Tokio Hotel Fanfictions
Hello Alien!

Seja bem-vindo ao Fórum dedicado somente a Fanfictions dos Tokio Hotel.

Não estás conectado, por isso faz login ou regista-te!

Estamos à tua espera. Aproveita ao máximo o fórum ;-)

Destinado a Fanfics sobre a banda Tokio Hotel. Os leitores poderão expor as suas fics como também poderão somente ler.


Você não está conectado. Conecte-se ou registre-se

Broken Heart

Ir à página : Anterior  1, 2

Ir em baixo  Mensagem [Página 2 de 2]

26 Capítulo 24 em Ter Fev 26, 2013 5:07 am

POV Gabi on



– Ei calma! Eu só não esperava por isso! – Disse sorrindo.



– Você ficou chateada comigo? – ele disse curioso.



– Chateada? Porque? Só fiquei surpreendida! Mas foi um pouco estranho, você tem um estilo diferente, gosta de ficar com várias garotas! Eu queria saber o porquê!? O motivo, mais nada! – Disse curiosa.



– Ah, o motivo, ele não vai contar! Mas nós já sabemos! –Disse o Bill animado.



– Não vai contar!? Mas porque, não mordo, não! Vou ter que te jogar numa piscina gelada para você me contar!? – Disse gargalhando.



– Não, aqui está muito frio! Eu preferia que conversásemos em particular! Pode ser!? – ele disse sério.



Que estranho! Ele não é o Tom que eu conheço! Ele é brincalhão, nunca fica sério que essas coisas, e agora ficou super sério comigo, até fiquei envergonhada.



– Tudo bem! Vamos? – Disse calmamente.



– Vamos! – ele pegou na minha mão com delicadeza e me puxou.



Fomos para o quarto dele, entramos e fomos para a sacada para conversar.



– Eu quero que você saiba que aquele beijo não foi com as mesmas intensões que faço com todas. Você é minha amiga e eu gosto muito de você. Não quero te perder de jeito nenhum, nem consigo só suportar a idéia! – Disse nervoso.



– Ah, Tom sem problemas! Mas afinal, porquê o beijo!? E porque você anda bebendo tanto? Porque anda nessa vida louca? – Disse preocupada com ele.



– Eu queria tanto te falar uma coisa, mas não tenho coragem! – ele disse nervoso.



– Oh, meu querido! Não fica com vergonha de mim, você sabe que pode falar qualquer coisa! Eu quero muito te ajudare! Eu quero tanto que você fique bem! – Disse fazendo uma carícia no rosto dele.



A neve começou a cair sobre nós, parecia quase mágica.



– Eu vou falar! Eu gosto de você. Pronto, já falei!! – ele disse e desviou o olhar.



– Mas eu sei disso. Eu também gosto de você. – Disse sem entender, confusa.



– Você não está entendendo, Gabi! Eu não tôo falando, desse tipo de sentimentos! Eu te amo muito! Não consigo mais viver sem você, estou loucamente apaixonado por você. Eu nunca senti nada tão forte por ninguém. Acredita em mim, por favor!. – Disse vermelho de vergomha.



Parecia uma bomba que tinha explodido em cima de mim. Agora tudo fazia sentido. A vida louca, a tristeza e agustia dele quando me abraçou. Deus como não percebi antes? Eu também gostava e muito dele e também já não conseguia lutar mais, nem estar mais longe dele. Mas será que ele tinha certezao do que estava sentindo por mim ou eu seria mais uma aventura?



– Fala qualquer coisa, não me deixa assim! Eu não aguento não saber o que você pensa. Estraguei tudo, né? Eu sabia! Eu deveria ter ficado calado! – Disse triste batendo com a mão na parede.



– Calma! Então aqueles presentes eram seus e os bilhetes também! – Disse sorrindo.



– Sim, mas…- nem deixei ele acabar a frase, e roubei um beijo apaixonado e completamente louco de amor. Até que nos sepraramos.



– Eu...acho que você tem agora as suas respostas. – Disse divertida.



– Sim.- Disse também divertido. – Eu te amo! – ele disse ficando sério.



– Eu também te amo muito. – Disse no ouvido dele.



Ele sorriu.



– Sabe que vim para saber o que estava acontecendo com você!? Você acha que se não te amasse, eu estava aqui atravessando meio mundo para te ver? – Disse baixinho para ele.



– Você veio mesmo por mim? – Disse surpreso.



– Claro. Estava muito preocupada. – Disse envergonhada.



– Ah, você é tão linda! Acho que então sou o homem sortudo que o Bill falou! – Disse sorrindo para mim.



– Não sei se você é esse sortudo! Tom, você é que tem que perceber o que quer dessa relação! – Disse séria.



– Como você não sabe se sou eu? Eu me declarei! – Disse ele sério.



– Sim, eu sei! Mas isso é sério para você ou é apenas mais uma aventura? – Disse séria.



– É sério e muito! Não sabe as idiotices que fiz sem você do meu lado! –Disse sério para mim.



– Sei, sim! Por isso estava tão preocupada, com medo. - Disse baixando o olhar.



– Escuta com atenção. – ele me olhou nos olhos e pegou na minha mão e com a outra mão tirou uma caixa pequena vermelha. Abriu a caixa e tinha aneis de compromisso.



– Gabriela Fritz você aceita ser minha namorada? – Disse olhando nos meus olhos. Rapidamente fiz um sorriso gigante.



– Tem certeza que é mesmo isso que você quer? – Disse preocupada.



– Nunca tive tanta a certeza! – Disse ele sério.



POV Gabi off

Ver perfil do usuário

27 Capítulo 25 em Seg Mar 04, 2013 5:21 am

POV Gabi on

Fiz uma expressão mais aliviada e dei a resposta que ele tanto esperava.

– Claro que aceito, Tom Kaulitz. – Disse sorrindo timidamente.

Ele colocou o anel no meu dedo e beijou a minha mão e eu coloquei o anel dele na mão dele e o beijei com carinho nos lábios. Estava super feliz, de repente escutamos baterem à porta.

– Ah,deve ser para irmos jantar. Você deve estar com fome. – Disse ele pegando na minha mão e nos dirigindo até à porta.

– Vocês não vêem jantar com a gente? Aconteceu alguma coisa que eu deva saber?– Disse Bill animado.

Ele tinha sentido a alegria do irmão.

– Claro que vamos. Eu não vou perder esse jantar com vocês por nada. – Disse animada.

– Vamos? Talvez, mano, talvez. – Disse o Tom.

– Vamos, sim! – Disse sorrindo para ele.

Chegámos ao restaurante e nos sentamo na mesa, fizemos os nossos pedidos. Até que quando eu estava bebendo a minha coca – cola…

– Espera! Agora é que reparei, que anel é esse no seu dedo, Gabi? Você não tinha isso quando chega!
Afinal tá namorando e não disse nada! – Disse o Georg do nada.

Eu me engasguei, quase que morria sofucada. Credo, porque que ele pergunta isso na frente de todo o mundo. Eu vou matá – lo! Eles são ótimos mas são tão ciumentos, meu deus!

– Calma, calma! – Disse o Gustav e os outros riam da situação.

– Não impliquem com ela! – Disse Tom tentando ser simpático.

– Quem é o cara!? Nem a mim você contava nada? Nós queremos conhece – lo! – Disse Bill sério.

– Deixa, é melhor dizer – lhes! –Disse para Tom que se limitou a assentir com a cabeça.

Eu peguei na mão dele e juntamos as duas mãos, mostrando os anéis de compromisso. Eles logo perceberam o que tinha acontecido. Bill deu um grito de excitação e começaram a assobiar.

– Não tôo acredito! Você e ele. Ele e você. – Disse o David animado.

– É parece que sim. Agora sou comprometido. Fui pego. O cara, sou eu maninho! – Ele sorriu para mim e me beijou com carinho.

– Parabéns! - Disseram os quatro para a gente.

Eu coloquei a cabeça no ombro dele e ele passou a mão no meu rosto.

– Ah, que bonitinhos! Minha melhor amiga é a minha cunhada. – Disse Bill animado

– E se fossemos a um bar comemorar? – disse o Tom.

– TOM! – Repreendi.

– Calma, eu não vou fazer nada de errado! – Disse ele tentando me tranquilizar.

– Ok, mas vai se comportar ok? -Disse preocupada.

– Tudo bem, como quiser meu amor. – ele disse rindo.

Saímos do restaurante para o bar na avenida principal da cidade. Começamos a beber, mas eu não me estava me divertindo minimamente, estava preocupada com o que podia acontecer. Tentava dançar mas estava tão tensa, não conseguia me livrar daquela tensão de maneira nenhuma. Até que, enquanto estávamos na pista. Ouço o disparo de 3 tiros no ar, anunciando um assalto. A música parou e o dono passou todo o dinheiro que tem. O assaltante faz o mesmo a todos os que estão ali. Até que…

– Eu não te vou dar nada seu otário.- Grita Tom para o assaltante.

– Tom, fica calmo! É melhor fazermos o que ele pede. – Disse para ele assustada.

– Hum, eu conheço você! Claro, você é o guitarrista daquela bandinha! É melhor fazer o que a boneca está
falando! – ele disse com a arma apontada.

O Tom tentou afastar a arma, mas o assaltante sem querer apertou o gatilho da arma. O assaltante saiu a correr desesperadamente, e ninguém percebeu onde a bala tinha acertado. Eu no momento em que vi a arma apontada fiquei em panico não queria que ele o machucasse. Eu empurrei o Tom e senti algo furar a minha pele.

– Tom, você está bem? – Disse preocupada.

– Estou, aquele idiota fugiu. – Disse ele irritado.

– Tudo bem, que bom que não aconteceu nada. – comecei a perceber no escuro que a minha blusa azul clara estava ficando muito escura. Eu estava começando me sentindo tonta, só quando vi a blusa manchada é que entendi que eu é que tinha sido atingida.

– Vocês estão bem? – Pergunta Georg assustado.

– Sim. – Respondeu Tom me ajudando a levantar.

- Você ficou maluco? Se ela não fica na sua frente, agora tinha uma bala na cabeça! – Disse Bill irritado.

– Garotos, não briguem. O que interessa é que está tudo bem! – Disse tentando acalmar a situação.

Estávamos todos muito nervosos.

– Vamos embora. Isto já deu o que tinha para dar. – Disse Gustav.

Nos dirigimos para a porta, eu continuava perdendo sangue.Vesti o meu casaco e fiquei calada. Estava
começando a passar mal, precisava sentar .

– Podemos parar 5 minutos? – Disse.

POV Gabi off

Ver perfil do usuário

28 Capítulo 26 em Dom Mar 10, 2013 1:44 pm

POV Gabi on

– Claro.- Disseram os quatro ao mesmo tempo.

Eles olharam para mim, não estavam entendendo, porque queria parar assim do nada. Eu me sentei no chão e coloquei a cabeça entre as pernas, para a pressão subir. Estava me sentindo cada vez pior.

– Calma, já passou, Gabi! – Disse Gustav, já que os outros só estavam conversando.

Pensavam que eu só estava assustada.

– Eu sei! – Disse com a voz fraca.

Tentei me levantar, mas acabei caindo sentada. Nossa, que tontura forte!

–Está tudo bem? – Gustav estava começando a ficar preocupado.

– Estou bem, obrigada, Gust. – Sorri para ele.

Dessa vez consegui me levantar com calma. Começamos novamente a caminhar, já estavamos perto do hotel. Até que apertei o braço do Tom, estava ficando muito tonta de novo.

– O que foi, meu amor? – Disse ele olhando para mim.

– Nada, amor! – Disse com a voz baixa.

– Como nada? Está tão pálida! Tá passando bem? – Ele me olhou preocupado.

– Eu estou bem! – Disse baixando a cabeça.

Ele me abraçou com força e me apertou contra o seu peito.

– AIIIIIIIIII! – Gritei de dor.

Ele tinha tocado no meu machucado, o que me provocou uma dor muito intensa.

– Desculpa, amor! O que aconteceu!? – Ele retirou as mãos da minha cintura e olhou as suas mãos cobertas de sangue.

– Meu deus! Gabriela, você está sangrando! – Ele disse nervoso.

– Calma! Não é nada de mais! – Disse com a voz fraca.

Os outros olhavam assustados para as mãos dele, completamente cobertas de sangue.

– Só preciso que você faça o que eu disser para tirar isso das minhas costas, ok? – Disse firme.

– Não, não! Nós vamos para um hospital agora! – Disse preocupado.

– Tom, deixa de ser exagerado! Isso não é nada de especial! – Disse irritada.

– É sim! Você vai fazer o que eu quero! – Disse bravo comigo.

Eles agora falavam os quatro nervosos, já nem estavam discutindo comigo, mas sim uns com os outros. Eu estava me sentindo cada vez com menos força, me encostei na parede de um dos prédios. Comecei a enxergar tudo rodando e começando a escurecerem. Até que cai no chão desmaiada, provocando barulho. Os garotos me viram caída no chão e rapidamente os quatro correram na minha direção.

– Acorda! Amor? Fala comigo, não posso te perder! Não me deixa, por favor! Eu imploro, fala comigo! Abre os olhos! - Tom estava desesperado.

Ele virou o meu corpo, tirou os meus cabelos do rosto e me viu sem reação, sem vida, parecia morta. Puxou o meu corpo para junto do seu e encostou os seus lábios nos meus, como num ato de desespero de me fazer acordar. As lágrimas rolavam sem parar do rosto dele, a dor estava consumi - lo como se fossem chamas.

– Calma, mano! – Disse o Bill com o irmão agora chorando no seu peito.

– Já estou chamando uma ambulância! – Disse o Georg com o celular nas mãos e dando as indicações.

POV Gabi off

POV Tom on

– Viu o que você fez? Se não tivesse a idéia idiota de discutir com um assaltante, nada disso tinha
acontecido! Ela para te proteger acabou por colocar a própria vida em risco. – Disse Gustav nervoso.

– Gustav! –Repreendeu o Bill.

– É verdade, Bill! Nós vamos perde – la por culpa dele! – Disse cada vez mais alterado.

– Pára com isso! Já estamos nervosos o suficiente! – Gritou Georg.

A ambulância chegou e a levou numa maca. Chegando no hospital levaram – na para o centro cirúrgico e tiraram a bala do seu corpo, fizeram uma transfusão de sangue para repor tudo o que ela havia perdido. Agora ela já estava recuperando. Enquanto isso nós estávamos na salinha de espera muito ansiosos.
Até que o médico chegou à sala….

– Vocês são familiares da garota que foi baleada? – Perguntou o médico

– Sim, somos primos e ele é o namorado. – Disse Bill, porque tinha que dar uma desculpa para podermos vê - la.

– Ok, ela já está começando a recuperar. Está um pouco fraca, peço que não deixem ela fazer esforços, nem pegar em nada pesado. É essencial que ela se alimente muito bem, perdeu muito sangue e teve que se fazer uma transfusão sanguínea. Se quiserem podem vê – la.

– Obrigada, doutor. – Disse Gustav.

Nós entramos no quarto e ela estava com muitos fios e toda ligada a máquinas.Eu senti um alívio quando olhei para ela. Eu a vi começando a abrir os seus lindos olhos.

POV Tom off

Ver perfil do usuário

29 Capítulo 27 em Qua Mar 20, 2013 4:53 pm

POV Gabi on



Eu acordei e vi um teto branco, tentei me levantar, mas fui impedida por alguém.



– Calma, não se levanta! – Disse Georg preocupado.



– Porque? – Disse confusa.



– Você perdeu muito sangue! –Disse Bill.



– Já estou melhorando. Não foi nada, também não é preciso tanto cuidado. – Disse sem entender nada.



– É sim! Quase morreu por minha culpa! - Disse Tom que agora o vi sentado do meu lado na ponta da cama.



– Não foi por sua culpa! Ei,não tem que se sentir culpado. Fui eu, como poderia ter sido outra pessoa. – Disse o tranquilizando.



– Foi culpa dele, sim! Se ele não tivesse tentando ser o herói, nada disso tinha acontecido! – Disse Gustav muito irritado.



Eu vou nos olhos do Tom que ele já estava ficando maluco com aquela conversa. Ele se aproximou furioso na direção do Gustav. Ambos com os olhos cheios de raiva, o Bill e o Georg estavam tentando evitar o pior, eu comecei a tirar todos os fios de mim e me levantei. Eles continuavam discutindo , até que o Gustav se soltou do Georg e já estava pronto para dar um soco no Tom quando eu coloquei entre os dois e ele acabou por acertar em mim. Eu não ia deixar que discutissem por minha causa, eles sempre foram tão amigos e isto não podia acontecer. Acabei por me desequilibrar e cai em cima do Tom.



– Desculpa! –Disse para o Tom.



Me levantei rapidamente.



– Gabriela! Desculpa, não queria ter feito isto. – Disse muito atrapalhado para mim (Gustav).



– Não se preocupa. Por favor não briguem mais! Vocês são amigos, não se vão chatear por isso, pois não?

– Disse tentando acabar com o clima que estava ficando ali.



– Ok, desculpa, Tom. Exagerei, eu também não quero que você fique chateado comigo! – Disse Gustav dando a mão para ele apertar.



– Ok, Gust. Me desculpa, eu sei que você também estava nervoso! Amigos? – Disse Tom apertando a mão dele.



– Claro, sempre! – Disse Gust.



Eles se abraçaram num sinal de amizade. Eu fiquei super feliz por eles ficarem bem de novo.



– Agora, você deita aí, bem quietinha. Nem pensar em fazer esforços. Isso que se aconteceu aqui, já foi muito para você! – Disse Bill me ajudando a deitar.



– Ok! Bill, amanhã você tem que me ajudar! Preciso de disfarçar o roxo que vai ficar no meu rosto, nem pensei que ele tivesse tanta força! Nossa Gust, parece que tá fazendo academia! – Disse massajando a boca.



– É, e tôo mesmo! –Disse envergonhado.



– Claro, vou fazer uma maquiagem ótima! Está falando com um profissional! –Disse Bill animado.



– Eu sei disso, por isso pedi ao melhor! – Disse sorrindo.



– Agora, você precisa de descansar. Amanhã vimos te buscar. – Disse Georg.



– Ok, mas que eu queria tanto ir correr de manhã! – Disse frustrada me cobrindo com as cobertas.



– Correr? É que nem pensar! Chega disso, amanhã logo se vê o que vamos fazer. – Disse Gust .



– Tudo bem! – Disse colocando a cabeça no travesseiro. Estava começando a ficar com sono. Começou a ficar tudo muito silencioso na sala e acabei por adormecer.



POV Gabi off



POV Tom on



– Vamos sair, já tá dormindo! – Disse Bill passando a mão na cabeça dela.



Saímos os 4 em direção ao hotel, cada um foi para o seu quarto. Tomamos o café da manhã em silêncio e fomos para o hospital. Quando chegamos, ela estava nos esperando na porta do hospital.

Roupa da Gabi: http://www.polyvore.com/cgi/set?id=44424901



– Oi! – Dissemos em coro.



– Oi! Nossa, que caras! Que horror! – Disse ela sorrindo.



– Ah, sempre animada! – Disse Georg passando os braços nos meus ombros.



– Vamos embora, que eu ainda quero passear pela cidade com vocês! – Disse ela animada.



– Não era melhor ir para o hotel, para você descansar? – Perguntou Bill



– Ah, não! Não, não, não! Vamos passear, por favor! – Disse ela.



– Ok, mas pouquinho para você depois descansar! – Disse Gustav dando um beijo na bochecha dela.



– Ok! Vamos? – Disse ela animada.



– Sim! –Dissemos todos.



Ela deixou os outros andarem mais à frente e se aproximou de mim.



– Amor? Não fala comigo? – ela disse preocupada.



– Falo sim. – eu disse envergonhado.



– Ainda não falou nada comigo! O que aconteceu, meu amor!? – ela disse com uma carinha, que era impossível resistir, mas eu tinha que resistir.



POV Tom off

Ver perfil do usuário

30 Capítulo 28 em Dom Mar 24, 2013 1:35 pm

POV Tom on

– Ah, eu acho melhor não falarmos por agora! – eu disse firme.

– O que? Mas porque? – ela disse confusa.

– Porque eu sou um irresponsável e ia fazendo você perder a vida por minha culpa!

– Como é que é? Você sabe que está me fazendo sofrer? Eu voltei a acreditar no amor, por sua causa, e na primeira dificuldade é isso que acontece!? – ela disse com uma carinha de tristeza de cortar o coração.

– Desculpa, tá vendo é só isso que eu sei te dar, sofrimento. – eu disse.

– Não, não, seu bobo! Você me faz muito feliz. A cada minuto da minha vida, eu me sinto mais feliz com você do meu lado. Não fala essas coisas que me machucam tanto. – ela disse olhando profundamente dentro dos meus olhos.

– Eu fiquei morrendo de medo, quando vi você, no chão, parecia sem vida. Parecia que me tinham morto também. – eu disse e ela me abraçou carinhosamente, daquele jeitinho que só a Gabi tem.

Sempre tão carinhosa!

– Eu estou aqui, não estou, com você? Meu amor, esquece essas bobagens e me deixa aproveitar esses dias que estamos assim, bem juntinhos. – ela disse, me fazendo derreter completamente.

– Você tá certa! Tôo sendo um bobo! – eu disse.

– Meu amor! Vamos aproveitar cada segundo bem juntos! – ela disse, me fazendo sorrir como um bobo apaixonado.

Só ela conseguia me amolecer daquele jeito, sempre foi assim, mesmo quando éramos só amigos. Só ela conseguia chegar bem pertinho de mim, e conseguir me entender como ninguém sabia fazer.

– Não duvida nunca, do que eu sinto e como me sinto quando estou perto de você, meu anjo. – ela disse, me fazendo sorrir ainda mais.

– Desculpa, amor! – eu sussurrei.

POV Tom off

POV Gabi on

Ele me abraçou com delicadeza e me beijou com tanto carinho, as minhas pernas começaram a ficar bambas. Eu senti as lágrimas descendo pelo meu rosto e pelo dele também. O Bill achou estranho não estarmos com eles, e quando se virou viu aquele momento tão doce e sorriu chamando os outros à atenção.
Ficaram vendo a cena.

– Vamos eles estão nos esperando, meu amor!? – Disse no ouvido dele, ainda abraçada nele.

– Vamos, claro! – Disse passando a mão no meu pescoço.

Fomos nos aproximando dos outros que sorriam para nós, e nós retribuímos. Fomos de mãos dadas, acariciando as nossas mãos. Logo, chegámos a um parque com um lago de gelo.

– Ah, que legal, vamos patinar? – eu perguntei animada.

– Meu amor, mas eu já não faço isso à tanto tempo, acho que já nem sei fazer direito! – Disse Tom fazendo uma carinha de preocupado, querendo recusar.

– É como andar de bicicleta, nunca esquecemos. Eu ajudo, amor. Confia em mim! – Dei um beijo na testa dele e fui alugar patins para todos.

– Vamos, gente! – Disse o Bill também animado.

– Claro. – eu disse também muito animada.

– Amor, eu não sei se isto vai ser boa ideia! Acho que não vai dar certo, não! – ele disse tímido para mim.

– Ah, amor! É só um pouquinho, me dá a sua mão, por favor! – Disse olhando carinhosamente para ele.

– Nossa, vamos ficar segurando vela! – Disse Georg brincando.

– Não vão, não, meus amores. – Disse brincando

– Que bom, pensei que já não ia nem olhar para a gente. – Disse Bill fazendo uma carinha fofa de pidão.

– Meu lindo! Claro, que ligo, sempre. Sou a vossa amiga também. - Disse para ele.

– Que bom! – Disse sorrindo para mim.

Chegamos à pista e eu entrei com os 3 na pista e o Tom foi ficando para trás. Eu fui pegá - lo, e entrelacei a minha mão com a dele. Ele começou com passos pequenos e eu segurava a mão dele firme.

– Eu vou cair! – Disse ele para mim.

– Não vai nada, meu anjo! Eu estou aqui do seu lado! – Disse.

Após um bom tempo ele já estava patinando bem, mas acabou caindo! Eu patinei logo para junto dele.

– Amor, o que aconteceu!? Se machucou?– Disse segurando a mão dele para se levantar.

Ele fez um sorriso fofo, avisando que ia aprontar, mas eu nem liguei! Fiquei completamente hipnotizada pelo sorriso dele, como uma boba e ele puxou a minha mão com um impulso forte. Eu acabei caindo em cima dele, do seu corpo forte. Ficamos nos olhando nos olhos, como se falassemos sem abrir a boca, mas não resistimos e começamos nos beijando com intensidade. Eu sentia a língua dele explorando a minha boca com a ansiedade e com muita sede daquele beijo. Ele estava me puxando cada vez mais forte, contra o seu corpo deitado sobre o gelo. Quando nos levantamos, ele parecia querer grudar em mim, ele segurava bem firme a minha cintura.

POV Tom off

Ver perfil do usuário

31 Capítulo 29 em Qua Mar 27, 2013 6:44 pm

POV Gabi on

Quando voltamos para o hotel...

– Vou comer alguma coisa coisa. Não vão querer nada? – Disse o Gustav para todos.

– Hum, eu vou com você. Não tôo com muita fome, mas pelo menos um sandwich. Nossa, já tava esquecendo que ainda tenho que cuidar desse machucado! – Disse.

– Eu vou dormir. – Disse Bill com a voz arrastada de sono.

– Eu também. – Disse o Ge.

– Eu vou com vocês. Amor, você não quer ajuda para cuidar do seu machucado, posso ser o seu enfermeiro particular? – Disse o Tom maliciosamente.

– Obrigada, mas eu consigo sozinha. E vocês tem certeza que não vão querer comer nada, não? Eu posso comprar alguma coisa, tem que se alimentar!? – Disse séria para eles.

– Não, obrigada, Gabi! – Disse Georg.

– Ah, eu tava sentindo falta desses seus carinhos. Pensei que agora só ia querer saber do meu irmão. Mas não tôo com fome, linda! Obrigada! – Disse o Bill sorrindo.

– Meu querido, eu não ligo só a ele! Vocês todos são parte de mim! Eu gosto de todos de uma forma especial! –Disse envergonhada.

– Mas amor, mesmo só a mim que você deveria ligar! Isso é muito homem de volta da minha namorada! - Disse brincando.

– Que engraçadinho! Muito Homem? Ah, fofo, você sabe que eles são especiais para mim! Mas claro que quem ficou com o meu coração foi você! – Disse o olhando.

– Eu vou cuidar muito bem dele e da dona, agora que são meus! – Disse ele olhando nos meus olhos.

– Espero que sim! – Disse a sorrir.

O meu celular tocou e eu olhei para o visor e vi o nome do meu professor de aulas de canto.

– Ai, problemas com certeza! – Disse olhando o visor – Ok, vamos encarar! – Disse para mim mesma.

– Oi, bom dia, professor! Tudo bem com o senhor?

– Oi, Gabriela! Comigo está tudo bem! Tudo bem com você?

– Tudo. Professor, algum problema?

– Bem, eu precisava que você me ajuda - se. Eu tenho vários contatos no mundo da música, e eu sei que você está de férias! O que você acha de fazer um trabalho em Nova Iorque?

– Bom, depende! Que tipo de trabalho?

– Bem, vai existir uma entrevista na MTV com os Tokio Hotel e precisam de alguém discreto que ajude na assistência musical durante a entrevista e a suas duas intervenções durante o programa! Mas como não havia
ninguém que tivesse disponível para substituir o assistente nesse programa, eu lembrei de você! Aceita?

– Claro que aceito! Fico agradecida por ter se lembrado de mim! Mas não se preocupe que eu estou cá, em umas mini férias. Para onde eu devo falar? Qual o número?

– Ainda bem! O número é ….. Então depois não se esqueça de contar como foi, ok? Adeus.

Escrevi os números no meu outro braço. Tinha que escrever no celular antes que tomasse banho e
desaparecessem.

– Ok, obrigada novamente! Adeus.

Desliguei e fiquei completamente mergulhada nos meus pensamentos, nem tôo acreditando! Parece que estavam brincando comigo! Ah, que bom! Estava com um sorriso todo idiota na cara, até esqueci que eles estavam ali.

– Alo!? Alo?! Terra chama Gabriela, Terra chama Gabriela! – Disse Bill passando a mão na frente dos meus olhos.

– Ãh? Ah, desculpem estava distraída! - Disse envergonhada.

– Novidades boas? – Disse Georg

– Hum Hum!

– Só isso! Hum Hum? – Disse Tom curioso.

– Ok, ok! Fui convidada para fazer a assistência na vossa entrevista à MTV! Satisfeitos? – Disse.

– Sério? – Disseram os quatro em coro.

– Nossa, com essas caras! Não gostaram? – disse surpresa.

– Adoramos! – Disse Bill com um brilho no olhar.

– Que bom! – Disse feliz.

– Amor, você vai me dar assistência técnica? – Disse ele maliciosamente.

– Safadinho, não é nada disso! Nem com essas intenções, vou dar especificamente assistência aos Tokio Hotel, não em particular ao Tom Kaulitz, o guitarrista. – Disse gargalhando.

POV Gabi off

Ver perfil do usuário

32 Capítulo 30 em Seg Abr 01, 2013 9:03 am

POV Gabi on

– Se ferrou, espertinho! Ela não é a sua assistente, mas nossa assistente! Ela vai ajudar os quatro. – Disse Georg

– Ah, ah os quatro! Mas você vai ver, se ela não vai dar mais assistência a mim e às minhas guitarras! – Disse convencido.

– Parou! Eu não sou uma coisa! Vocês tão falando como se eu fosse um objeto! – Disse chateada.

– Desculpa, mor! Não foi essa a intenção! Meu anjo, não fica assim! – Disse ele, distribuindo beijos no meu pescoço.

Nossa, boa forma essa de convencer.

– Tudo bem. - Disse.

– Vamos ao restaurante? – Perguntou o Gustav

– Sim, tôo morrendo de fome! – Disse Tom

Fui arrastada pelos dois até ao restaurante, onde almoçamos e mais tarde saí e resolvi tudo
com a MTV. Dando indicação de aparecer umas quatro horas antes da entrevista deles no dia seguinte.

– Eu vou para o quarto! – Disse aos dois.

Mas agora Georg e Bill se juntaram à gente.

– Posso ir com você, amor? – Disse o Tom.

Ai, Deus e agora? Eu não estou preparada! Mas e agora? Pensa, pensa, pensa, droga!...

– Melhor não! Eu preciso de tomar um banho e dormir, ok! – Disse sorrindo sem vontade.

– Ohhhhhh! Mas eu queria tanto! – Disse triste.

– Amor, fica para outro dia! Nós vamos ter tempo para tudo! Não fica assim chateado! – Disse beijando os seus lábios carinhosamente.

– Garotos, boa noite! – Disse séria.

– Adeus, boa noite! – Disseram em coro.

Eu subi correndo para o meu quarto, assim que cheguei comecei por tirar as minhas roupas e tomar um banho bem demorado. Fiz um curativo novo, parecia que o machucado estava melhorando. Vesti o meu pijama e me deitei, mas não conseguia parar de pensar em tudo o que estava acontecendo, me levantei e deixei o celular no móvel. Depois, resolvi me sentar numa cadeira na sacada, e fiquei admirando a cidade. Estava tanto frio que parecia que a minha pele ia congelar. Um dia iria ter que contar que eu ainda era virgem.
Ouvi baterem na porta com força, pareciam batidas desesperadas, parecia que iam derrubar a porta. Me levantei e fui até à porta. Assim que abri a porta, fui bombardeada com um monte de perguntas.

– Onde você estava? Porque não atendia o celular, nem abria a porta? Estou aqui quase à meia hora! – Disse o Tom sério.

– Meia hora? Desculpa o celular, deixei no quarto e não escutei, estava na sacada! Estava distraída! Mas para que tanto desespero? – Disse sem entender nada.

– Pensei que tinha passado mal, amor! Fiquei preocupado! – Disse ele mais aliviado.

– Desculpa, amor! Estou bem! Ia dormir agora! – Disse.

– Posso entrar?

– Pode, mas estou morrendo de sono.

– Ok, não tem problema princesa.

Entramos os dois, e ele estava me olhando com uma cara de safado. Meu deus, isso não vai dar certo, não, gente!

– Então, mas você veio aqui porquê? – eu perguntei inocentemente.

– Porque queria entender o que aconteceu, lá em baixo! – ele disse me olhando, tentando me ler com o seu olhar penetrante.

– Mas não aconteceu nada, amor! – eu disse desviando o olhar.

Eu tava começando a suar, a ficar nervosa.

– Gabriela, eu sei que aconteceu alguma coisa! – ele disse sério me encarando.

– Nada! - Disse baixando a cabeça.

– Confia em mim! Eu vou escutar com calma, amor. – ele disse acariciando o meu rosto.

– Ok, eu vou contar! Mas não pode rir! – eu disse suspirando.

–Ok, prometo, amor. – ele disse sorrindo.

– Tom, é que...é que...eu…bem, eu ainda sou virgem, é isso. – Disse, mas quando cheguei no fim da frase a voz mal se percebia.

– Amor, não escutei! Fala, tranquila. – ele disse me olhando ainda mais atento.

– SOU VIRGEM! V-I-R-G-E-M! – Disse alto.

Ele me olhou surpreso.

– Nossa, amor! Que fofo! Eu vou ser o seu primeiro? – Disse ele sorrindo todo feliz.

– Sim! – Disse envergonhada.

– Por isso esse medo todo? – ele perguntou carinhoso.

– Hum Hum! – eu assenti.

– Meu amor! Todos os dias, eu consigo me apaixonar ainda mais por você, se é que isso é possível! Pois, eu já amo tanto você, minha linda! Vou ser o seu primeiro e o seu último homem! Quando você estiver preparada, eu vou esperar o tempo que for necessário. –Disse me abraçando contra o seu peito.

– Obrigada, estava morrendo de medo da sua reação. – Disse ainda embrulhada nos seus braços.

– Não me esconde mais nada, ok, meu anjo? – Disse ele acariciando o meu rosto, e olhando profundamente nos meus olhos.

– Nunca mais! - Disse o abraçando com força.

Eu me deitei e ele ficou do meu lado. Fiquei junto dele com os seus braços me envolvendo carinhosamente. Estava mais relaxada e acabei por pegar no sono coladinha dele. Enquanto ele pacientemente acariciava os meus cabelos. Ele saiu do meu quarto.

- Conseguiu conversar e descobrir o que aconteceu? – Perguntou Bill curioso e arqueando a sombracelha.

POV Gabi off

Ver perfil do usuário

Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo  Mensagem [Página 2 de 2]

Ir à página : Anterior  1, 2

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum