Tokio Hotel Fanfictions
Hello Alien!

Seja bem-vindo ao Fórum dedicado somente a Fanfictions dos Tokio Hotel.

Não estás conectado, por isso faz login ou regista-te!

Estamos à tua espera. Aproveita ao máximo o fórum ;-)

Destinado a Fanfics sobre a banda Tokio Hotel. Os leitores poderão expor as suas fics como também poderão somente ler.


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Thoughts

Ir em baixo  Mensagem [Página 1 de 1]

1 Thoughts em Seg Maio 20, 2013 2:46 pm

Oi gente bonita, quem é vivo sempre aparece ^^ passando só pra compartilhar esse texto com vocês, escrevi a pouco e achei que seria legal postar. Espero que gostem! Está um tanto sem sentido eu acho, mas é isso ai kkk Ah e claro que sempre tem uma musica que me ajuda a escrever e dessa vez não foi diferente então se quiserem ouvir "Time That Remains" do Three Days Grace.... aqui o link: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]



Capitulo único



Acordou de seu sonho ruim, aquela noite prometia não ser a mais tranquila que poderia ter em muito tempo, mas que engraçado ela não havia sonhado, afinal não havia pregado os olhos desde que tinha se deitado naquele sábado, não havia sonho algum, eram seus pensamentos e sua cabeça cansada, cheia de caraminholas que não a deixavam dormir sossegadamente.

Levantou-se preguiçosa e olhando o rádio-relógio que marcava quatro da manhã rumou até o banheiro, pais e irmão dormindo em seus respectivos quartos, ela acende a luz do banheiro torcendo para que não derrubasse nada de cima da pia que denunciasse seus sonambulismo e assim o seu desastre em derrubar tudo o que podia e tinha a oportunidade. Riu de seu pensamento perguntado-se se havia alguém mais desastrada do que ela, mas agora permitiu-se olhar seu reflexo no espelho a sua frente, incrível como suas olheiras estavam bem mais perceptíveis, mas como poderia já não tinha uma boa noite de sono desde... desde... ela já nem mais se lembrava.

Suspirou pesada e baixando a tampa do vaso sentou-se com suas pernas encolhidas e cabeça encostada na parede, e ali viajou para o mais longe de seus pensamentos e devaneios, começou perguntando-se como havia chegado ali? Em que momento perdeu o controle de sua própria vida, ela era tão jovem e seu coração tão velho, tipico não? Afinal o que haveria de fazer se já não existia animo e muito menos aquela alegria de viver. Se matar? Não isso nem passava por sua cabeça, jamais gostou de sentir dor, isso seria tolice e ao mesmo tempo muito fácil. Riu de novo desse pensamento, o que foi mesmo que pensou? Ah sim "jamais gostou de sentir dor" mas que ironia era essa? Dor? Física não, mas emocional essa já fazia parte de seus dias, mas nada que fizesse com que uma vez ou outra uma gargalhada sincera e gostosa escapasse de sua boca calada, ela não reclamava de solidão, estava sempre com amigos e familiares, era na medida do possível uma garota sociável, mas ela precisava de vez em quando aconchegar-se em seu próprio mundo, em seu próprio eu. Ali ninguém a encontraria, afinal nem ela mesma se encontrava, confusa sempre fora desde muito pequena, mas ela não cresceu muito se quer saber, mas não falaremos de sua altura ela não gosta muito.

Seus pés já estavam frios em contato com o piso gelado, era inverno sua estação preferida e por vezes acordava no meio da noite, abria devagar a porta da cozinha e ficava horas no frio da madrugada, claro que na manha seguinte isso resultava em um resfriado, mas não se importava pelo menos não enquanto seu pai não descobria e vinha com os mais derivados chás de alho e limão, e ela com sua careta e drama de sempre implorando para que não lhe desse tal liquido indigesto, mas que depois de muita luta acabava tomando e depois agradecia seu pai no momento em que voltava a sentir o aroma da comida caseira de sua mãe. Ela relembrava e sorria ao mesmo tempo em que essas boas lembranças lhe tomavam tempo e assim podia se fortificar para enfrentar tudo o que fosse ruim e a fizesse sofrer.

Pensar era uma das coisas que mais fazia e pensava e pensava até que sua cabeça doesse, se perdia em suas fantasias, criava historias impossíveis, criava finais felizes tudo isso em um universo dentro de si, onde tudo era possível e onde ela não era infeliz, onde suas dores não passavam de cocegas na sola do pé, permitia-se rir, gargalhar e pra que tudo isso? Ela não sabia responder, mas esse era seu vicio esse mundo de possibilidades fáceis e ela não se importava os que pensassem o contrario, afinal "o mundo é meu" era o que ela dizia, mas ela sabia que um dia acabaria se afogando dentro de si e isso não demoraria assim que perdesse o controle desse seu mundinho cor-de-rosa. Tantas coisas a fazer e sem saber por onde começar, mas ela era brilhante e então passava seus dias de tormenta ajudando os que precisassem, e quando já não aguentava corria o mais rápido que podia para seu mundo, de uma coisa ela sabia, não importava quantos problemas e quanto desafios ela tivesse que enfrentar sozinha, se pudesse ajudar aquele que não conseguia se encontrar, seria um caminho percorrido para ela mesma se encontrar.

Levantou-se do chão frio e voltou para seu quarto, deitou em sua cama e assim que se aqueceu, adormeceu e naquela noite sonhou um sonho tranquilo, mas ela não se lembraria desse sonho, raramente se lembrava deles, mas isso não era importante e sim aquela vontade estranha e tão esperada de viver que a tomou quando acordou na manha seguinte por que viver valia a pena, ela valia a pena.








Última edição por Raafa_22 em Qua Maio 22, 2013 9:47 am, editado 1 vez(es)

Ver perfil do usuário http://humanoidplanets.blogspot.com.br/

2 Re: Thoughts em Ter Maio 21, 2013 10:50 am



Wow, Parabéns!!!

Conseguiu me traduzir em um parágrafo. Achei bem profundo e me identifiquei bastante com isso, sem falar do modo de escrita que está impecável (queria poder escrever assim kkkkkkkkk)
To tão tocada com esse texto que só vou te parabenizar, se não eu vou ficar falando e falando... Razz

Aaah, eu sou obrigada a dar quote nesse parágrafo:

Pensar era uma das coisas que mais fazia e pensava e pensava até que sua cabeça doesse, se perdia em suas fantasias, criava historias impossiveis, criava finais felizes tudo isso em um universo dentro de si, onde tudo era possivel e onde ela não era infeliz, onde suas dores não passavam de cocegas na sola do pé, permitia-se rir, gargalhar e pra que tudo isso? Ela não sabia responder, mas esse era seu vicio esse mundo de possibilidades faceis e ela não se importava os que pensassem o contrario, afinal "o mundo é meu" era o que ela dizia, mas ela sabia que um dia acabaria se afogando dentro de si e isso não demoraria assim que perdesse o controle desse seu mundinho cor-de-rosa. Tantas coisas a fazer e sem saber por onde começar, mas ela era brilhante e então passava seus dias de tormenta ajudando os que precisassem, e quando já não aguentava corria o mais rápido que podia para seu mundo, de uma coisa ela sabia, não importava quantos problemas e quanto desafios ela tivesse que enfrentar sozinha, se pudesse ajudar aquele que não conseguia se encontrar, seria um caminho percorrido para se ela mesma se encontrar.

Me traduziu, mulher kkkkkkkk...

Parabéns, Rafa

Ver perfil do usuário

3 Re: Thoughts em Ter Jul 02, 2013 5:47 pm

Depois de décadas, eu resolvo ler e comentar!!!Essa faculdade tá acabando comigo... x.x

 

Caramba!!Me identifiquei.......Sério!!
Já fiz muito isso....Acordar do nada e ficar com esses pensamentos psicodélicos e meio confusos....EEEE, adorei tua escrita!!!  

Ver perfil do usuário

Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo  Mensagem [Página 1 de 1]

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum