simplesmente sentar fosse um capricho de quando se é vivo e ainda fica mesmo depois que você morre.
– Não ando triste – ele disse se sentando em uma poltrona, pelo visto estava mais calmo. Talvez por que ele soubesse que agora tinha uma aliada, então a chama da esperança tinha acendido em seu interior – É só que... as coisas não estão totalmente como eu queria.
– E como você queria? – eu prossegui apoiando minha cabeça em minhas mãos, que por sua vez estavam com o cotovelo em minhas pernas – Afinal você tem tudo! Olha esse hotel, sabe quantas vezes eu fui a um lugar desses enquanto eu estive viva? Nenhuma.
– Eu queria encontrar um amor – ele disse simplesmente. Por um momento eu jurei que ele iria falar algo relacionado a dinheiro ou como precisava viajar para o campo para pensar. Mas ele estava falando de amor? – Eu posso ter tudo, fama, dinheiro e luxo... mas não tenho ninguém.
– Então sinto em lhe dizer, escolheram a pessoa errada para te ajudar. Em matéria de amor eu sou péssima, você não tem ideia de como era minha vida antes de morrer, nunca tive sorte nessa questão. Por exemplo, quando eu tinha dez anos e me apaixonei por Patrick Arbman, decidi dar um sorvete para ele para tentar conquistá-lo e ele o jogou na minha cara.
– Ah, você era criança – ele disse piscando várias vezes, talvez tentando me consolar em vez de eu estar fazendo esse trabalho – Tenho certeza que não foi tão ruim assim.
– Ah, foi, pode ter certeza. E quando eu tinha quatorze anos e me apaixonei por Lars Enckell da escola próxima a minha. No dia do jogo entre nossas escolas que fui tentar me aproximar dele, o peguei no vestiário quase tirando as roupas de Nicole Knutsen, minha melhor amiga!
– Uou – ele disse fazendo a mesma cara de quando eu dera um tapa nele. Quando digo que as pessoas não acreditam que o amor me detesta, elas ficam impressionadas quando conto tudo que me aconteceu – Foi decepcionante, não é?
– Basicamente foi. Quero dizer, eu roubei a roupa dele depois e amarrei no mastro do colégio junto com sua roupa debaixo. E com Patrick, eu simplesmente o empurrei do escorregador depois. Então, eu tive minha vingança, tanto que foi ela que me matou.
– Como assim?
– Sabe como é pegar seu namorado na cama com a loira oxigenada da sala 203 da classe de Relações Públicas? Então, esse foi meu “ótimo” dezoito anos, saber que meu grande amor me traía com aquela vadia! Claro que eu precisava me vingar e... bem... eu queria matá-lo, sabe como é. Então usei gás de cozinha, mas o fogão acabou explodindo e todos nós morremos.
Acho que eu precisava calar minha boca, por que a expressão dele mudou para assustada de repente, afinal ele devia pensar que sua anja, na verdade está mais para demônio. Eu precisava saber da vida dele, não da minha, afinal todos os anjos já sabem sobre como sou terrível, imagine se o pessoal vivo também souber.
– Mas não sou má, afinal me arrependi – eu disse tentando concertar o que eu falava – Vou ajudar você, mesmo que eu não seja boa com esse tipo de coisa, eu posso aprender. Vamos encontrar uma boa namorada, afinal você tem grana é com isso que todas garotas sonham.
– Não quero uma interesseira – ele disse bravo – Se for para me amar pelo dinheiro, prefiro não ser amado.
– Já está querendo demais, não é?
– Você não me conhece, oras – ele disse parecendo ultrajado com a maneira que eu falava, talvez ele estava esperando ser tratado de forma mais carinhosa, infelizmente sou péssima com sentimentos – Não sabe como é ter milhões de garotas me amando, mas nenhuma me conhecendo de verdade.
– Caramba, quem é você afinal? Ou você está exagerando? – eu disse pasmada.
– Sou vocalista de uma banda chamada Tokio Hotel – ele disse simplesmente.
Ah, claro! Bandas! Eu tinha a minha favorita quando vivia na Suécia, ela se chamava Crashdïet, ele tinha um estilo de rock antigo, mas era uma banda atual. Eu era louca por eles e sempre que havia show, eu estava lá. Então posso entendê-lo de certa forma, afinal, garotos que tem uma banda sempre têm várias garotas atrás.
– Então me deixe ver se eu entendi. Você é o vocalista de uma banda famosa, rico, que se veste com Dior... falando nisso adorei sua calça, voltando ao assunto, que quer uma namorada que não tenha interesse no seu dinheiro e que te ame pelo o que você é e não pelo o que você tem?
– Sim, isso mesmo.
– Tudo bem, as coisas complicaram mil vezes agora, mas vou dar um jeito. É só nós sairmos pela cidade procurando alguma, deve ter alguma garota boa o suficiente.
– Eu também tenho que gostar dela – ele disse como se isso fosse crucial e de certa forma era. Pelo visto esse garoto valorizava demais os sentimentos. Por que afinal me escolheram para guiá-lo? – Sabe? Quando você olha para uma pessoa e sabe que é ela?
Seus olhos acastanhados brilharam quando ele disse isso e um arrepio passou por mim. Eu sabia o que ele queria dizer, já havia sentido isso quando eu tinha entrado na faculdade de Diplomacia. Era a primeira semana de aula e eu não tinha quase nenhum amigo, então fui sozinha para um restaurante almoçar, estava cheio de pessoas e foi um sufoco para achar uma mesa. Foi quando ele entrou, alto, forte, atlético, vestindo uma camiseta Calvin Klein azul claro que combinava perfeitamente com a cor dos seus olhos.
Ele era da mesma faculdade que eu, mas era da classe de Advocacia e tinha o cheiro de colônia mais gostoso que eu já tinha sentido. Meu coração quase saiu pela minha garganta e não parou de bater nenhum segundo quando ele se sentou comigo por que não tinha mais mesas. Foi assim que tudo começou e logo acabou.
– É, eu sei – eu disse engolindo seco, sentindo aquele gosto amargo de derrota na garganta – O ruim é saber se a pessoa sentiu o mesmo por você. Às vezes não é recíproco ou talvez não seja tão importante para ela, quanto é para você.
– Por isso que nunca encontrei ninguém, é importante para mim – ele disse abaixando seu olhar para o chão, o senti ficar obscurecido novamente. Eu não queria que meu protegido se sentisse assim.
Eu teria que fazer algo. Ah, eu tenho! Pena que sou Hedvig, e não um cupido. O destino sempre é cruel. Comigo então, é maldade pura.

Aviso: Está fanfic não me pertence, mas tenho a autorização da autora (Dasty Sama) para postá-la no Tokio Hotel Fanfictions.

Ver perfil do usuário

19 Re: Angels Don't Cry em Qua Out 03, 2012 9:09 pm

Anny V.

avatar
Moderadora
Lembra aquela pedra que eu falei que ia me esconder de baixo ontem, por ter feito uma piada idiota, Samantha? Vou aproveitar e me enfiar de baixo dela por ter errado seu nome Embarassed
Eu escrevi certo da primeira vez, só que minha internet caiu na hora que tava carregando e apagou tudo o que eu tinha escrito, e tive que escrever de novo, dai saiu esse nome ai... Foi mal.

Mas enfim, fiquei com dó da Hedvig, ela só se ferrou em vida com os garotos.
É uma pena que ela não tenha conseguido se dar bem pelo menos com um.
Até na hora da morte ela estava sendo traída! Tadinha Neutral

Eu quero ver o que ela vai arrumar pro Bill.
Continua.

Ver perfil do usuário http://h-u-m-a-n-o-i-d.tumblr.com/

20 Re: Angels Don't Cry em Qua Out 03, 2012 9:13 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Huhauahuahau Sem problemas...
O único problema foi eu te imaginando se escondendo debaixo de uma pedra

Éh, a Hedvig é bem azarenta e toda nervosinha! Razz

Ver perfil do usuário

21 Re: Angels Don't Cry em Qua Out 03, 2012 10:06 pm

Hahahahaha, ótimo cap!
Adorei a ironia dela quando falou que não era fada madrinha dele.
Esses dois se merecem. É assim que começa, com uma implicanciazinha básica kkkkkkkkkk. E o Bill ta pedindo de mais, não? Como ele acha que vai achar uma certa dentre milhões Razz

Continuaaaaa

Ver perfil do usuário

22 Re: Angels Don't Cry em Qua Out 03, 2012 10:22 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Eu não iria comentar nada por enquanto... mas depois desse teu comentário Paloma, tu me deixou triste!
Se o Bill não achar a guria certa, que chances terei eu, uma reles mortal, de achar o cara certo?!

Ver perfil do usuário

23 Re: Angels Don't Cry em Qui Out 04, 2012 12:05 pm



Nunca me esqueço da cena que ela vê o Tom com uma guria na cama!!!kkkkkkkkkkkkk
Quem mandou xeretar o andar de baixo???

Adoro o jeito realista que Hedvig vê as coisas, realmente vai ser milhões de vezes mais dificil achar uma namorada pro Bill que não se interesse pelo dinheiro dele....

Continua.........

Ver perfil do usuário

24 Re: Angels Don't Cry em Qui Out 04, 2012 4:43 pm

Káritaaaaaaa mein liebe, não fica assim. ÁS vezes eu fico revoltz por causa do exagero no romantismo do Bill e aí falo essas coisa kkkkkkkkkk. É claro que o Bill vai namorar um dia, quem sabe no dia de São Nunca, brincadeiraaa Razz
É que ele é chato com esse papo de amor verdadeiro aí me canso Razz Mas tu vai achar ele , ele vai te achar e vocês vão ter cinco filhos kkkkkkkkkkkk
Melhor eu parar de escrever.

Continuaaa a fic \o/

Ver perfil do usuário

25 Re: Angels Don't Cry em Qui Out 04, 2012 4:58 pm

Sam McHoffen

avatar
Administradora
Tava tudo lindo, até os cinco filhos! Nem, obrigado!

Eu adoro o romantismo do Bill, espero sinceramente que exista homens como ele... mas as vezes acho que não!
O Bill é impossível pra mim, mas um cara gente boa e romantico cairia bem do meu lado! Razz

Ver perfil do usuário

Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 4]

Ir à página : 1, 2, 3, 4  Seguinte

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum